terça-feira, 19 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Policiais que ajudaram a salvar vidas contam sobre a emoção do ato

Policiais que ajudaram a salvar vidas contam sobre a emoção do ato

Matéria publicada em 25 de agosto de 2019, 12:00 horas

 


Nesta semana, um sargento-PM reanimou um trabalhador que caiu de um prédio em Barra Mansa

PM pula na água para resgatar mulher que se jogou de ponte em Resende (Foto: Reprodução)

Sul Fluminense – Na manhã da última segunda-feira, dia 17, o 3º sargento Marcelo Oliveira, lotado do 28º BPM de Volta Redonda, foi destaque nos sites de notícias da região e nas redes sociais. A divulgação não fazia menção a nenhuma prisão, apreensão de drogas ou qualquer outro tipo de trabalho rotineiro da Polícia Militar. Pelo contrário, Oliveira, que está há 15 anos na PM e também é professor de Educação Física, ficou conhecido por ter prestado os primeiros socorros decisivos para que Wesley Vieira da Costa, de 39 anos, não morresse.

Wesley estava pintando um prédio na Rua Duque de Caxias, no Centro de Barra Mansa, quando levou um choque ao encostar na fiação elétrica. Caiu e ficou desacordado, só voltando a ter consciência após as reanimações e massagens cardíacas feitas pelo policial. Embora não com frequência, situações que fogem da rotina no trabalho Polícia Militar também somam outros casos na região.

Além do caso de Oliveira, o 2º sargento Wanderson Quintiliano Amora, também lotado no 28º BPM, e o 2º sargento Eraldo Monteiro da Silva, lotado no 37º BPM, em Resende, também já passaram por situações parecidas. Com 42 anos e há 18 à servido da PM, Monteiro conta que no final do ano passado, enquanto estava de serviço no centro de Resende, observou uma movimentação diferente sobre uma das pontes que corta a cidade. Foi quando uma pessoa o parou e disse que uma mulher havia acabado de tentar suicídio.

– Naquele momento, eu deduzi que fosse tiro, ou algo parecido, e fui para lá correndo, a pé. Ao chegar ela já estava dentro do rio e tinham outras duas pessoas tentando salvá-la, mas elas  também começaram a se afogar. Quando eu percebi isso eu tirei meu equipamento, armas, colete e coturno e pulei porque tinha certeza de que se eu não fizesse nada ela ia afundar de vez e sumir nas águas do rio – recorda o sargento.

De acordo com ele, a mulher foi retirada do rio com vida e levada para o hospital pelo Corpo de Bombeiros, que fez os primeiros procedimentos de socorro, mas por conta de ser muito idosa, não resistiu e morreu horas depois.

– A pancada que ela deu na água, devido a altura da ponte, comprometeu vários órgãos. Ela saiu com vida, mas tiveram esses fatores e a idade avançada que complicaram a situação. Eu gostaria muito que ela tivesse sobrevivido, para que eu pudesse ir visitá-la e ter visto que valeu a pena minha atitude. Mas tenho a convicção de que cumpri o meu dever, como um profissional de segurança. Porque independente de ser, ou não, a minha função, ali era um ser humano que necessitava de ajuda, Foi sensação de dever cumprido – enfatizou o militar.

 

Susto pela manhã

O sargento Wanderson Quintiliano Amora, há 17 anos na PM, também passou por momentos de muita tensão, durante um plantão de final de semana, quando se viu com a responsabilidade de salvar a vida de uma criança. Num domingo pela manhã, enquanto  sua guarnição estava em patrulhamento no bairro Roselândia, em Barra Mansa, ele teve atenção voltada para um carro que ia em direção à viatura piscando o farol, demonstrado desespero. Quando chegou mais perto dos policiais, o condutor parou o carro e disse que a esposa havia acabado de ligar pedindo ajuda porque o filho tinha se afogado na banheira e ele precisava que a viatura da PM abrisse caminho para que levasse a criança até o hospital.

– Quando ele disse isso, apresentando muito desespero, eu manobrei a viatura correndo e fomos para o bairro Piteiras, onde ele morava, com a sirene ligada e abrindo caminho para ele. Chegando lá ele agradeceu, disse que conseguiria resolver, mas eu insisti em ver a criança e percebi que já estava ficando desacordada. Falei para ele a para  mãe do bebê entrar na viatura e confiarem em mim. Foi muito tenso, mas em menos de dois minutos chegamos ao hospital, no Ano Bom, mesmo com o carro apresentando problemas –  ressalta o PM.

Amora ainda se recorda que foi preciso entrar na contramão, ao sair da Ponte dos Arcos,  e que a roda da viatura chegou a soltar fumaça, em frente ao hospital. A ação chamou atenção de pessoas que passavam pelo local e todos foram aplaudidos.

– O pai entrou correndo, gritando por socorro e as enfermeiras logo colocaram a criança no oxigênio, conseguindo revitalizá-la. Nos íamos embora, mas falei pro meu parceiro que não conseguiríamos trabalhar sem saber como estava a criança e, ao voltarmos lá, fomos recebidos pelo pai, que nos deu um abraço e agradeceu, Ele nos contou que o médico foi claro com ele e disse que se passasse mais um minuto ele ficaria sem o filho dele. Foi um dia muito especial e que vai pra sempre ficar marcado no meu trabalho como policial – disse o PM, que até hoje se emociona em contar a história.

 

PM que reanimou trabalhador agradeceu mensagens recebidas durante a semana

Madrugada de terça-feira, dia 20 de agosto, o sargento Marcelo Oliveira usou suas redes sociais para descrever como havia sido seu plantão e agradecer a todos os amigos e anônimos que os parabenizaram ao longo da segunda-feira (19), após ter reanimado o trabalhador Wesley Vieira da Costa.

“Hoje realmente foi um dia diferente na minha carreira e na minha vida pessoal. Eu poderia estar em qualquer lugar desses 550 km de extensão de Barra Mansa, mas quisera Deus, e esse sim é nosso herói, que eu estivesse ali no momento em que o Wesley sofreu esse grave acidente. Quem estava próximo viu que ele se encontrava praticamente morto, mas,eu sinceramente não me recordo de quase nada. Só me lembro de friamente estar acima dele fazendo as 30 compressões. A cada parada para ver os sinais vitais eu pedia a Deus para trazer ele para mim. Mesmo sendo os cerca de 7 a 9 minutos mais longos da minha vida, eu tinha uma certeza que só sairia dali com aquele homem VIVO. Enfim, ao passar esses longos minutos de massagem cardíaca lembro claramente de Wesley começar a sussurrar e a se debater e aí eu pude agradecer: ‘Obrigado meu Deus, eu sabia que o Senhor não iria me faltar” escreveu o sargento, em sua página do Facebook.

De acordo com ele, a tranquilidade veio com a chegada do SAMU e do Corpo de Bombeiros. Ao ver a vítima entrando no veículo de socorro, o policial percebeu que havia cumprido a missão da forma que podia.

Ele registrou a ocorrência do acontecido e seguiu para o serviço normalmente.

– Para minha guarnição o serviço seguiu normal. Tentamos prender uma quadrilha que vem roubando veículos na nossa cidade, tiramos mais um traficante do meio da sociedade, com mais de 300 gramas de maconha e, agora, as 02h55min, chegamos para um descanso – disse ele.

O policial terminou sua mensagem agradecendo aos colegas de trabalho: “Quero agradecer primeiramente a Deus, minha esposa e meus filhos, que estão sempre comigo e me trazem a calmaria do dia a dia, aos meus irmãos de fardas Cb Suebdy e CB Souza Borges, porque sem eles não conseguiríamos o sucesso dessa ocorrência. Agradecer também  a todos que aqui deixaram uma palavra. Tenho uma certeza: fiz as escolhas certas nas minhas profissões. Obrigado, Educação Física e obrigado, PMERJ”, escreveu Oliveira.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Polícia militar de BM esta de parabéns pôs vem prestando um serviço sensacional em nossa cidade parabéns aos policiais

Untitled Document