quarta-feira, 21 de outubro de 2020 - 12:46 h

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Mep elabora mapa de queimadas em Volta Redonda

Mep elabora mapa de queimadas em Volta Redonda

Matéria publicada em 23 de setembro de 2020, 09:04 horas

 


Dez localidades estão em alerta vermelho por conta das recentes queimadas

MEP elabora mapa com alerta sobre queimadas em Volta Redonda (crédito Divulgação)

Volta Redonda – Pelo menos dez localidades de concentração de área verde foram as mais afetadas pelas recentes queimadas ocorridas na cidade, nos últimos dias, segundo dados do mapa apresentado pelo MEP (Movimento pela Ética na Política). Nestas áreas, apontadas pelo estudo, o mapa sinaliza para um “alerta vermelho ambiental”, devido aos danos provocados pelos incêndios.

O autor da pesquisa e professor do MEP, Christian Leandro Machado,  afirma que o estudo visa dar visibilidade pedagógica aos efeitos danosos das queimadas na região. “É preocupante, em especial para as áreas da Pedreira da Voldac e Floresta da Cicuta, onde podemos classificar como um alerta vermelho, devido as perdas ambientais”, disse.

O alerta apontado pelo mapa é reforçado pelo doutor em Ecologia, Fernando Pinto. Ele afirma que os incêndios em vegetação, tanto nas áreas agrícolas como nas urbanas foram danosos. “Na antiga Pedreira da Voldac, vive a coruja gigante (Jacurutu), o maior rapinante noturno do Brasil, e outras dezenas de espécies já catalogadas, sem falar da importante flora local. Embora ainda não tenhamos dados concretos, as recentes queimadas nas bordas do maciço rochoso e região, podem ter causado sérios danos a esta localidade”, alertou.

O mapa

As localidades citadas pelo estudo – entorno da Cooperativa Folhas Verdes, Rodovia do Contorno, Volta Grande 2, Radial Leste, Siderópolis, Morro da Torre, Loteamento Voldac e Pedreira Voldac – devem segundo ambientalistas receber atenção especial por conta dos recentes incêndios. Entre as medidas preventivas propostas, estudiosos apresentam cinco ações consideradas por eles, como fundamentais:

A primeira delas é a realização de um trabalho permanente de educação ambiental; seguida da atualização constante do ‘mapa de monitoramento das queimadas’. Esta medida, segundo ambientalistas devem ser traçadas com o apoio do Corpo de Bombeiros e PMVR, em especial para o período de estiagem.

A equipe propõe ainda a criação de ‘brigadas voluntárias’ contra incêndios, seguida de projetos de recuperação ambiental para a área degradada. Por fim, ambientalisas defendem ainda plantios de árvores, entre outras ações, aproximando a comunidade às áreas de preservação ambiental.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Trabalhar sério que é bom não há ninguém. As atitudes das pessoas vão mudar apenas com educação de verdade.
    Talvez o ser humano não consiga mais estar neste planeta a tempo.

  2. Avatar
    o inimigo agora é outro

    MOVIMENTO PELA ÉTICA NA POLÍTICA

    Que diabos tem a ver com queimadas?

    Querem abraçar o mundo todo, e não chegam a lugar nenhum.

    Esses são os mesmos que dão voz aqueles que disseminam fake news nas redes sociais.
    E que dão projeção a candidatos que já foram acusados por corrupção, e que possuem ficha suja.

    Voltem à essência, ou pereçam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document