segunda-feira, 30 de março de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Coronavírus faz governo federal antecipar vacinação contra H1N1

Coronavírus faz governo federal antecipar vacinação contra H1N1

Matéria publicada em 15 de março de 2020, 06:52 horas

 


Pneumologista Gilmar Zonzin diz que imunização para a gripe influenza deverá reduzir eventuais equívocos para o diagnóstico do covid-19

OMS declara pandemia do Covd-19-Foto: Agência Brasil

Volta Redonda- O governo federal anunciou que a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe H1N1 terá início no próximo dia 23 de março. Motivo: o aumento no número de casos do novo coronavírus. Embora a vacina anti H1N1 não tenha eficácia para proteger contra o Covid-19, a imunização aumenta a resistência do organismo contra o vírus da gripe influenza que é mais letal a princípio que o novo coronavírus, avalia o pneumologista Gilmar Alves Zonzin, ex-presidente da Sopterj (Sociedade de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro).

-A vacina anti-H1N1 reduz a chance de equívocos na identificação do coronavírus e da gripe influenza. A imunização reduz significativamente o risco da gripe influenza grave e contribui, por eliminação, para o direcionamento da investigação e tratamento adequado, no caso da confirmação do novo coronavírus – explica o pneumologista.

De acordo com o Ministério da Saúde, o número de pessoas com síndromes gripais seria muito maior se não fosse promovida a campanha de vacinação. Haveria, portanto, muito mais pessoas recorrendo às unidades do sistema de saúde causando uma sobrecarga adicional que, no caso do vírus influenza, poderia ser evitada.

-A vacinação contra a gripe influenza é extremamente importante porque permite a redução expressiva de números de pacientes acometidos de uma doença respiratória viral grave, a gripe H1N1. Essa medida ajudará a minimizar a busca de unidades de pronto atendimento e uso de recursos hospitalares na medida em que haverá uma diminuição no volume total de pacientes graves, facilitando a assistência aos que necessitarem já que a capacidade de atendimento tanto na rede pública quanto privada de saúde é limitada – afirma Zonzin.

Na primeira fase da campanha, a campanha será disponibilizada para idosos a partir de 60 anos e trabalhadores da área de saúde. A partir do dia 16 de abril, a imunização será oferecida para professores, além de profissionais de segurança e salvamento. Em 9 de maio, a campanha será estendida para crianças a partir de 6 meses e menores de 6 anos, doentes crônicos, pessoas com 55 anos ou mais, grávidas, mães no pós parto, população indígena e portadores de condições especiais;

Calendário da campanha de vacinação da gripe influenza

A partir de 23 de março: Idosos com mais de 60 anos ou trabalhadores de saúde podem tomar a vacina;

A partir de 16 de abril: É a vez dos professores e profissionais de segurança e salvamento;

A partir de 9 de maio: crianças de 6 meses a menores de 6 anos, doentes crônicos, pessoas com 55 anos ou mais, grávidas, mães no pós parto, população indígena e portadores de condições especiais.

OMS declara pandemia de Covid-19

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou esta semana pandemia de covid-19. Segundo o órgão, o número de pacientes infectados, de mortes e países atingidos deve aumentar nos próximos dias e semanas. Apesar da declaração, a instituição mantém as orientações e ressalta que os governos devem manter os esforços na contenção da circulação do vírus.

O governo estima que haja um crescimento expressivo de atendimentos nas unidades hospitalares, considerando a possibilidade de a demanda coincidir com o aumento do volume de atendimentos para casos de gripe influenza. Para o pneumologista Gilmar Alves Zonzin, as pessoas precisam estar preparadas e conscientes diante da real possibilidade de crescimento no número de casos de covid-19.

“O Ministério da Saúde deverá tomar as medidas necessárias de controle e contingenciamento diante de um eventual surto. Precisamos estar todos atentos para seguir as recomendações sanitárias. Mas reforço que sobretudo pacientes idosos e com doenças crônicas precisam redobrar os cuidados durante esse período e tratar regularmente e com disciplina suas doenças pré-existentes”, alerta o pneumologista.

Segundo o médico, é preciso lembrar que a gripe H1N1, comprovadamente muito letal, não pode ser esquecida. “É algo muito intrigante que as pessoas estejam em busca, ansiosas, pela chegada de vacina COVID 19 e, ao mesmo tempo, sejam tão displicentes em seguir as recomendações em relação a vacinas já existentes, comprovadamente eficazes e seguras”, finaliza.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document