domingo, 17 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Tecnologia que chora

Tecnologia que chora

Matéria publicada em 26 de outubro de 2019, 06:00 horas

 


Depressão é uma doença psíquica que, apesar de ter ganhado notoriedade nas últimas décadas, sempre esteve presente na sociedade

Aos 7 anos, crise de ansiedade; aos 14 anos, algumas internações; aos 21, tranca-se a matrícula da faculdade; aos 30, infelizmente, muitas vezes não se chega aos 30. Sob essa perspectiva, o crescente número de brasileiros diagnosticados com depressão é alarmante e deve ser tratado como um problema grave de saúde pública, tendo em vista que afeta a qualidade de vida dos cidadãos e o desenvolvimento do país.
Recentemente, assistindo o filme “Coringa”, pude me questionar sobre a invisibilidade social e os seus males. O protagonista se mostra como vítima de um sistema perverso. Os problemas mentais podem ser associados a esse tipo de sofrimento, pois, muitas vezes, as pessoas portadoras de alguma doença são discriminadas pala sociedade. Há, ainda, muito preconceito com doenças invisíveis.
A depressão é uma doença psíquica que, apesar de ter ganhado notoriedade nas últimas décadas, sempre esteve presente na sociedade. Contudo, com o avanço do capitalismo e com as mudanças sociais advindas desse sistema, houve, também, uma grande alteração no perfil relacional das pessoas. Se a teoria defendida pelo sociólogo Zygmunt Baumam estiver certa, vivemos em uma sociedade líquida, cada vez mais individualista, e com relações frágeis, fluídas e superficiais. Esse cenário incita a ocorrência e a competitividade, os quais causam angústia e frustração. Atrelado a isso, a teoria do filósofo Guy Debord adiciona um agravante: a tecnologia. Nesse viés, o avanço tecnológico e o desenvolvimento das redes sociais aumentaram a exposição do indivíduo, o que Devord chamou de sociedade do espetáculo. Atualmente, o Brasil encontra-se entre os países com maior quantidade de usuários com contas nessas redes. Dessa forma, não surpreende essa posição também no ranking mundial das nações mais deprimidas, segundo a Organização Mundial da Saúde.
Outro aspecto a ser evidenciado diz respeito à falta de informação, a qual faz com que a depressão ainda seja vista sob o olhar preconceituoso dos leigos, os quais consideram a doença como frescura do paciente. Isso prejudica o diagnóstico, o tratamento e, principalmente, a prevenção. Sob esse prisma, a falta de investimento na prevenção da depressão acarreta maior gasto com o diagnóstico e com o tratamento, que são mais caros, além de prejudicar o desempenho desses indivíduos no trabalho, o que afeta toda a cadeia econômica do país. Visto que a Constituição Federal Brasileira de 1988 afirma ser competência do Estado garantir saúde de qualidade a toda população,o aumento dos casos de depressão, no Brasil, mostra uma falha do governo a ser combatida.
Evidencia, portanto, que as mudanças oriundas da modernidade promoveram um aumento nos casos de doenças psíquicas, com destaque para a depressão, considerado o mal do século XXI. Diante disso, cabe a cada um de nós, a capacidade de reflexão acerca das inovações tecnológicas e o quanto elas podem nos prejudicar. Devemos reaprender a estarmos presentes, de corpo e alma, devemos sair do automático e entender que somos humanos e não máquinas. Perdemos a capacidade de olhar nos olhos uns dos outros, o que é fundamental para a conexão com nós mesmos. Se criamos o “veneno”, devemos aprender a criar o antídoto.

Boa Leitura,
TMJ!

Raphael Haussman. É professor, Coach, consultor e apaixonado por educação e desenvolvimento humano e, ainda, pai da Raphaela e do Theo.

Nosso dicionário:

– Depressão – Depressão é uma doença psiquiátrica crônica e recorrente que produz uma alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima e culpa, assim como a distúrbios do sono e do apetite.

– Zygmunt Bauman – Zygmunt Bauman (Pozna?, Polônia, 19 de novembro de 1925 – Leeds, Reino Unido, 9 de janeiro de 2017) foi um sociólogo e filósofo polonês, professor emérito de sociologia das universidades de Leeds e Varsóvia. Em suas obras, Bauman discutiu as problemáticas da sociedade hodierna.

– Guy Debord – Guy Debord (Paris, 28 de dezembro de 1931 – 30 de novembro de 1994) foi um escritor marxista francês e um dos pensadores da Internacional Situacionista e da Internacional Letrista.

– Sociedade do Espetáculo – O livro “A Sociedade Do Espetáculo” pode ser descrito como uma crítica feroz à sociedade contemporânea, isto é, à sociedade do consumo, à cultura da imagem e à invasão da economia em todas as esferas da vida.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document