quarta-feira, 8 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Toda a maldade dos homens

Toda a maldade dos homens

Matéria publicada em 28 de outubro de 2016, 07:00 horas

 


A história da humanidade continua a ser uma sucessão de massacres; religião foi uma tentativa fracassada de controlar a maldade humana

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife

Muito antes da existência das novelas e dos seriados da televisão, houve a época dos seriados do rádio. Foi nas décadas de 1940 e 1950, quando a TV ainda era uma experiência e as famílias se reuniam em torno do aparelho de rádio, durante a noite. Para ouvir os programas de música, os noticiários e, é claro, as novelas e os seriados. Como no caso da TV, a coisa começou nos Estados Unidos e depois foi copiada pelos brasileiros. Entre as séries americanas do rádio tinha as aventuras do misterioso “Sombra”.

O “Sombra” era uma espécie de detetive que enfrentava criminosos sinistros. Na versão americana os episódios começavam com uma voz grave e sinistra, feita pelo Orson Welles que perguntava: “Quem conhece a maldade que se oculta no coração dos homens?”. Seguia-se de uma gargalhada sinistra e resposta: “O Sombra”.

Hoje em dia, para conhecer a dimensão da maldade humana é só acessar as páginas de notícias da internet. Os crimes e massacres se sucedem com uma frequência tão grande que o público acaba ficando anestesiado. Agora mesmo, enquanto escrevo essas linhas, os radicais do Estado Islâmico estão matando homens, mulheres e crianças nos vilarejos perto de Mossul, aquela cidade sitiada no norte do Iraque.

Massacres não são novidade naquela região. Acontecem desde os tempos bíblicos. O motivo é sempre a eliminação daqueles que pensam diferente, ou que tem uma religião que entra em conflito com aqueles que estão no poder. Não muda nada, só as armas usadas nos genocídios. Na antiguidade eram as espadas e lanças. Hoje em dia são os fuzis Kalashnikov e as granadas.

Se um extraterrestre imaginário observasse a história humana ia concluir que somos uma raça de assassinos natos. Os homens matam para roubar, matam por ciúme, matam por motivos políticos, matam por motivos religiosos. Mas não importa o motivo. Os homens matam e ponto final.

O Estado Islâmico, que ocupa partes do Iraque e da Síria, ficou conhecido por sua crueldade. Cometendo atrocidades como queimar pessoas vivas dentro de jaulas e gravar o vídeo para exibir na internet. Mas o pior de tudo é que a exibição desses crimes conquistou simpatizantes para o grupo. Milhares de jovens de todo o mundo, incluindo da civilizada Europa, viajaram para o Oriente Médio, via Turquia, para se unirem ao Estado Islâmico. Teve até brasileiro querendo fazer parte do grupo para matar e cometer atrocidades como eles.

E isso em pleno século XXI, na época que os hippies do século passado imaginavam como uma era de amor e paz. A civilização e a cultura tentam coibir esse impulso homicida, mas sem muito sucesso. Talvez o problema esteja na origem da nossa espécie. Somos um tipo de primata e os macacos são bichos muito agressivos. Talvez nossa história fosse diferente se compartilhássemos do DNA de bichos mais pacíficos como as focas ou as baleias.

A religião foi uma tentativa fracassada de controlar a maldade humana. A maioria das religiões prega o amor entre os homens, a solidariedade e outros sentimentos nobres. Mas acaba sendo usada como desculpa para novos massacres.

O que levou o escritor Arthur C. Clarke a lamentar, no século passado, que “A religião é um mal necessário, mas sua maldade acabou superando em muito sua necessidade”. Se hoje são os muçulmanos que usam a religião como desculpa para seus massacres, no passado foram os cristãos e os hebreus.

Seríamos mais felizes se vivêssemos em um mundo sem religiões? Como sonhou John Lennon? Acho que não. O homem macaco escondido dentro de cada ser humano encontraria outros motivos para agredir, mutilar, estuprar e matar.

Como bem sabia o “Sombra”.

Iraque: A maldade virou rotina (Foto: Reprodução)

Iraque: A maldade virou rotina (Foto: Reprodução)

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. Avatar

    A violência é inerente ao ser humano, assim como a amizade e o amor. Tanto um padre é capaz de sentir profunda ira quanto o mais perigoso presidiário é capaz de sentir apreço e respeito por algo ou alguém. Como todo animal social, precisamos de aliados e de inimigos, isso está no nosso DNA. A adrenalina é o hormônio da guerra… Quem não tem coragem de arriscar a pele combatendo o inimigo, inventa competições esportivas, envereda em vídeo-games e parte para lutas simuladas…

  2. Avatar

    Jorge, sou formado em teologia, com mais de 20 anos de vida em igreja, além de ter curso superior em mais 3 áreas tão distintas; quanto exatas e humanas……..seu comentário viciado por lugares comuns é uma falácia vice cita o escritor Arthur C. Clarke para referendar o que escreveu……olha para emitirmos opinião mais ou menos coerente sobre a maldade humana precisamos ir às fontes da história da humanidade e nesse ponto a Bíblia é inigualável…….esse singular e maravilhoso livro revela que a religião não foi criada para amenizar o mal mas antes, que o mal é o resultado do abandono de Deus por parte do homem, você cita a teoria de Charles Darwin quando sabemos que na comunidade científica ela não é mais utilizada dando lugar a genética e outras teorias………você ignora que os acontecimentos atuais são profecias bíblicas……..eu também ignorava mas em vez de ser um delinquente intelectual eu fui pesquisar, fui à fronteira do conhecimento para ver que a história da humanidade, a arqueologia, a matemática ( ciência na qual eu tenho pós graduação) a biologia,a a filosofia enfim, os aproximadamente 33 mil campos de conhecimento humano apontam para a certeza de que o mundo não é satisfatoriamente explicado sem Deus. è muito grave usar uma rede como a net para expor opiniões equivocadas…recomendo além de ler a Bíblia um livro chamado …….e a Bíblia tinha razão….de Werner keller….um abraço!

    • Avatar

      Você não passa de um alienado acéfalo!

    • Avatar

      dtmgtosm, viver e conviver também é bom e importante para saber o que esta acontecendo com as pessoas ao nosso redor e no mundo, não adianta fazer mil faculdades, cursos superiores, teologia, ler livros e mais livros que na maior parte o que tem mais é fantasia. Vai ver e sentir gente, veja como o mundo esta esquisito e como as pessoas estão se comportando atualmente. Quem vive com a cara enfiada em livros o tempo todo é para não encarar a realidade da vida.

  3. Avatar

    Se crucificaram o filho de Deus, imagina o quão maldoso o homem é.

Untitled Document