domingo, 12 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Moradores reclamam de aparecimento de bichos peçonhentos

Moradores reclamam de aparecimento de bichos peçonhentos

Matéria publicada em 4 de junho de 2016, 08:30 horas

 


Condomínio Dom Waldyr Calheiros, no São Sebastião, enfrenta outros problemas como falta de torre de telefonia móvel

minha casa minha vida

Transtornos: Animais peçonhentos, falta de torre de comunicação e dificuldade no transporte público são as reclamações dos moradores
(Foto: Paulo Dimas)

Volta Redonda- Moradores do condomínio Minha Casa, Minha Vida Dom Waldyr Calheiros I e II, no bairro São Sebastião, em Volta Redonda entraram em contato com o DIÁRIO DO VALE, por meio do Facebook, reclamando do aparecimento constante de bichos peçonhentos, principalmente aranhas dentro dos apartamentos e nas redondezas do condomínio. Segundo a moradora Elaine Souza, o problema acontece há aproximadamente um ano e várias espécies de aranhas já apareceram no local, seu principal temor é em relação ao perigo de alguma criança ser picada. Ela comentou ainda que as portas e janelas de seu apartamento ficam fechadas 24h por segurança.
– Tenho filhos, meu maior medo é que alguma criança seja picada, além das aranhas já apareceram também escorpiões e cobras. Fico o dia inteiro com as portas e janelas fechadas com medo de algum bicho entrar no meu apartamento, acabar se escondendo nos calçados das crianças ou em outro local e nos picar – falou.
A moradora comentou sobre um incidente que teria acontecido com um morador do condomínio. De acordo com Elaine, o homem foi picado por uma aranha e teve um dos pés amputados.
– Eu sei apenas que o chamavam de Sr. Cândido, ele tentou fazer troca de apartamento. Não sei muito sobre o caso, moradores do bloco dele me passaram essa informação, dizendo que ele se mudou porque morava no último andar e não conseguiu trocar. Me contaram ainda que ele tem diabetes e a picada teria colaborado para amputação do pé, aí ele se mudou para fazer tratamento – relatou Elaine Souza.
A moradora Matilde Ventura destacou que caso alguém seja picado por um bicho é muito difícil acionar o socorro, pois o bairro não possui rede de telefonia móvel, todos os celulares, independente da operadora, ficam diariamente sem sinal. Para receber ou fazer ligações, os moradores tem que se deslocar para outro ponto do bairro.
– Aqui no bairro tenho muita dificuldade para telefonar não tem sinal em nenhum celular. Para fazer ou receber ligação temos que sair do condomínio e tentar algum sinal no bairro, parece que estamos ilhados – comentou.
Além dos problemas do aparecimento de bichos peçonhentos e falta de torre de celular, os moradores enfrentam mais transtornos. O ônibus que percorre o bairro não vai até a rua do condomínio. A moradora Taynara Regina disse que o coletivo deixa os moradores distantes e que a linha (São Sebastião) deveria estender o trajeto até próximo ao condomínio.
– Como se não bastasse todos os problemas que temos que enfrentar aqui no bairro ainda tem o trajeto do ônibus que não chega até o condomínio. A sensação que tenho que colocaram a gente aqui e nos esqueceram – declarou indignada.

Prefeitura divulga nota

Em nota a assessoria de imprensa da prefeitura esclareceu as reclamações dos moradores informadas à reportagem. Segundo a nota, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Volta Redonda informou que não há nenhum registro de pedido de moradores do Condomínio Residencial Dom Waldyr Calheiros, no  bairro São Sebastião, em relação a animais peçonhentos.
– Não há nenhum pedido de morador do condomínio pedindo a desinsetização, mas a partir dessa denúncia nós vamos ao local fazer este trabalho na rua, já que não  atuamos dentro dos imóveis – disse a coordenadora do CCZ, a médica veterinária Janaína Soledad, ressaltando que a desinsetização só é feita para escorpiões, já que não  há produtos que atuem no caso das aranhas. Ela frisou ainda que os moradores devem sempre acionar o CCZ no caso de infestação de animais peçonhentos.
“O CCZ faz este  trabalho rotineiramente, mas é preciso que a população nos acione, nos avise das ocorrências, já que não temos como cobrir todos os locais ao mesmo tempo”. Janaína  ainda deu algumas recomendações aos moradores para evitar acidentes.
“Primeiro, é preciso que não haja acúmulo de lixo ou madeira nos locais. No caso do lixo, ele deve ser colocado para coleta dentro do horário estabelecido, uma  vez que o lixo atrai baratas, que servem de alimento principalmente para os escorpiões. Onde há a presença destes insetos, as pessoas devem ter o hábito de sacudir  roupas e sapatos antes de vesti-los, e nunca tentar pegar o inseto com as mãos. Se houver algum acidente, a vítima deve ser encaminhada para uma unidade de Saúde e o  CCZ deve ser informado do acidente, até para fazer a identificação do animal”, explicou.

Ônibus

Em relação aos ônibus, o secretário municipal de Ação Comunitária, Munir Francisco, explicou que será construída uma rotatória no bairro até o final de junho,  para que os coletivos possam acessar o condomínio.
“O secretário municipal de Obras, José de Alencar, e o presidente da Suser (Superintendência de Serviços Rodoviários), Paulo Barenco, já foram ao local e  definiram a construção dessa rotatória para que os ônibus possam acessar o local”, explicou Munir. De acordo com o secretário, a Prefeitura Municipal de Volta Redonda  continua tentando junto às operadoras de telefonia móvel que sejam instaladas antenas de celular naquela região.
“Não é um problema só do condomínio, mas de todo o  bairro. Nós estamos conversando com as operadoras desde o ano passado, mas até agora não obtivemos resultados. Mas vamos continuar insistindo”, disse Munir. O  secretário afirmou ainda que se reúne periodicamente com os síndicos dos condomínios do Minha Casa, Minha Vida em Volta Redonda. “Nós nos reunimos com todos os  síndicos para saber quais são as demandas deles, para podermos ajudar a resolver. É um trabalho de parceria”, pontuou.
Sobre a possível vítima de uma picada de aranha que teria tido o pé amputado, embora não tenha sido fornecido o nome completo da pessoa, não há registros de casos  semelhantes nem na Secretaria Municipal de Saúde – onde a CCZ é ligada e seria acionada por ser uma ocorrência com animais peçonhentos – e nem na Secretaria  Municipal de Ação Comunitária (Smac).
“Não temos conhecimento de nenhum caso desse tipo no São Sebastião ou em nenhum outro condomínio do Minha Casa, Minha Vida. E as  pessoas sempre nos procuram quando ocorre alguma situação atípica, com certeza seríamos comunicados de uma ocorrência dessa, e não temos nenhum registro”, disse o secretário de Ação Comunitária. Munir disse  ainda que no caso de mudança, o mutuário pode perder o direito ao imóvel. “Os beneficiários do Minha Casa, Minha Vida não podem mudar, alugar, emprestar,  ceder ou vender os imóveis por 10 anos são as regras da Caixa Econômica Federal. Principalmente em um caso que envolva mudança por alguma necessidade especial, nós  seríamos acionados, porque poderíamos ajudar. Mas não registro de nenhuma ocorrência assim na Smac”, apontou o secretário.

Por Franciele Bueno
(franciele.bueno@diariodovale.com.br)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

7 comentários

  1. Avatar

    Qual foi a parte de que o morador se mudou para fzr tratamento que o secretario nao entendeu! E a filha dele disse que foi a Smac pedir ajuda e nada foi feito,ela nao teria pq mentir! A vdd e que os moradores foram abandonados.

  2. Avatar

    Infelizmente lá é o lugar deles, ali era um ribeirão maravilhoso com cachoeiras e muitos bichos, pássaros era lindo pra passear

  3. Avatar

    Infelizmente os bichos aparecem pq é o abitart natural deles, aí antigamente tinha ribeirão, cachoeiras tinha trilha pra chegar até lá. Era muito bom! minha diversão quando criança. Então os bichos estão procurando seu lugar. entende?

  4. Avatar

    Comprem um monte de galinhas de Angola e soltem dentro do condomínio…

  5. Avatar

    Estou pedindo há quase um mês que o diário do vale faça uma matéria sobre a situação da escola José fontes torres do bairro São Luiz em Volta Redonda e até agora nada!
    As crianças estão convivendo com os pombos, até em cima do bebedouro os pombos ficam!
    Tem uma telha no pátio quebrada há anos que atrapalha as crianças, uma árvore enorme com galhos velhos que não são podados e podem cair e ferir alguém, a altura do mato na parte da frente da escola é inacreditável, além disso já estamos na metade do ano e cadê os uniformes!
    Fiz reclamação para prefeitura de Volta Redonda, para vários meios de comunicação e ninguém se habilita a fazer uma matéria para divulgar essa denúncia!
    Estranho…

  6. Avatar

    A ARANHA DA VIZINHA TÁ NA MINHA CAMA, EU QUE EU VÔ FAZER?

    • Avatar

      Infelizmente lá é o lugar deles, ali era um ribeirão maravilhoso com cachoeiras e muitos bichos, pássaros era lindo pra passear

Untitled Document