segunda-feira, 18 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Vida que segue

Vida que segue

Matéria publicada em 17 de fevereiro de 2016, 07:30 horas

 


Ator e diretor angrense, Bruno dos Anjos, já vem colhendo os frutos e se destacando no cenário nacional

wp-coluna-em-cena-joao-vitor-monteiro-novaes
Estamos acostumados a ouvir a velha afirmação de que o ano só começa depois do Carnaval. Após a quarta de cinzas vamos retomando os afazeres burocráticos, deixando o folião que se acabou na dancinha da metralhadora, tirando com dificuldade o pequenino grão luminoso conhecido como purpurina, que permanece colada no corpo, dando vestígios e trazendo na lembrança os momentos em que pudemos respirar e sorrir diante de tantas dificuldades.

Os planos e as metas surgem à tona, a dieta volta com força total, o desejo pela renovação saltita aos olhos, e com uma ganância de atingir nossos objetivos, vamos deixando o sorriso de lado e envelhecendo sem a fantasia do folião, que após tantas trocas de personagem, veio enfrentar o novo ano sem aquilo que mais valorizamos – a alegria e a satisfação.

Vamos então nos vestir da personagem-folião que pode vir a ser o empresário, o advogado, o ator, o médico, o metalúrgico e tantos outros, e visar nossas metas não deixando a alegria e o desejo de querer conquistar, sem passar por cima de ninguém.

Essa conquista muitos já semearam no ano anterior e irão colher ao longo desse ano os frutos. E nós da coluna Em Cena vamos juntos nessa folia e desvendando as conquistas dos nossos artistas-foliões.

Angrense na Academia de Ópera Bidu Sayão

O ator e diretor angrense Bruno dos Anjos já vem colhendo os frutos e se destacando no cenário nacional, tanto com o teatro, quanto com a música. Após a indicação a seis categorias do prêmio FITA com o espetáculo “A casa de Bernarda Alba”, peça do repertório da sua companhia, a Angra Cia de Teatro, e a conclusão da sua graduação em Bacharelado em Canto pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o angrense já tem mais motivos para comemorar, pois foi selecionado para participar da Academia de Ópera Bidu Sayão, que é a primeira academia de ópera do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Após participar da audição e ser selecionado para o elenco da ópera As Bodas de Fígaro de Mozart, que ficou em cartaz durante duas semanas no Teatro Municipal, estreia do artista no principal palco do país, Bruno se preparou para as seletivas da academia e garantiu sua vaga entre centenas de novos e consagrados cantores.

A Academia Bidu Sayão, homenagem a célebre cantora lírica brasileira, considerada uma das maiores do seu tempo, irá começar em março e promete movimentar o Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Mas quem pensava que o artista iria se despedir e não voltar mais para Angra ainda tem motivos para comemorar, pois o artista está ofertando cursos de música e canto na Casa de Cultura Poeta Brasil do Reis, centro de Angra. Então corre para a Casa de Cultura e garanta sua vaga com esse artista que já conquistou o público carioca.

 Nos palcos: Bruno dos Anjos foi selecionado para participar da Academia de Ópera Bidu Sayão


Nos palcos: Bruno dos Anjos foi selecionado para participar da Academia de Ópera Bidu Sayão

Corra que o cego vem aí! – A peça

Essa semana a Cia Eu Faço De Olhos Fechados fara uma temporada no Teatro Municipal Drº Câmara Torres, centro de Angra dos Reis, com o espetáculo “Corra que o cego vem aí!”, uma comédia no estilo stand up comedy coletivo, onde os atores na frente de um microfone relatam suas aventuras de maneira bem humorada, contando as “pérolas” que acontecem no dia a dia de um deficiente visual.

A peça fica em cartaz a partir do dia 18, quinta-feira, e segue até o dia 21 de fevereiro, sempre as 19h, e traz um elenco composto, em sua maioria, por deficientes visuais, que são Carlos Baldassone, Drica Damazio, Edilia Carmo – que é a presidente da Apadev (Associação dos Pais e Amigos dos Deficientes Visuais) e a única do elenco que não é  deficiente visual – Francisco Tomaz, Lene Mafort, Paulo Gomes e Welington Santos. A produção é de Edilene Vieira e Kelly Oliveira, a última também assina a direção.

O espetáculo foi criado a partir do desejo em utilizar o teatro como instrumento para mostrar a realidade dos deficientes visuais de forma bem-humorada, convidando o público à reflexão sobre as limitações que os deficientes estão condicionados na nossa sociedade, despertando um olhar sem preconceito ao espectador.

‘Corra que o cego vem aí!’: Peça será apresentada no Teatro Municipal Drº Câmara Torres, em Angra dos Reis

‘Corra que o cego vem aí!’: Peça será apresentada no Teatro Municipal Drº Câmara Torres, em Angra dos Reis

 

JOÃO VITOR MONTEIRO NOVAES  | joao.vitor@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document