segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Asilo Vila Vicentina, em Barra Mansa, precisa de doações

Asilo Vila Vicentina, em Barra Mansa, precisa de doações

Matéria publicada em 19 de março de 2016, 15:30 horas

 


Principal carência do local são fraldas geriátricas; doações devem ser deixadas na instituição

Doações: Pessoas podem ajudar com biscoito, sucos e material de limpeza (Foto: Franciele Bueno)

Doações: Pessoas podem ajudar com biscoito, sucos e material de limpeza (Foto: Franciele Bueno)

Barra Mansa – A instituição de longa permanência para idosos Vila Vicentina, no bairro Ano Bom, amparada pela Sociedade São Vicente de Paula e presente há mais de 60 anos na região está precisando de doações. Segundo o presidente da instituição, João Batista de Paiva, a principal carência do asilo são fraldas geriátricas tamanho G, pois 40% dos idosos são acamados e outros 20% são cadeirantes. O presidente destaca que outras doações como cestas básicas, chá mate e camomila, biscoitos de água e sal, sucos de caixinha e material de limpeza, de preferência sabão em pó e cloro, também são bem vindas. As doações devem ser deixadas na instituição, que fica na Avenida Presidente Kennedy, nº 1000.

No próximo dia 24 de abril, às 14h, o asilo fará um show de prêmios diversos. As cartelas estão sendo vendidas por R$ 10 na administração da casa. O asilo atende atualmente 48 idosos, e se não bastasse a falta de material, alguns residentes ainda sofrem com a ausência de uma figura familiar. João Batista relembra que qualquer pessoa pode visitar o asilo, de segunda-feira a sábado, a partir das 15h, e aos domingos durante todo o dia.

– A família de alguns idosos não se envolve, exceto quando é solicitado e outros perderam o vínculo com os parentes – comentou, acrescentando que a maioria dos visitantes do asilo é de fora.

A instituição possui 24 funcionários tendo gasto mensal de R$ 40 mil, 12 profissionais entre enfermeiros, nutricionistas, técnicos de enfermagem, cuidadoras e fisioterapeutas desenvolvem papel fundamental com os idosos que recebem atendimento 24h por dia. Além disso, um médico voluntário vai até o asilo, uma vez por semana. A parte administrativa da instituição conta com oito voluntários, inclusive o presidente.

João Batista de Paiva comentou que conhece a realidade dos internos e tenta fazer a diferença na vida deles, doando-se na causa sem ganhar nada financeiramente.

– Deus me dá condições de estar aqui, vou continuar minha missão como cristão e ser humano – disse João, que atua há três anos na presidência e 42 anos na função de vicentino.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    As redes sociais deveriam ser usadas mais em benefícios dos necessitados e menos para fofocas , preconceitos e mentiras compartilhadas como se fossem verdades.

  2. Avatar

    Hoje nos esquecemos dos velhinhos (com todo respeito)… Amanhã os esquecidos podem ser nós! Ainda dá tempo família!

Untitled Document