quinta-feira, 15 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Em Resende, simulado testa reação em caso de desastre ambiental

Em Resende, simulado testa reação em caso de desastre ambiental

Matéria publicada em 8 de novembro de 2018, 15:36 horas

 


Resende – Cerca de 300 pessoas deverão participar na segunda-feira, dia 12, da simulação do Plano de Contingência de Resende, elaborado pela prefeitura, através da Diretoria de Defesa Civil. A atividade visa orientar a população sobre como proceder em casos de emergência, além de informar quais os setores devem ser acionados e a função de cada um. A ação, que terá início às 15h30, acontecerá na Rua Rodolfo Anechino, em frente ao campo de futebol do Surubi.

A simulação dos procedimentos previstos no Plano de Contingência, que deve ser colocado em prática caso ocorra algum desastre natural no município, é realizado anualmente, por determinação do Ministério Público. A prática serve para testar e avaliar a capacidade de reação do município, e de todos os órgãos envolvidos, diante de situações extremas, como deslizamentos de terra e desabamento de casas, por exemplo. A repetição anual é imposta com o objetivo de detectar possíveis falhas no procedimento padrão adotado nessas circunstâncias e aprimorar constantemente o planejamento.

De acordo com o diretor do órgão, Atanagildo Oliveira Alves, diversos setores da prefeitura estão envolvidos no simulado do Plano. Entre elas, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, cujos profissionais ficam encarregados de abordar as famílias que moram em áreas de risco para convencê-las a deixar as residências; as Secretarias de Educação e de Esporte e Lazer, que deverão disponibilizar escolas e quadras para receber possíveis desabrigados; e a Secretaria de Saúde, a quem caberá fazer o atendimento de possíveis feridos, além de desenvolver ações rápidas de vacinação.

Ainda segundo o diretor, além dos setores internos da Prefeitura, o exercício também contará com a participação de órgãos externos, como a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, além das ONGs Cruz Vermelha, MUB (Missões Urbanas do Brasil) e Anjos da Montanha, que atuarão no simulado como apoio.

Exercícios serão feitos em frente ao campo de futebol do Surubi, em Resende, e terão a participação da Aman (Carina Rocha)

A ação, segundo o diretor, deverá ter cerca de duas horas de duração e o foco do simulado será o deslizamento de terra. Diante desta circunstância, as equipes trabalharão na evacuação da área, triagem e avaliação das vítimas, além do transporte dos desalojados para as áreas de abrigo. O diretor lembra que o sucesso do exercício depende da colaboração da população.

– Esta atividade é fundamental para que possamos agir da forma correta, caso ocorra um desastre natural no município. Por isso, convidamos os moradores a participarem da simulação conosco, acompanhando todo o processo. Aqueles que não forem ao local também podem contribuir de casa, no momento em que as equipes fizerem as abordagens nas residências – explica o diretor.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Na boa essa atividade no município é desnecessária, há outros municípios que precisariam deste simulado, como Angra dos Reis, onde sempre há problemas, mais graves, com quedas de encostas, pistas bloqueadas e o risco da usina nuclear. Em Resende, é apenas mandar um pessoal pra “passear” de helicóptero e como justificativa argumentam isso, pois aqui para ter um grande desastre natural só mesmo sendo a queda de um meteoro, pois as áreas de riscos são poucas e muito conhecidas pelos agentes da defesa civil. É um gasto desnecessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document