domingo, 17 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Um Iphone ou um abraço?

Um Iphone ou um abraço?

Matéria publicada em 12 de outubro de 2019, 06:00 horas

 


Abandono de seres ainda em processo de formação impede o pleno desenvolvimento de toda a sociedade

12 de outubro, dia das crianças! O que dar para as crianças? Quais presentes? Dólar para se gastar na Disney? Ou puros e simples abraços? O que uma criança realmente deseja? O que uma criança, efetivamente precisa?
Na antiguidade clássica, Aristóteles afirmou que a arte imita a vida. Essa assertiva definiu o processo de catarse dentro das obras de arte. Na primeira metade do século XX, o escritor Jorge Amado relatou, em seu romance “Capitães da Areia”, a vida de uma gangue de crianças abandonados no Nordeste. Nesse contexto, os abandonados envolvem-se com furtos, doenças, prostituição; cometem crimes: realidade de diversas crianças abandonadas no Brasil. Assim, a vulnerabilidade e o abandono de infantes mostra-se nocivo à sociedade brasileira, posto que ferem os direitos humanos, e evidencia-se a veracidade da afirmativa de Aristóteles.
Todavia, embora saibamos que existem muitas crianças que não receberão presentes e nem afeto neste dia 12, podemos nos fazer a pergunta: quantas crianças são abandonadas por pais e mãe “presentes” apenas com os seus presentes ou então nas redes sociais? Cabe outra pergunta: um iphone ou um abraço?
O abandono de seres ainda em processo de formação impede o pleno desenvolvimento de toda a sociedade. A esse respeito, Maslow, psicólogo humanista do século XX, criou uma pirâmide de necessidade humanas, hierarquizadas, e necessárias ao pleno progresso do indivíduo que tem como base as atividades ligadas à fisiologia, seguida de segurança, afeto, estima e realização pessoal. Dessa forma, uma vez que põem em risco a devida realização de suas atividades fisiológicas e sua segurança, as crianças de rua são inviabilizadas de desenvolver afeto, estima e realizar-se plenamente. Sendo assim, quando indivíduos infanto-juvenis ficam sem abrigo, seu desenvolvimento pessoal fica comprometido e, com isso, compromete-se também o desenvolvimento de toda a sociedade brasileira.
Ainda nesse viés, podemos destacar que afeto, estima e pertencimento também fazem parte das necessidades dos infantes. E é por isso que devemos ficar atentos aos abandonados e aos abandonados. Tanto o abandono material como o afetivo, certamente, comprometem o desenvolvimento pleno da criança, do nosso futuro. Ou não estamos pensando nisso? Abraços são mais importantes que celulares, cócegas, mais importantes que sobremesas.
Em uma outra abordagem, vale frisar que crianças abandonadas ficam mais vulneráveis ao envolvimento com problemas psicológicos e sociais como depressão, ansiedade, pânico, baixa autoestima, drogas, e criminalidade. Desprovidos de núcleo familiar, esses jovens buscam outros meios de integrar-se socialmente e, sem perspectivas e bons parâmetros, muitas vezes optam por esses caminhos. Assim, as crianças desprovidas do senso de pertencimento mostram-se mais propensas a problemas que ecoarão no futuro, dos infantes e da sociedade como um todo.
Desse modo, entendemos que as crianças são, realmente, vulneráveis, e é por isso que devemos presenteá-las com nossa maior presença. O ECA nos ensina isso, a constituição cidadã também. Todavia, devemos obedecer a maior lei que existe, a da nossa consciência, devemos ser pais, tios, professores, padrinhos, enfim, devemos ser, para nossas crianças, aquilo que queríamos que fossem para nós, quando éramos crianças. Entender que os abandonos ferem e deixam marcas para toda a sociedade é fundamental para dormirmos, neste dia 12 de outubro, com a consciência tranquila. Agora, preciso parar por aqui porque irei a um lançamento de um livro infantil do meu amigo Gabriel Sant’Anna e levarei o Theo e a Rapha, sem iphone e com muitos abraços.
Muitos!
Boa Leitura,
TMJ!

Raphael Haussman. É professor, Coach, consultor e apaixonado por educação e desenvolvimento humano e, ainda, pai da Raphaela e do Theo.

Nosso dicionário:

-Aristóteles – Aristóteles (Estagira, 384 a.C. — Atenas, 322 a.C.) foi um filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande. Seus escritos abrangem diversos assuntos, como a física, a metafísica, as leis da poesia e do drama, a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia, a linguística, a economia e a zoologia. Juntamente com Platão e Sócrates (professor de Platão), Aristóteles é visto como um dos fundadores da filosofia ocidental.
-Catarse – Para Aristóteles, o teatro tinha para o ser humano a capacidade de libertação, pois quando via as paixões representadas, conseguia se libertar delas. Essa purgação ou purificação tinha o nome de catarse, que era provocada no público durante e após a representação de uma tragédia grega. A catarse era o estado de purificação da alma experimentada pela plateia através das diversas emoções transmitidas no drama.
-Jorge Amado – Jorge Leal Amado de Faria (Itabuna, 10 de agosto de 1912 — Salvador, 6 de agosto de 2001) foi jornalista e um dos maiores representantes da literatura brasileira modernista, com uma obra marcada pelo regionalismo e pela denúncia social.
-Capitães de Areia – Capitães da Areia é um romance de autoria do escritor brasileiro Jorge Amado, escrito em 1937. A obra retrata a vida de um grupo de menores abandonados, que crescem nas ruas da cidade de Salvador, Bahia, vivendo em um trapiche, roubando para sobreviver, chamados de “Capitães da Areia”. O livro forma parte do movimento da Romance de 30, marcando uma mudança do modernismo da década anterior, passando de experimentação literária para um engajamento com questões sociais.
-Maslow – Abraham Harold Maslow (1 de abril de 1908, Nova Iorque — 8 de junho de 1970, Califórnia) foi um psicólogo de grande destaque por causa de seu estudo relacionado às necessidades humanas.
-Pirâmide das Necessidades humanas – Maslow define cinco categorias de necessidades humanas: fisiológicas, segurança, afeto, estima e as de autorrealização. Esta teoria é representada por uma pirâmide onde na base se encontram as necessidades mais básicas pois estas estão diretamente relacionadas com a sobrevivência. Segundo Maslow, um indivíduo só sente o desejo de satisfazer a necessidade de um próximo estágio se a do nível anterior estiver sanada, portanto, a motivação para realizar estes desejos vem de forma gradual.
-Senso de pertencimento – O senso de pertencimento está relacionado ao ato de pertencer como a sensação de ser um “humano entre seres humanos”, o que nos faz sentir uma conexão com outras pessoas
-ECA – Em vigor desde 1990, o Estatuto da Criança e do Adolescente é considerado um marco na proteção da infância e tem como base a doutrina de proteção integral, reforçando a ideia de “prioridade absoluta” da Constituição. No ECA estão determinadas questões, como os direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes; as sanções, quando há o cometimento de ato infracional; quais órgãos devem prestar assistência; e a tipificação de crimes contra criança.
-Constituição cidadã – A Constituição Cidadã, promulgada em 5 de outubro de 1988, tornou-se o principal símbolo do processo de redemocratização nacional. Após 21 anos de regime militar, a sociedade brasileira recebia uma Constituição que assegurava a liberdade de pensamento. Foram criados mecanismos para evitar abusos de poder do Estado.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document