terça-feira, 11 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Polícia apresenta suspeito de assassinar irmão de ex-vereadora de Barra Mansa

Polícia apresenta suspeito de assassinar irmão de ex-vereadora de Barra Mansa

Matéria publicada em 12 de maio de 2015, 12:00 horas

 


Wallace de Moura Carmo, de 24 anos, contou que matou Gerônimo Henriques por dívida de drogas de R$ 630

(Foto: Felipe Vieira) Frio: Demonstrando frieza, Wallace contou que depois de matar Gerônimo, lanchou, fez a barba e tomou banho na casa da vítima

(Foto: Felipe Vieira)
Frio: Demonstrando frieza, Wallace contou que depois de matar Gerônimo, lanchou, fez a barba e tomou banho na casa da vítima

Barra Mansa – O delegado ajunto da 90ª DP (Barra Mansa), Alcidézio Bispo Júnior, apresentou nesta segunda-feira a jornalistas, Wallace de Moura Carmo, de 24 anos. Ele é suspeito de assassinar no dia 2 de janeiro deste ano, o irmão da ex-vereadora e ex-vice-prefeita de Barra Mansa, Ruth Coutinho. A prisão dele aconteceu após um sequestro-relâmpago contra um motorista particular de 62 anos. Durante o crime, ele teria contado que matou Gerônimo Henriques de Lima Neto, de 53 anos.

Na apresentação, Wallace confessou ter assassinado Gerônimo por conta de uma dívida de drogas e deu detalhes de como praticou o homicídio.

– Matei porque ele (vítima) tinha uma dívida de drogas comigo no valor de R$ 630. No dia do crime, eu o amarrei e cortei o pescoço dele de tanto ódio que tinha, e fiquei observando ele agonizando até morrer. Minha intenção era cortar sua cabeça e colocá-la numa bolsa, mas não encontrei uma faca amolada – disse Wallace aos jornalistas.

A irmã da vítima, Ruth Coutinho, em entrevista a TV Rio Sul, negou que Gerônimo fosse usuário de drogas, e disse que ele sofria de distúrbios psiquiátricos e nem mesmo andava na rua sozinho.
Na delegacia, o acusado disse que no dia do crime passou em frente à casa de Gerônimo, no bairro Estamparia, e sob efeito de cocaína, decidiu que aquele seria o momento de cobrá-lo.

– Ele (Gerônimo) estava dormindo e eu o acordei. Não tinha um revólver, não ando armado porque não sou ladrão. O que tinha na casa foi apenas uma faca de serrinha e foi com ela que passei no pescoço dele – relatou demonstrando frieza.

Ainda na versão de Wallace, após verificar que Gerônimo tinha morrido, ele lanchou, fez a barba e tomou banho na casa da vítima, procurando não deixar impressões digitais na casa da vítima.

Ele contou também que há mais de um ano vendia drogas para Gerônimo e que os R$ 630 era para que ele pudesse comprar mais entorpecentes no Rio para revendê-los em Barra Mansa. Segundo ele, se tivesse faltando R$ 5 ficava sem comprar o material. “Eu ia pedir fiado com os outros (traficante)”, ressaltou.

Wallace afirmou ainda que desde o ano passado não vende mais drogas e que atualmente trabalhava como ajudante de pedreiro. Aos jornalistas, ele disse que estava arrependido pelo assassinato de Gerônimo e que se pudesse voltaria atrás.

Já sobre o sequestro-relâmpago praticado contra o motorista particular José Augusto Pernambuco Chaves, de 62 anos, Wallace negou a autoria do crime e disse que apenas comprou roupas dele, em sua casa, na Avenida Domingos Mariano, no Centro. Ele contou que José Augusto, inclusive, teria o levado de carro até sua residência na Vista Alegre.

A versão de Wallace foi desmentida por Alcidézio, que explicou que o suspeito invadiu, na madrugada do último domingo, a casa do motorista com o intuito de roubar objetos e conseguir dinheiro para comprar drogas. O policial disse ainda que Wallace roubou a residência e deixou um filho do motorista amarrado e amordaçado.

– Após roubar vários objetos da casa, Wallace obrigou José Augusto a levá-lo no próprio carro. Foram em vários pontos de venda de entorpecente da cidade, porque ele estava querendo comprar drogas. Em seguida, exigiu que o motorista fosse até um caixa eletrônico, ameaçando que também cortaria o pescoço dele como fez com Gerônimo, mas ele não conseguiu sacar dinheiro. O suspeito obrigou a vítima deixá-lo em casa na Vista Alegre sob a ameaça de que se ela contasse alguma coisa à polícia seria morto – esclareceu o delegado.

Alcidézio classificou Wallace como uma pessoa fria e calculista quando descreveu praticamente a cena do crime praticado contra Gerônimo. O suspeito foi indiciado por homicídio qualificado, cárcere privado, extorsão qualificada (sequestro-relâmpago), roubo majorado e restrição à liberdade das vítimas.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

9 comentários

  1. Força Roy……………..quem não erra que atire a primeira pedra!!!

  2. Lamentável que a primeira página de um jornal seja a quantia devida de R$630,00 e não que um incapaz, um doente mental, um esquizofrênico tenha sido vítima de aí sim,do verdadeiro usuário de drogas. Meu irmão era uma criança grande, que desde os 20 anos tinha esquizofrenia e era atendido na Estação Mental. Tinha uma cuidadora durante o dia (só saía de casa com ela pois não possuía chave de casa). O único local que ele frequentava fora de casa era a Estação Mental. As únicas drogas que sempre usou, portanto era usuário de drogas que permitiam sua convivência em família, eram os remédios controlados de anos e anos os quais tomava pela manhã, à tarde e à noite…Fora das crises, próprias da esquizofrenia, era extremamente dócil e de sensibilidade aguçada. Tocava violão, cantava, escrevia poesias. Gostava de coxinha e coca-cola, rádio de pilha, pavê e chocolate. Ainda estamos sem chão, sem sua presença, sem nos chamar querendo café, ou doce. Sua voz ainda ecoa nos corredores e na casa. Não consigo mais entrar à noite na casa dele, nem tampouco passar pelo corredor…Sei que iremos aprender a viver com a saudade e o temor noturno. Vamos sobreviver mas a vida perdeu um pouco do sabor. Deus tem nos carregado…Estamos vivendo no tempo de Deus desde 2 de janeiro deste ano…

    • Rutinha , não liga para isso, sua dignidade e de suas irmãs está acima disso tudo.
      Voces tiveram berço.
      Manchetes assim são puro bairrismo para menosprezar nossa cidade, voce ainda não aprendeu com isso ?

  3. Sem contar que roubaram dois apartamentos ao lado da casa da Ruth Coutinho no mesmo dia, um absurdo este rapaz solto!!!!

  4. Um cara frio e mal esse ai. Matar uma pessoa por 630 Reais. Segundo dizem uma pessoa sem defesa, que sofria mentalmente. O que fazer com um cara que mata a sangue frio uma pessoa sem chance de se defender? Prender? Não, esse tinha que ser enterrado só com a cabeça do lado de fora e deixar a natureza agir. Sei que esse não é um pensamente saúdavel, mas sinceramente colocar um verme desse em cana…tb não é. Grande de um FDP.

  5. Parabéns a PM de Barra Mansa que prendeu o elemento ajudando a desvendar o caso.

  6. independente de questões politicas,deixo aqui minha indignação com esse assassino,gerominho era uma criança grande,mesmo que ele tivesse devendo,não justifica a maldade que esse monstro fez,justiça seja feita,cadeia nesse covarde,mais uma vez,a maldita das drogas fazendo vítimas e destruindo familias,meus sentimentos,rutinha,Deus é justo e saberá o que fazer.

  7. Seu depoimento foi ridículo, como vc não é ladrão, assassino, covarde vitimou uma pessoa que passou uma vida inteira sofrendo por sua doença mental. Não venha querer falar de divida de droga de 630,00. Convivi minha vida toda com meu Tio sei de todos os seus problemas mas não posso deixar que um rapaz covarde, viciado sem honra venha desonrar uma pessoa que não tinha condições de responder e nem se defender. Espero que esse tempo que vc vai ter agora traga o arrependimento verdadeiro, que de alguma forma o amor de Deus possa dar direção em sua vida pois vc tb tem uma família um filho.

    • Não , ele não é ladrão não como afirmou à polícia. Ele entrou na casa do outro senhor pra passear lá à noite, amarrou o filho dele e o fez rodar a cidade atrás de droga porque ele é um cara do bem total.

      Vagabundooooooo, safado, psicopata. Tomara que apodreça na cadeia.

      Minha indignação e solidariedade à família do Gerominho que passa por este sofrimento.Ter um filho, um irmão, um parente morto desta forma cruel e como se não bastasse o “lixo humano” tenta justificar colocando a culpa na vítima.
      #indignação é pouco.

Untitled Document