terça-feira, 16 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Uma homenagem em forma de estreia

Uma homenagem em forma de estreia

Matéria publicada em 4 de julho de 2018, 08:52 horas

 


Nova montagem de “O Auto do Trabalhador” contará com mais de 50 atores em cena – Foto: Rafael Simões

Nessa próxima sexta-feira (06), às 20h, a oficina de teatro #primeiroato, coordenada pelo ator Maykon Renan, fará a estreia do seu espetáculo de encerramento no palco do Centro Cultural Theóphilo Massad – CCTM.
Para essa estreia, o professor Maykon resolveu homenagear um dos mais importantes grupos de teatro de Angra dos Reis – o Grupo Cutucurim – e remonta uma das peças de maior sucesso desse coletivo “O Auto do Trabalhador”.
Com esse espetáculo o Cutucurim viajou para mais de cinco estados brasileiros, fez uma temporada em Santiago, no Chile, além de conquistar mais de 50 prêmios e 60 indicações por vários festivais de teatro.
Nessa nova montagem o diretor levará para a cena mais de 50 atores que irão contar a história de José e Maria, um casal de nordestinos que tem sua vida de sofrimento modificada quando um anjo carteiro visita Maria e anuncia que ela que terá um filho. Após a revelação, cumprindo a profecia, Maria junto de José segue para o Rio de Janeiro para encontrar seus primos Isabel e Zacarias, que moram em uma comunidade.
A caminho da casa dos primos são revistados por policiais e bandidos que dão aos dois a permissão de subirem a comunidade. Instalados no Rio procuram emprego e não encontram e numa dessas andanças, Maria acaba tendo o filho numa fila do INSS. O auto do trabalhador mistura símbolos folclóricos do nosso País com fatos e situações atuais em nossa sociedade.
O texto foi adaptado pelo diretor da montagem com o Cutucurim, Mário dos Anjos, que se baseou no roteiro de João Siqueira, importante teatrólogo brasileiro. A direção vocal é de Fabrício Ozório, que conta com a pesquisa sonora elaborada por Mário desde a primeira montagem.
A peça fica em cartaz nos dias de sexta-feira (06) à domingo (08), no Teatro Municipal de Angra dos Reis, localizado no prédio do CCTM, sexta e sábado às 20h e domingo às 19h. Os ingressos poderão ser adquiridos uma hora antes da peça, pelo valor de R$ 5,00 (antecipado) e R$ 10,00 (na hora).

Ateneu ComVIDA

Na última terça-feira, dia 26 de Junho, na Casa de Cultura Larangeiras, centro de Angra dos Reis, aconteceu mais uma edição do “Ateneu ComVIDA”, projeto de encontro com profissionais angrenses promovido pela Academia de Letras e Artes Ateneu.
Nesse encontro fui convidado para expor minha pesquisa sobre o Teatro Amador do interior do Rio de Janeiro, focando especificamente no teatro da década de 1930 a 1965 promovido em Angra dos Reis.
A pesquisa apresentada em formato de bate-papo/palestra conta sobre figuras importantes do teatro na cidade, através de registros de jornais e principalmente de depoimentos orais que foram coletados através de entrevista com antigos integrantes do Grêmio Dramático e Beneficente Quaresma Júnior, importante núcleo que revelou muitos artistas para o Brasil. Uma das figuras mais importantes desse Grêmio foi o ator e diretor Theóphilo Massad, que hoje é homenageado e o único edifício teatral da cidade recebe seu nome.
A palestra recebeu a presença de vários acadêmicos do Ateneu, de atores, professores e público espontâneo, e a ilustre participação da filha de Theophilo Massad, Catharina Massad, que ao longo do bate-papo compartilhou diversas lembranças de uma Angra que ficou no passado, emocionando a todos os presentes.
A professora e acadêmica do Ateneu Emília Barra Ferreira, compartilhou suas impressões sobre a palestra.
– João foi muito feliz na escolha de seu tema de dissertação. E nós, angrenses, ganhamos muito com isso. Ele conseguiu construir um acervo, que não existia, da história de nosso teatro angrense dos anos 30. Baseado, principalmente em relatos orais, temos agora uma base de dados a respeito desse assunto tão valoroso para nós em todos os termos, especificamente em termos culturais – destacou Emília.

Que o projeto Ateneu comVida possibilite novos encontros e trocas. Vida longa a essa Academia que resiste sem apoio dos órgãos competentes.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document