domingo, 26 de janeiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Festas caipiras aquecem setores do comércio e de prestação de serviços em Barra Mansa

Festas caipiras aquecem setores do comércio e de prestação de serviços em Barra Mansa

Matéria publicada em 19 de julho de 2015, 18:05 horas

 


festa juninca

Barra Mansa –  Com a promessa de se estender até o final e agosto, o período de festas típicas e caipiras, que teve início em junho, tem animado, em meio à crise econômica, diversos setores do comércio e de prestação de serviços que possuem artigos para esse tipo de comemoração. Lojas de vendas e aluguel de roupas e acessórios caipiras, de comidas e bebidas típicas e também quem trabalha com a ornamentação desses eventos têm conseguido um saldo positivo em termos de negócios.

É o caso da autônoma Adriana da Silva Pereira, de 34 anos. Além de alugar a ornamentação para esse tipo de festa, ela também é especialista em comidas típicas, como pé de moleque, cocadas, curais, bolos de milho, canjica, entre outras que não podem faltar em uma verdadeira festa caipira. Segundo ela, a produção, neste ano está 30% maior se comparada com o mesmo período de 2014.

– Já faço doces há muitos anos e, nesse período de festas típicas, incluo esses tradicionais. De três anos, pra cá, além dos doces, comecei a comprar artigos para decorar festas juninas porque percebi que existia essa demanda. Tenho vários painéis e, desde o final de maio, todos já estavam alugados para os finais de semana seguintes. A agenda está fechada até agosto, Hoje, todo mundo faz festa caipira e, por isso, é preciso sempre ter novidade para atender ao público – comentou Adriana.

Proprietária de uma loja de aviamentos, onde há uma grande variedade de artigos caipira, a comerciante Vilma Santagueda ressalta que o grande movimento em função das festas caipiras é o que tem feito a loja não sentir tanto o efeito da crise. De acordo com ela, a reposição de mercadorias é feita diariamente para atender a demanda por procura de aviamentos, como fitas e rendas, roupas caipiras masculina e feminina, acessórios, como chapéus, lenço e tiaras de cabelo, além de artigos para decoração como, por exemplo, bandeirinhas, balão, espantalhos, entre outros.

– A procura aqui começou na segunda quinzena de maio e deve se entender até setembro, assim como aconteceu no ano passado. Tem sido um período muito bom. As pessoas estão valorizando a tradicional festa caipira e isso tem refletido nas nossas vendas, já que oferecermos todos os tipos de artigos para quem deseja ir vestido a caráter – comenta Vilma.

O gerente de uma loja de doces, Milton César Costa Soares, afirma que esse mês de julho é o período mais forte para as festas, no entanto que as vendas devem se manter aquecidas até agosto. Para o período, a loja espera um aumento de, no mínimo, 5% em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com Soares, entre os itens de decoração mais procurados estão as sanfonas, balões, guirlandas, espantalhos e bonecos caipiras.

– No setor alimentício, vendemos muito doce, como cocada, paçoca, doce de leite, maria mole, pé de moleque e pé de moça, que é o mais procurado. Mas também temos muita procura por milho de pipoca; palito para salsichão, churrasco e algodão doce; e embalagens, entre elas as cumbucas para os caldos – comentou, ressaltando que para atrair os consumidores investe na decoração da vitrine e do interior da loja.

 Investimento certo

A costureira Maria de Fátima da Silva Dias, de 51 anos, teve a ideia de confeccionar vestidos caipiras de criança e adulto e também calças e camisas masculinas, customizadas para esse tipo de festa. Segundo ela, a ideia está fazendo o maior sucesso também com o aluguel dos acessórios. Conforme conta, inicialmente as roupas começaram a ser alugadas por pessoas da própria família e hoje ela já garantiu sua clientela.

– Minha família é grande e todos os anos fazemos festa. Passava um mês inteiro fazendo vestidos e confeccionando roupas para os homens e, então, resolvi, fora dessa época, já fazer algumas peças e deixar pronta para quando chegasse o período de festas. De dois anos para cá, comecei alugar e foi não me arrependo de ter investido nisso. Tenho alugado, por final de semana, cerca de 20 a 25 peças, entre adulto e infantil, com preços que variam de R$ 20 a R$ 45 reais”, destacou a costureira.

 Para a família toda

Prova de que o mercado das tradicionais festas caipiras não para de crescer é o investimento que a manicure Marilza Rocha, de 42 anos, teve que fazer para que toda a família fosse vestida à caráter na festa organizada pela sua família.

De acordo com ela, além da decoração e organização da festa, que terá a tradicional quadrilha, fogos e fogueira à meia noite, uma das regras para a realização do evento foi que todos, crianças, adultos e idosos se vestissem de acordo com o evento.

– Na minha casa somos quatro. Comprei as roupas e acessórios para a minha filha e o meu filho, de 11 e 9 anos, porque aí eles aproveitam na festa da escola, e aluguei pra mim e para o meu marido. Somando a parte do sítio que teremos que pagar, a comida típica e a bebida que iremos levar, nosso gasto foi de quase R$ 200. Só vale mesmo a pena porque realmente é um momento de muita descontração e que acontece só uma vez ao ano – concluiu a manicure.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Triste um comércio que depende de festa junina para aumentar as vendas…só em Barra Mansa.

Untitled Document