Trabalhador morre eletrocutado em empresa de beneficiamento de aço em Volta Redonda

by Diário do Vale

Volta Redonda

O metalúrgico Alessandro Tavares da Fonseca, de 39 anos, foi a segunda vítima fatal de acidente de trabalho em Volta Redonda em dois dias. Ele foi eletrocutado hoje quando trabalhava no barramento de uma ponte rolante na empresa A. Abreu, de beneficiamento de aço. Alessandro morreu a caminho do Hospital da Unimed, onde receberia atendimento.
Segundo Almir Paulino, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense para empresas de Volta Redonda e Barra Mansa, o trabalhador ia fazer uma instalação no barramento (uma barra de aço que fica nas laterais do caminho percorrido pela ponte rolante). Ele pediu que a corrente elétrica que normalmente passa pela peça fosse desligada e, segundo as informações obtidas por Paulino, recebeu a informação de que o desligamento havia sido feito, assim como a verificação com o equipamento que identifica a presença ou ausência de corrente elétrica.
Ao tocar o barramento, porém, Alessandro foi eletrocutado e caiu do local onde trabalhava, sendo levado para o Hospital da Unimed, onde já chegou morto. O operário era casado e tinha três filhos.
Almir Paulino afirmou que ainda é muito cedo para falar sobre as causas do acidente, já que a investigação começou hoje.
— O sindicato vai acompanhar de perto a apuração das causas do acidente. O objetivo é propor procedimentos que garantam que acidentes como esse não se repitam — disse, acrescentando que a prioridade do sindicato, no momento, é dar apoio à família.

You may also like

19 comments

Povo Brasileiro 21 de março de 2015, 11:52h - 11:52

nao entendi esse acidente.
A csn sempre foi chata em relação à bloqueio lá nunca existiu o disse que me disse, sempre ouve bloqueio com cadeado e etiqueta….

Tem coisa errada ai…

bonitinho gogó 21 de março de 2015, 11:43h - 11:43

amigos eu não sou sindicalista mais o sindicato não tem nada haver com isso ele não estava lá, sim o responsável por esse acidente são os superiores eles que cobram do eletricista a fazer esse tipo de serviços. o sindicato tem que apurar de quem foi a ordem da execução desse serviços, o sindicato tem que brigar, lutar , abrir a boca, gritar, soltar foguetes e se possível dar umas porradas nesses superiores esse sim é o papel do sindicato e conto com eles sim porque não temos mais a quem socorres aqui na terra. e só Deus por nós. mais com tudo eu confio nesse sindicato não sou puxa-saco. mais gosto das coisas certas e não me entenda mal por isso valeu……. gogó

bonitinho gogó 21 de março de 2015, 11:28h - 11:28

Amigos faltou nesta empresa e dos seus superiores, uma falta de conhecimento e de uma humanidade, já mais é permitido executar serviços em pontes rolantes sem desligar o barramento geral, temos que procurar o responsável que mandou o eletricista executar esse serviços a mando de quem gente é uma vergonha não é , eu sou eletricista já mais executarei um serviço desse sem desligar o barramento e efetuar o meu bloqueio pessoal é lamento muito por esse companheiro e que Deus conforte a família dele ……. seus superiores vamos manter o bloqueio individual.

Silas 21 de março de 2015, 11:21h - 11:21

NR10… Bloqueio efetivo e individual de energias perigosas…Direito de recusa… Confiança em terceiros!!!

Selma 21 de março de 2015, 10:50h - 10:50

Agora não adianta falar mal da empresa o cara já morreu.
a sugestão do cara ai em cima parece boa instalar lampadas de atenção energizadas pelo barramento da ponte, assim todos verão se tem ou não emergia.
Ninguém queria a morte de ninguém tenho certeza, pode até haver responsável pelo acidente mas com certeza foi involuntáril.
Sinto muito pelos familiares e pelos colegas de trabalho, meus sinceros sentimentos.

Romildo-Tricolor 21 de março de 2015, 09:54h - 09:54

Esquecer de fazer o aterramento das barras depois que foi totalmente desligado é um erro fatal para um profissional de eletricidade ……….

Morador de VALENÇA 21 de março de 2015, 09:36h - 09:36

Incrível como a maioria dos acidentes que acontecem nas empresas as vitimas sempre morrem a caminho do “hospital’.

Leitor 21 de março de 2015, 07:37h - 07:37

É para evitar esses problemas que existe a NR10, portanto deve ocorrer a investigação e verificar onde o procedimento não foi seguido.

SEM PERICULOSIDADE 21 de março de 2015, 07:19h - 07:19

Tem muitas empresas aqui na região que não estão pagando a periculosidade aos seus colaboradores.

Robão 21 de março de 2015, 12:10h - 12:10

Bom dia a todos sou operário da CBSI trabalho na área da embalagem aonde aconteceu duas fatalidades e momento agora é ser solidários a família desse operário e apurar as causas do acidente e evitar futuros acidentes.

eleitor 21 de março de 2015, 04:56h - 04:56

ENQUANTO TIVER UM SINDICATO FROUXO DESTE QUE ESTA AI MAIS ACIDENTES ACONTECERAM

bonitinho gogó 21 de março de 2015, 11:58h - 11:58

temos que dar porradas sair nas ruas quebrar tudo,povo brasileiro aceita tudo temos que ser unido

Agnaldo 21 de março de 2015, 03:07h - 03:07

Cadê a segurança do trabalhador? Com tanta evolução na produção e treinamentos, sistema de loto e tecnicos de segurança do trabalho para identificar as condições inseguras….

eletrica 21 de março de 2015, 01:37h - 01:37

Duvido que a tensao foi desligada. E se foi o disjuntor deveria estar com os contatos colados permitindo passagem de corrente e a ausencia de tensao no circuito nao foi verificado ou o equipamento de verificaçao nao esta calibrado para executar serviços

Bora 20 de março de 2015, 23:27h - 23:27

Este sindicato comprado vai apurar o que? Numa empresa sem rumo, cheio de executivos sem noção gerencial.

bruno 20 de março de 2015, 23:01h - 23:01

Ele morreu detro da empresa no barramento de 440 volts.

dignidade 25 de março de 2015, 10:08h - 10:08

Bruno, poderia me dar seu contato?

revolta 20 de março de 2015, 21:09h - 21:09

eu duvido que ele morreu a caminho do hospital, a empresa que tirou o corpo pra nao dar mais problemas pra empresa. sao tudo um bando de filhos da puta. nem desligou a rede de eletricidade so pra nao parar a produção. onde se viu colocar a vida de trabalhador em risco dessa forma . queria ver se fosse alguem da familia deles .

ÊTA POVINHO 20 de março de 2015, 20:04h - 20:04

Instalar lâmpadas de atenção, energizada pela barra de energia da ponte rolante, é sinal de eficiência gerencial e de segurança.

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996