Falta de extintores ABC preocupa motoristas de Barra Mansa e Volta Redonda

by Diário do Vale

 

Raridade: Extintores estão em falta em lojas, mas podem ser encontrados com vendedores ambulantes  (Foto: Felipe Vieira)

Raridade: Extintores estão em falta em lojas, mas podem ser encontrados com vendedores ambulantes (Foto: Felipe Vieira)

Barra Mansa e Volta Redonda –

A exigência do extintor do tipo ABC só começará a ser válida a partir do dia 1º de abril, mas a falta deles em algumas lojas e estabelecimentos comerciais começa a preocupar motoristas na região. Isso porque não há previsão para a chegada do equipamento e muitos temem ser vítimas de comerciantes ambulantes, que estariam vendendo versões falsificadas dos extintores ABC.
O motorista Paulo Rodrigues contou que já viu vários vendedores ambulantes mas se recusou a comprar deles, por causa do preço e com medo de que o equipamento não fosse o correto.
– Já vi vendedor numa rua do bairro Retiro, numa praça no Tiradentes, entre outros locais. Mas eu não comprei porque pode estar com algum tipo de falsificação. Além de perder meu dinheiro, eu ia perder tempo vistoriando o carro, já que não passaria com o extintor falsificado – disse.
Ele revelou ainda que só conseguiu comprar depois de rodar muito por seis estabelecimentos em Volta Redonda.
– Fiquei três semanas procurando em todas as lojas que encontrei. A gente quer cumprir nosso dever de cidadão, mas nem isso podemos – indignou-se, informando que comprou o equipamento por R$ 110, mas exigiu a nota fiscal.

Extintores ainda em falta

O dono de uma loja de extintores em Barra Mansa, Almir Machado, revelou que não recebe os equipamentos desde o final de dezembro. Ele contou que tinha 200 extintores em seu estoque mas que eles foram todos vendidos ao longo do mês de janeiro.
O comerciante disse ainda que já encomendou mais extintores e até pagou uma parte do pedido, mas até hoje, não recebeu nenhuma remessa da fábrica.
– Eles estão demorando muito para mandar e toda hora vem gente aqui pedir. Eu já até paguei uma parte do meu pedido. A fábrica garantiu que vai chegar ainda essa semana, mas só um terço do que eu pedi – revelou Machado.
Sobre a possibilidade de aumentar o preço com a proximidade da data do uso obrigatório, Machado descartou a alteração.
– Eu vendo por R$ 70, e garanto que quando chegar meu pedido vou manter esse preço, mesmo quando aproximar a data de obrigatoriedade. Me falaram que esses vendedores ambulantes vendem por R$120 a R$ 150, até mesmo a R$ 180. Isso é um absurdo – disse.
Já o dono de uma loja de autopeças em Volta Redonda, José Assis, afirmou que o último pedido de extintores ABC chegou no início deste mês e que acabou no mesmo dia.
– Teve um dia que a gente chegou na loja e encontrou uma fila na porta, com pessoas que queriam o extintor ABC. Aí, nós fizemos uma lista com nome e telefone dessas pessoas, para que quando chegasse o pedido a gente ligasse para que eles viessem buscar – contou o comerciante, acrescentando que a quantidade de extintores que chegou da fábrica não deu para atender nem 30% da lista, formada por cerca de 300 pessoas.
Sobre a venda ilegal dos extintores, Assis pediu mais fiscalização para coibir a ação e informou que o preço praticado em sua loja é de R$ 62.
De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, conduzir veículo sem equipamento obrigatório é infração grave, com multa de R$ 127,69 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do proprietário do veículo, que deverá ser retido para regularização. Também é infração de trânsito, com a mesma penalidade, se o extintor estiver fora do prazo de validade, vazio ou com lacre rompido.

 

Corpo de Bombeiros orienta motoristas

O DIÁRIO DO VALE ouviu o capitão do Corpo de Bombeiros de Volta Redonda, Ward Junior, para ele dar dicas de como evitar ser vítima de uma fraude. Segundo o bombeiro, todo extintor deve ter o selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e o ideal é evitar comprar com vendedores ambulantes, mas sim com empresas confiáveis que irão emitir uma nota fiscal.
– Quem vai atestar a validade daquele extintor é o Inmetro. A fábrica coloca a validade e o Inmetro vai colocar o selo de certificação. É através desse selo que se caracteriza a validade do extintor. As fábricas podem burlar essa validade, mas o selo do Inmetro é o que garante a segurança para comprar o produto – explicou Ward.
– Meu conselho é que os motoristas comprem em lojas, no qual eles possam reclamar se houver qualquer tipo de procedimento errado. Mesmo se estiver em falta, espere o produto chegar, mas não comprem com vendedores ambulantes porque eles podem estar sendo lesados – completou o capitão.

You may also like

6 comments

revoltado 18 de março de 2015, 14:59h - 14:59

atenção para mais uma do INMETRO, proprietarios de carro a gas, e as cintas tem que ser douradas com
uma borracha preta em baixo e o suporte do cilindro tem que ter a etiqueta do inmetro, QUEM NÃO TIVER NÃO PASSA NA VISTORIA e tera que desembolsar entre R$380,00 a R$450,00, o que falta inventar depois dessa.

rodrigo 26 de fevereiro de 2015, 20:48h - 20:48

eita país sem vergonha!

Rui vieira. 26 de fevereiro de 2015, 11:10h - 11:10

Como pode vender extintores na rua. Para ser feita venda não teria que ter nota fiscal? Onde está a fiscalização? E como eles conseguem esses extintores e as lojas não? Esses extintores podem ser falsificados. Enquanto o Detran rebocam carros, ganhando muito dinheiro, poderiam tambem fiscalizar esses atravessadores.

Jurus 26 de fevereiro de 2015, 10:29h - 10:29

Não entendo o porque nas lojas de auto peças ainda não chegou, já se passou praticamente dois meses e nada de extintor em algumas lojas. Pelo jeito vou ter que comprar na rua mesmo.

Adenir de Araujo Albuquerque 26 de fevereiro de 2015, 08:19h - 08:19

Prezados.
Em relação ao extintor A,B,C que vigora a cobrança apartir de abril, isto todo mundo sabe que é somente para engordar o bolso de policias corruptos, que são a maioria deles,podem ver que pararam de cobrar o tal extintor por enquanto…estão ”preocupados com a segurança dos motoristas ou o suborno que iram receber apartir de abril.

Luiz 26 de fevereiro de 2015, 07:50h - 07:50

Interessante é que para vender nas ruas os caras tem. Como conseguem?

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996