quinta-feira, 29 de outubro de 2020 - 10:31 h

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Justiça manda escolas estaduais fornecerem alimentação aos alunos interessados

Justiça manda escolas estaduais fornecerem alimentação aos alunos interessados

Matéria publicada em 5 de junho de 2020, 12:08 horas

 


Rio – Por determinação do desembargador Gilberto Matos, da 1ª Vara da Infância, a Secretaria Estadual de Educação vai reabrir as escolas da rede na próxima segunda-feira, dia 8, para oferecer refeições aos cerca de 700 mil alunos. A decisão partiu de uma ação movida pela Defensoria Pública do Estado.

Segundo a secretaria de Educação, profissionais de limpeza retomarão as atividades em todas as 1.200 escolas estaduais já neste sábado. A partir de segunda, as escolas serão reabertas apenas para os alunos fazerem as refeições, pois as aulas presenciais permanecerão suspensas.

A decisão sai diante de um embate que era travado na Justiça, sobre a forma de oferecer alimentação aos alunos da rede estadual. Em decisão proferida nesta quinta-feira (4/6), o desembargador Gilberto Matos, da 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, negou o pedido do estado que pretendia suspender a liminar da 1ª Vara da Infância e Juventude, concedida no dia 23 de maio.

“Examinados os autos, extrai-se ser patente risco de dano inverso que, a rigor, aconselha o indeferimento da antecipação dos efeitos da tutela recursal e a manutenção da R. Decisão a quo, a qual foi proferida, ao menos em um juízo de cognição sumária, em estrita observância à Lei nº 8.069/90, que visa à proteção integral à criança e ao adolescente”, escreveu o desembargador na decisão.

Ainda segundo o magistrado, os recursos para a merenda escolar estão previstos na Lei Orçamentária Anual/2020.  E a decisão de primeira instância não retira do Estado do Rio a possibilidade de adotar medidas administrativas que reduzam o risco de desperdício de alimentos ou de dinheiro.  Entre elas está a realização de uma consulta a todos os alunos matriculados na rede pública de ensino para que os interessados se cadastrem para receber a ajuda alimentar.

A liminar concedida pela 1ª Vara da Infância e Juventude do Rio, a pedido da Defensoria Pública, abrange não só as escolas da rede estadual como as do município do Rio.  Ao contrário do estado, a prefeitura somente entrou com recurso nesta quinta-feira (4/6).  Os autos ainda serão distribuídos ao desembargador-relator.

Na decisão proferida no dia 23 de maio, o juiz Sergio Luiz Ribeiro de Souza, em exercício na 1ª Vara da Infância e Juventude da Capital, estabeleceu as seguintes obrigações ao estado e ao município:

“1) Realizem o fornecimento de alimentação para todos os seus alunos da educação básica das redes públicas do Município e do Estado do Rio de Janeiro, seja com a distribuição de gêneros alimentícios ou com transferência de renda, correspondentes ao número de refeições normalmente realizadas na escola para suprimento das necessidades nutricionais diárias para o seu desenvolvimento sadio;

2) Esclareçam a comunidade escolar acerca da transferência de renda e/ou da distribuição dos gêneros alimentícios, com a indicação dos dias, horários e locais nos quais os responsáveis poderão comparecer para retirá-los, sempre observando as medidas sanitárias aplicáveis;

3) No caso de suspensão do transporte coletivo e/ou na impossibilidade dos pais ou responsáveis legais retirarem os itens, realizem a distribuição dos gêneros alimentícios na residência do estudante ou núcleos próximos à residência;

4) Promovam a publicidade da atuação com estrita observância ao disposto no art. 8.º da Lei nº 12.527/2011. Cada um dos réus deverá cumprir todas as obrigações fixadas no prazo máximo de dez dias a contar da intimação, sob pena de incidência de multa diária no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais)”.

O Governo do Estado afirmou que seria inviável fornecer cestas básicas a todos os estudantes e, para cumprir a decisão, vai reabrir as escolas. Além disso, o governo vai liberar o RioCard (vale transporte) para alunos, professores e demais profissionais poderem ir até as escolas.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    O aluno pode sair de casa pra ir pra ESCOLA lanchar e almoçar e jantar, mas nao pode ir a ESCOLA receber ensinamentos.
    Essa é a “jusiça” politica do brasil.

    Hipocrisia.

Untitled Document