quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Audiência pública discute situação de moradores de rua de Barra Mansa

Audiência pública discute situação de moradores de rua de Barra Mansa

Matéria publicada em 14 de fevereiro de 2019, 17:28 horas

 


Barra Mansa – O aumento da população de rua no município foi  discutida durante audiência pública realizada na Câmara Municipal, a pedido do vereador Gustavo de Almeida Gomes.  A proposta da criação de um abrigo municipal foi debatida, mas, segundo a gerente de proteção especial da secretaria de assistência social, Edilene Oliveira Moreira, o abrigo depende de verbas federais e estaduais para ser mantido. A gerente também falou sobre algumas características da população de rua.

-A população de rua tem características próprias, com vários grupos e são necessárias políticas públicas que atendam todas essas necessidades, não existe uma fórmula pronta. Existe sim uma indisciplina, uma vivência na rua, onde se criam laços. Por isso, as diretrizes dizem para se ter uma baixa exigência. Por exemplo, se uma pessoa em situação de rua tem uma consulta e não vai, é comum ouvirmos que a pessoa não foi porque não quis, mas existe todo um processo para entender isso – declarou Edilene.

A secretária de assistência social, Ruth Coutinho, destacou que a finalidade da audiência foi envolver a sociedade no auxílio à população de rua. O vereador foi outro que ressaltou o mesmo objetivo, e destacou que era uma oportunidade da população conhecer o trabalho realizado pela secretaria de assistência social e pelo Centro de Referência de Atenção à População de Rua, o Centro POP.

-Vários problemas sociais levam pessoas a viverem nas ruas e sabemos que não é uma situação definitiva. A secretaria de assistência social faz um grande trabalho para receber e ressocializar essas pessoas, mas temos algumas propostas para melhorar esse trabalho, como a ampliação do horário de funcionamento do Centro POP, tanto para o período noturno quanto para os fins de semana. Pretendemos trazer para o município legislação que garante uma porcentagem de vagas na administração pública para pessoas em situação de rua. Outra questão é o abrigo. Quem sabe não podemos ter um abrigo em Barra Mansa para receber essas pessoas? – indagou Gustavo Gomes.

O diretor do Centro POP apresentou o trabalho realizado pela secretaria de assistência social no local, que envolve principalmente o regate social das pessoas em situação de rua para saírem dessa condição. Entre as atividades está a acolhida das pessoas nessa situação, oficinas de aprendizado, distribuição de refeição, possibilidade de higiene pessoal, encaminhamento para a retirada gratuita de documentos, parceria de pernoite no SOS e no Lar de Jesus.

Foi formulada uma carta de propostas, que será encaminhada à secretaria de assistência social. Entre as principais propostas debatidas estão: a extensão do funcionamento do Centro POP; a ampliação do tratamento multidisciplinar à população de rua; o debate ampliado com a sociedade sobre o assunto, principalmente nas escolas; a utilização de espaços desocupados para abrigo das pessoas em situação de rua; a criação de alternativas de trabalho para a ressocialização.

De acordo com a gerente de proteção especial da secretaria de assistência social, Edilene Oliveira Moreira, todas as demandas vão ser discutidas em um comitê intersetorial, a ser criado no município, conforme determina a Política Nacional para a População em Situação de Rua. Esse comité será criado em um fórum a ser convocado pela secretária de assistência social. Entre as atribuições estão a elaboração do plano municipal para população de rua; a articulação intersetorial; o asseguramento amplo e simplificado ao serviços oferecidos. Por meio desse comitê, a sociedade poderá participar mais ativamente do debate sobre o assunto e propor mudanças. 

Presenças

Além de vereadores e da população, estiveram presentes à audiência pública, representantes da secretaria de assistência social, incluindo a secretária Ruth Coutinho; representantes do Rotary Club, CDL, Aciap, PAC, OAB, guarda municipal, polícia civil, grupos de auxílio à população de rua, igreja, do deputado federal Antônio Furtado e usuários do Centro POP.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    E ninguém da defensoria pública …..presente!!

  2. Avatar

    Deve ser cobrador de ônibus, pois as empresas de ônibus estão demitindo os cobradores e deixando os motoristas sozinhos e estressados fazendo as duas funções. E ninguém faz nada.

Untitled Document