segunda-feira, 29 de novembro de 2021 - 23:04 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Sociedade Protetora dos Animais diz que polícia pode ser acionada em casos de flagrante de maus-tratos

Sociedade Protetora dos Animais diz que polícia pode ser acionada em casos de flagrante de maus-tratos

Matéria publicada em 7 de junho de 2018, 16:50 horas

 


Denúncias de bichos que têm dono ou estão na rua e estão sendo maltratados podem ser feitas também à delegacia; animais devem receber cuidados em clínicas veterinárias

Volta Redonda – A Sociedade Protetora dos Animais (SPA)  alertou que a Polícia Militar pode ser acionada em caso de um animal ser flagrado sofrendo maus-tratos. E mais: esclareceu ainda que para fazer denúncias de bichos que ficam nas ruas ou até mesmo dos que tem algum responsável, mas estão sendo maltratados, a pessoa deve procurar uma delegacia de polícia. Se possível, com imagens, vídeos ou testemunhas de que o animal passou por maus-tratos.

– Em caso de flagrante de um animal agredido a PM deve ser acionada. Infelizmente, a SPA não tem poder efetivo nem permissão para resgatar um animal. A denúncia deve ser feita em uma  delegacia – esclarece Igor.

Segundo ele, animais que vivem nas ruas correm o risco de envenenamento, apedrejamento, agressão, atropelamento e outras formas de violência. Ele relata que já viu casos de animais enterrados vivos.

– Algumas vezes acontece por falta de educação. A pessoa não tem noção do que faz. Quando a gente conversa com ela,  geralmente os agressores entendem o erro que cometeram – desabafa Igor sobre os casos de violência.

Animais recebem cuidados como tosa e banho em clínica veterinária (foto: Gabriela Batista)

Ele esclarece também que qualquer tipo de agressão ou violência física e psicológica que acontece com o animal é considerado maus-tratos. “Não prestar atendimento veterinário e negligenciar as necessidades do animal também são formas de violência”, concluiu o voluntário.   Ele informa que algumas pessoas não sabem que manter o animal acorrentado por várias horas é uma forma de maltratar, assim como também excesso de sujeira e falta de alimentação.

O abrigo da SPA tem aproximadamente 150 animais sendo cuidados em abrigos e em lares voluntários. De acordo com Igor, bichos que perderam orelha, olho, que foram amputados, que são paraplégicos são resultados de casos maus-tratos e negligência. “Eles ficam agressivos, como defesa, e em alguns casos têm sequelas psicológicas, então os voluntários tentam reabilitar esses animais para que não tenham problemas de convivência e não atrapalhe na hora de encontrar um lar definitivo”, diz Igor.

Animal aguarda pelo dono depois de ser cuidado em clínica veterinária (foto: Gabriela Batista)

A Sociedade Protetora dos Animais de Volta Redonda é sustentada por doações, eventos e vaquinhas, por isso lares voluntários são comuns para os animais que precisam de mais atenção, com deficiência ou doença. Em lares voluntários os animais ficam por um período de tempo, até que mudem de lar ou encontrem um lar definitivo.

O veterinário Maurício Teixeira destaca que é muito comum que as pessoas tenham apenas um animal e a natureza do cachorro principalmente é viver em conjunto. Ele relata que o animal pode dar sinais de ansiedade quando não tem contato com outros animais ou não tem atividades que o façam interagir. Maurício fala também da importância de não humanizar os animais domésticos, respeitando seus instintos e condição animal.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Qual o endereço? qual o telefone para contato? faltou algumas informações sobre o SPA.

    Queria adotar um cachorro , mas não nada sobre esse SPA!

Untitled Document