quarta-feira, 20 de outubro de 2021 - 06:32 h

TEMPO REAL

 

Capa / Crônicas / A poesia que transforma o mundo

A poesia que transforma o mundo

Matéria publicada em 22 de março de 2021, 09:52 horas

 


Foto: Arquivo ABr

Certa vez perguntei a várias pessoas se gostavam de ler poesia. Muitas disseram que sim, mas pouquíssimas indicaram alguma recente que tivessem lido. E nenhuma apontou alguma poesia que conhecesse além de fragmentos que acabam se tornando conhecidos pelo uso em campanhas publicitárias ou músicas que ficam famosas. Ruim isso? Nem tanto…

A poesia é uma invasão de sentidos que arrebata sentimentos e faz refletir até quem tem pouca capacidade reflexiva. A poesia estabelece molduras em fatos sociais, engrandece amores, representa tragédias de forma criteriosa, enriquece debates políticos e torna o indivíduo narrador a partir de sua fala em um eco na fala do outro.

A poesia é a metáfora da construção de uma história de verdade. É o jeito palatável de contar a vida. Muitos que dizem não gostar, ainda assim se deparam com um verso ou outro que representam seu estado de espírito em algum momento e, vez ou outra, o transformam em mantra pra dizer, em dias difíceis, empurrando demônios e reabrindo caminhos.

Mas de onde vem os poetas? Como colocar em palavras, pensamentos que sempre são fugitivos de nossa cognição racional? Como dar sentido a sentimentos que não tem nome e passam a ser o que somos?

Processo criativo, inspiração, alegria, tristeza, traumas… O que contribui pra que o poema seja construído?

São questões que intrigam até mesmo quem escreve de forma fluída aos olhos do grande público, mas que em nada tem a ver com facilidade em escrever.

Escrever é realmente algo difícil. Não pela suas regras gramaticais somente, mas pelo fato que ao pensar e imaginar, a velocidade e a forma é diferente da linearidade da palavra. “Escrever é um tiro”, dizia Bukowisk… Escrever é um susto, penso eu! Mas escrever definitivamente é tentar.

O poeta nasce da inconformidade. Do olhar intrigado. Do incômodo. Do espinho que sempre nos machuca com dor de angústia.

O que se escreve é alegoria, ainda que pse finja o que de fato se sente. Poesia é personificar o que do outro, compassivamente há em nós. O bem e o mal habitam nas linhas de cada estrofe.

Ser poeta é não nascer poeta. O poeta abre os olhos, deixa invadir sua alma de tudo que acontece, estressa sua razão e explode. Uma explosão de muitas ou poucas palavras em que o estrago é apenas fazer o outro sair de seu espaço de conforto. É o estrago em transformação.

O poeta nasce, vive mas não morre em palavras. Ainda que se tenha lembrança em apenas uma única linha de uma vasta obra, mesmo que não se saiba citar o autor, terá válido a pena. Pena que escreveu a vida e enquadrou o mundo torto em novas tortas linhas das palavras grafadas.

Por Valdeci Ferreira


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Sou impactado constantemente pelas palavras que se coadunam em versos desse fantástico poeta chamado Valdeci. Como sempre com suas belas e instigantes reflexões. Palmas!

  2. MARIA APARECIDA CORREA FERREIRA

    Nesses tempos tristes em que estamos vivendo, a poesia nos ajuda a viver com esperança! Parabéns Valdeci Ferreira, meu poeta preferido!

Untitled Document