domingo, 11 de abril de 2021 - 17:42 h

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Morador de Barra Mansa compra cilindro de oxigênio para avó com Covid-19

Morador de Barra Mansa compra cilindro de oxigênio para avó com Covid-19

Matéria publicada em 27 de março de 2021, 13:13 horas

 


Segundo ele, ação foi movida devido à falta de leitos de UTI na Santa Casa; um tio, de 70 anos, não resistiu

Barra Mansa – Um homem, de 37 anos, morador do bairro Vila Independência, em Barra Mansa, tem sentido na pele, assim como milhões de famílias em todo o país, o caos que a saúde – pública e privada – passa neste momento de pandemia, devido o novo coronavírus e a falta de leitos de UTI e cilindros de oxigênio nos hospitais.

Ele, que não quis ter o nome divulgado, disse ao DIÁRIO DO VALE que das dez pessoas da família, próximas a ele, sete foram diagnosticadas com Covid-19. Todas passaram pela coleta de material para testes RT-PCR (detecção direta do vírus em secreção respiratória por meio de um swab nasal) e apenas três tiveram resultado negativo após o exame. Entre os parentes hospitalizados está sua avó, de 82 anos, e um primo, de 40. Um tio, de 70 anos, não resistiu.

Devido a falta de leitos de UTI nas unidades hospitalares, a família acabou comprando um cilindro de oxigênio para que sua avó pudesse respirar sem dificuldades. O morador explicou como tudo aconteceu.

– Tudo começou com meu tio, de 70 anos, que tinha problemas cardíacos e não resistiu. Ele demorou um pouco para procurar socorro. No segundo dia de sintomas, ele não deu muita atenção e depois ficou mal. Após isso, cinco dias depois, levei minha avó, de 82 anos, para fazer o teste. Quando meu tio fez o teste, o resultado dele deu positivo, o teste da esposa dele, de 65 anos, deu positivo também, bem como dos dois filhos do casal; um homem, de 40 e uma mulher, de 32, respectivamente. Detalhe: minha avó já tinha tomado a primeira dose da vacina e a minha prima já tinha tomado duas doses devido ela ser profissional da saúde. Ambas tiveram sintomas muito fortes – destacou.

Após o diagnóstico, o morador relatou que sua avó seguiu, diariamente, até a Upa (Unidade de Pronto Atendimento) e Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa, em busca de atendimento. Após passar por tomografia – em local não especificado – e pegar o resultado do exame da avó, ele explicou que levou o documento até a Santa Casa para mostrar aos médicos de plantão.

– Fomos até a Santa Casa e, devido a superlotação, voltamos no dia seguinte após o resultado da tomografia da minha avó. Conversando com a médica, ela aconselhou que se pudéssemos esperar em casa seria melhor. Isso porque o hospital estava bem cheio. A médica ainda disse que em casa poderíamos dar atenção à ela e que se minha avó ficasse no hospital, teriam que pedir vaga no Hospital Regional para transferi-la – disse.

O morador contou que antes de ser diagnosticada com Covid-19, sua avó não possuía nenhuma complicação de saúde.

– Ela não tinha problema nenhum. Nem com pressão arterial, glicose, nada. Era uma pessoa bastante saudável apesar da idade. A médica disse que o quadro dela era, como vou dizer, ‘menos pior’, se comparado aos outros pacientes. Com isso, ela deu entrada no hospital na segunda-feira (22), pediram pra gente vir para casa e providenciar um cilindro de oxigênio. No mesmo dia, às 12h, já estávamos com o cilindro em casa. A gente comprou de uma empresa em Volta Redonda. Quando foi na quarta-feira (24), às 16h, minha avó voltou para o hospital. De quarta-feira (24) até sexta-feira (26), ela ficou aguardando vaga na UTI, e conseguiu; no momento, ela está entubada – explicou.

Ele lamentou a morte do tio e explicou a situação do primo, que precisa de internação.

– Meu tio, de 70 anos, que tinha problemas cardíacos, não resistiu. Agora estou com meu primo doente também. Ele protelou – para receber atendimento – um pouco e agora a saturação dele está baixa. Está usando o cilindro de oxigênio que compramos para minha avó, mas vai ter que ser encaminhado para o hospital também. Só o oxigênio em casa não está resolvendo. Nesses casos, a gente liga para o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e eles direcionam a gente –  finalizou.

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Triste isso, espero que o investimento que ele fez pela vida da vó dê retorno e que ela possa superar isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document