terça-feira, 7 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Vendo o mundo lá de cima

Vendo o mundo lá de cima

Matéria publicada em 25 de outubro de 2016, 07:10 horas

 


Vídeos revelam a magia e a beleza ocultas nas alturas; com nossa tecnologia já subimos mais alto

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife

Voar, ver o mundo do alto, é um sonho antigo da humanidade. Por isso os antigos colocavam seus deuses morando nas alturas. E todo super-herói moderno, desses que vivem nas telas do cinema, voa de uma forma ou de outra. Muitas pessoas, homens e mulheres, costumam sonhar que estão voando como os super-heróis. O que convenhamos é um bocado estranho. Não somos uma espécie de seres voadores, nem temos pássaros entre nossos ancestrais. Mas não importa, com nossa tecnologia já subimos mais alto e voamos mais longe do que qualquer criatura de penas poderia voar.

Santos Dumont, nosso pioneiro da aviação, escreveu sobre a magia de deslizar sobre a França, a bordo de um balão de hidrogênio. Um antepassado dos balões de ar quente usados hoje em dia. Ele ficou surpreso com o silêncio das alturas e comentou que lá de cima só se ouvia o latido dos cachorros e o apito dos trens. Voar de balão, ou de asa delta, é o mais próximo que podemos chegar da experiência dos pássaros. Mas há outras formas de voo, que permitem vistas espetaculares ao custo de manter a pessoa envolvida em um casulo de tecnologia.

Um vídeo interessante, disponível no YouTube, capta muito bem a beleza e a tecnologia da aviação moderna. Foi gravado na cabine de comando de um jato Airbus 321 da empresa aérea Air Canadá, durante um pouso noturno na cidade de Toronto. O vídeo começa com a comandante, chamada Christine, examinando as cartas de aproximação do aeroporto enquanto o jato desliza sobre um mar de nuvens, coloridas pelo sol poente.

Abaixo da janela panorâmica o painel de comando do avião é uma confusão de telas de vídeo mostrando os dados de voo. O Airbus mergulha nas nuvens e a cabine fica escura, iluminada pelos LCDs do painel enquanto Christine fala com a torre de controle. Aí o avião desce abaixo das nuvens e vemos as luzes de Toronto brilhando como uma galáxia de joias. A piloto não se descuida nem por um segundo e leva o avião para um pouso tranquilo na pista iluminada.

Experiência

Essa é a experiência de voo compartilhada por milhares de pessoas diariamente, em todo o mundo. A diferença é que poucos podem ter a visão privilegiada do cockpit. Geralmente temos apenas uma janela bem pequena ao lado para ver as nuvens e as luzes das cidades durante a noite.

Mas existe um outro tipo de voo, ainda mais espetacular, que é privilégio dos astronautas, dos homens e mulheres que tripulam a estação espacial internacional ISS. Como os pilotos das linhas aéreas eles também gostam de partilhar a sua visão do mundo com os internautas. Enquanto um jato comercial, do tipo do Airbus, voa a uns nove quilômetros de altura, a ISS se encontra a 400 quilômetros céu acima. De lá é possível ver um país inteiro, como na foto da Itália, iluminada pelas luzes das suas cidades, aí ao lado. Vista do espaço a Terra é um show interminável de luzes e cores. Não apenas as luzes das cidades humanas, mas das nuvens de tempestade relampejando dentro da noite.

E as cortinas fosforescentes da aurora polar, brilhando fantasmagóricas sobre os extremos do planeta. Tudo isso foi registrado em outro vídeo espetacular, disponível também no YouTube. Ele foi gravado em várias noites diferentes, enquanto a estação espacial dava uma volta em torno do mundo a cada 90 minutos. O vídeo foi editado para mostrar apenas o lado noturno do planeta, omitindo a visão diurna.

Reparem nos relâmpagos nos cumulus nimbus, e na aurora boreal toda verde fosforescente. Lá de cima é tudo lindo e não há o menor sinal da miséria e da maldade humanas. Para ver o pouso noturno da Christine em Toronto é só clicar em (https://www.youtube.com/watch?v=tGCoyRxXcOk)

Já a vista da estação espacial está em (https://www.youtube.com/watch?v=FG0fTKAqZ5g)

 

 

 Espaço: A Itália em uma noite de lua cheia


Espaço: A Itália em uma noite de lua cheia

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document