sábado, 24 de outubro de 2020 - 06:35 h

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Estado do Rio de Janeiro contabiliza 200 mil pessoas vacinadas contra sarampo

Estado do Rio de Janeiro contabiliza 200 mil pessoas vacinadas contra sarampo

Matéria publicada em 18 de fevereiro de 2020, 08:22 horas

 


Ministério da Saúde realiza Dia D da segunda fase da Campanha de Vacinação contra o Sarampo será neste sábado (30).

Rio de Janeiro – Até o momento, a Secretaria de Estado de Saúde registrou, desde o dia 13 de janeiro, quando a campanha foi lançada, 370.743 pessoas vacinadas contra a doença. No Dia D de vacinação contra o sarampo, que aconteceu no último sábado (15), 174.797 mil pessoas foram imunizadas no estado do Rio de Janeiro. Os postos municipais abriram das 8h às 17h para atender a população. A Secretaria de Estado de Saúde (SES), além de ajudar na mobilização, reforçou a relevância da vacina e recomendou que os responsáveis levassem as crianças para receberem a dose, única garantia contra a doença.

Para o médico da Secretaria de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, a vacina, além de garantir a proteção individual, atua também na coletividade.

“O ato de vacinar envolve duas vertentes de proteção. A primeira consiste na imunização de um indivíduo e, no segundo momento, o que chamamos de proteção de rebanho, quando há uma proteção de toda a comunidade”, declarou Chieppe.

Pessoas entre 06 meses e 59 anos devem se vacinar. Até o momento, mais de 19 mil doses foram aplicadas na passagem dos postos volantes da SES pelos municípios e nos pontos estratégicos.

Sintomas

Os principais sintomas do sarampo são mal-estar geral, febre, tosse, coriza e manchas brancas na mucosa oral. A doença também provoca conjuntivite e se caracteriza por apresentar manchas vermelhas que aparecem no rosto e se espalham por todo o corpo. O sarampo é uma doença que passa com facilidade de uma pessoa para outra por meio da fala, tosse e espirro.

Casos em que a vacina não deve ser administrada

Pessoas que apresentarem doenças agudas febris moderadas ou graves recomenda-se adiar a vacinação até modificação do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Também não é indicado o imunizante a quem recebeu imunoglobulina, sangue e derivados, transplantados de medula óssea, quem apresenta alergia ao ovo e gestantes.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document