domingo, 23 de janeiro de 2022 - 07:13 h

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Marcelo Borges diz que foi sondado pelo PSB para disputa da prefeitura em 2016

Marcelo Borges diz que foi sondado pelo PSB para disputa da prefeitura em 2016

Matéria publicada em 3 de fevereiro de 2015, 20:04 horas

 


Possibilidade: Marcelo destaca que deseja se candidatar, mas afirma que não disputa convenção dentro do PT  (Foto: Arquivo)

Possibilidade: Marcelo destaca que deseja se candidatar, mas afirma que não disputa convenção dentro do PT
(Foto: Arquivo)

Barra Mansa

O coordenador regional do PSB e vereador de Pinheiral, Felipe Rivello, se reuniu com o presidente da Câmara Municipal, Marcelo Borges (PT), durante a manhã de hoje. Em pauta: a eleições municipais de 2016. A intenção do PSB é ter um candidato ao Executivo nas principais cidades do Sul Fluminense. Marcelo disse que, em Barra Mansa, o político escolhido para disputar a prefeitura seria ele.
– O PSB almeja ter um candidato à prefeitura em todas as cidades do Sul Fluminense, principalmente nas principais. Como Barra Mansa, uma cidade chave na região. O Marcelo é meu amigo e estive conversando com ele sobre essa possibilidade, já que é um grande político e já declarou ter esse desejo de concorrer à prefeitura – disse.
Rivello destacou também que está conversando com o diretório municipal do PT, já que não pretende passar por cima do partido. Ele ainda ressalta que por PSB e PT serem partidos de esquerda, isso poderá ajudar na escolha de Marcelo.
– Ele é um político cabeça aberta e aceitou bem a nossa sondagem. Sem contar que o PSB também é um partido de esquerda, assim como o PT, o que mantêm a ideologia dele. Então, acho bem possível essa vinda dele para o nosso partido – enfatizou.

Sem disputa interna

Por sua vez, Marcelo Borges reafirmou o desejo de disputar ao cargo de prefeito, entretanto, o vereador deixou claro que tudo dependerá do PT. Ele afirmou que não pretende disputar convenções dentro do partido para definir quem será o candidato.
– Tenho vontade de ser candidato, nessa ou em outra eleição. Mas como todo mundo sabe, no meio político, o PT tem mais dois possíveis candidatos, e eu não disputo convenção com ninguém para saber quem será o candidato. Se for para disputar, eu abro mão da candidatura. Ao meu ver, a decisão de lançar um candidato tem que ser unificada e não dividida – pontuou.
Sobre a possibilidade de ir para o PSB, Marcelo deixou em aberto. Segundo ele, tudo dependerá da forma como as coisas andarem dentro do PT.
– Meu primeiro mandato como vereador foi pelo PDT, mas sai do partido por situações como estas que estão acontecendo no PT. É preciso o partido decidir como irá caminhar em 2016. Se irá com o Jonas, terá um candidato próprio e quem será. Agora, se não tiver caminhando da maneira que julgo a certa, poderei trocar de partido – destacou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document