domingo, 21 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Sob nossas cabeças

Sob nossas cabeças

Matéria publicada em 27 de março de 2018, 07:40 horas

 


wp-coluna-contos-e-cronicas-alexandre-correa-lima

 

Certos episódios marcam a vida da gente.
Quase todo mundo lembra o que estava fazendo na hora em que soube do ataque às Torres Gêmeas de Nova York em 2001.
Lembro de um episódio ainda mais antigo, lá pela transição dos anos 70 com os 80, o que dá uma boa pista do meu nível de antiguidade, ainda que eu fosse apenas uma criança naqueles tempos.
Na sala de aula, os colegas falavam apavorados da Skylab, uma estação espacial americana construída pela NASA, que os engenheiros anunciaram que cairia em algum ponto do Planeta Terra no ano de 1979. E para uma criança cheia de imaginação, “algum ponto” poderia muito bem ser a minha própria cabeça. A queda do Skylab alimentou a fantasia e a paranoia de bilhões de pessoas em todo o mundo.
O Skylab acabou se desintegrando ao entrar na atmosfera terrestre e seus destroços caíram quase todos no Oceano Índico. “Quase todos” porque alguns caíram numa região pouco habitada da Austrália. “Pouco habitada” porque um dos destroços caiu em cima da casa do australiano Stan Thornton. Azarado, não? Não, azarado não, muito sortudo!
É que uma rádio americana tinha prometido um prêmio de 10 mil dólares para o primeiro sortudo (ou azarado) que levasse um pedaço da Skylab para a emissora.
Isso aconteceu há mais de 30 anos.
Hoje cedo, estava eu tranquilão na padaria quando a atendente soltou a novidade mais fumegante que o café:
– O senhor viu que tem um satélite chinês desgovernado que vai cair na Terra dentro de alguns dias?
– Hã?
Logo o Google confirmou tudo. Uma estação espacial chinesa, fabricada em 2011, que já deveria ter sido desativada, está se esfarelando em pleno espaço, e qualquer dia desses vai desembarcar desembestada e sem freios aqui neste planetinha azul.
Tudo bem que os chineses queiram produzir as tranqueiradas Xing Ling deles, mas Estação Espacial já é demais. Se drone Xing Ling não se sustenta no ar, imagina uma estação espacial de várias toneladas !
Pra piorar, eles mal fazem ideia de onde esse mondrongo espacial irá cair. Segundo a Agência Espacial, a órbita da estação varia entre os paralelos 43 norte e 43 sul – o que significa que ela pode cair em praticamente qualquer lugar da América do Sul, África, Oceania, ou em amplas áreas da Ásia e da América do Norte, no sul da Europa ou nos oceanos. Ou seja, pode cair em qualquer lugar, inclusive na minha ou na sua cabeça.
Pra piorar, pelo pesquisei, não tem nenhuma rádio oferecendo dinheiro pra quem achar os detritos da Estação Xing Ling.
Portanto, pelos próximos dias, ao invés de andar com a cabeça baixa checandoo WhatsApp, recomendo se preocupar um pouco mais com o que voa (e despenca) sob nossas cabeças.

 

 

ALEXANDRE CORREA LIMA| alexandre.lima@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document