terça-feira, 20 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / E nós com isso? / A manifestação e o presidente

A manifestação e o presidente

Matéria publicada em 25 de maio de 2019, 22:00 horas

 


Bolsonaro pede apoio e algumas parcelas do eleitorado veem nisso um chamado para a guerra contra o Legislativo e o Supremo

Quando o texto desta coluna estiver chegando ao leitor da versão impressa, numa manhã de domingo, estarão ocorrendo dezenas, talvez centenas, de manifestações pelo Brasil. Os atos terão uma característica incomum: serão manifestações “a favor”, em vez de contra. E o alvo do apoio será o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, que teria pedido a seus eleitores que demonstrassem, nas ruas, que o povo está ao lado dele.

Até aí, tudo normal: o Brasil é uma democracia e as pessoas têm direito de reunião e manifestação. Mas o primeiro problema é que alguns dos apoiadores de Bolsonaro estão vendo nessas manifestações um chamado à guerra contra instituições como o Congresso Nacional e o STF, o que é um convite para implantar uma ditadura no país.

Isso não é bom, mas felizmente é improvável. Dificilmente Bolsonaro tentaria algo assim, pois já disse mais de uma vez que respeita as instituições democráticas; além disso, seria necessário que os militares o apoiassem na aventura, o que não é provável. Basta lembrar 1964: a “Marcha com Deus pela Família” só viu seus ideais se realizarem quando os tanques também foram para as ruas. E os militares não parecem dispostos a intervir no momento.

 

Manifestação deste domingo pode virar arma contra Bolsonaro, se ruas não ficarem cheias
(Foto: Julio Amaral – Arquivo Diário do Vale)

Pela culatra

 

Mas o colunista se lembra de uma ocasião em que outro presidente fez pedido semelhante, em 1992: Fernando Collor, o primeiro a ser eleito diretamente desde Jânio Quadros, pediu que as pessoas vestissem verde-amarelo para mostrar que estavam do lado dele. O resultado foi que a maioria das pessoas foi à rua de preto, pra não deixarem dúvida de que estavam contra. Outra pessoa que se lembrou desse episódio foi o ministro do STF Marco Aurélio Mello, que falou sobre o assunto ao site Antagonista – que está longe de ser um veículo ligado à esquerda ou favorável ao PT. Detalhe: Marco Aurélio  é primo de Collor.

Esse é o grande risco das manifestações. Assim como tiros, podem sair pela culatra. Se o número de pessoas nas ruas neste domingo for pequeno, os adversários do presidente verão isso como um sinal de que ele perdeu apoio popular. Eles vão reagir como tubarões sentindo o sangue na água.

E o arco de alianças que elegeu o atual presidente já mostra algumas rachaduras: figuras importantes da direita, como Kim Kataguiri, Janaína Paschoal e o filósofo Luiz Felipe Pondé já não demonstram apoio incondicional ao “capitão”.

E não poderia haver momento pior para demonstrar fraqueza: agora, o governo precisa convencer o Legislativo e a sociedade como um todo de que é melhor tomar o remédio amargo da reforma da previdência do que morrer da doença de desequilíbrio das contas públicas.

 

Presidente ‘figuraça’

 

Bolsonaro tem pontos em comum com alguns ex-presidentes de nossa história recente.

Assim como Jânio Quadros, ele se elegeu com um discurso de combate à corrupção e tomou algumas medidas polêmicas. Quadros proibiu o biquíni e Bolsonaro liberou as armas. Os dois foram muito pressionados pela oposição, que Jânio, ao renunciar, chamou de “forças ocultas”.

Com o general João Batista Figueiredo, último presidente da ditadura militar, Bolsonaro tem em comum o jeito desbocado de falar. Figueiredo disse que preferia o cheiro dos cavalos ao cheiro do povo, enquanto Bolsonaro disse que não estupraria uma então colega de Câmara dos Deputados porque ela “não merecia”. Além disso, ambos foram militares, embora a diferença de patente seja gritante.

Com Fernando Collor, a semelhança está no perfil “super-herói” e no gosto por esportes. Além disso, há a grande confiança no fato de ter sido eleito por grande diferença de votos. Isso fez com que Collor, assim como Bolsonaro, pedisse que o povo fosse às ruas, quando se sentiu pressionado.

 

Em resumo

 

1)    É preciso que os manifestantes deste domingo entendam que apoiar Bolsonaro está muito distante de ser a favor de uma guerra contra os outros poderes da União, que são independentes e harmônicos, como determina a Constituição.

2)    A aliança de forças políticas que elegeu Bolsonaro já apresenta rachaduras. Se não houver diálogo para recompor o grupo, a estabilidade do governo pode estar em perigo.

3)    Se as manifestações não levarem multidões às ruas, os adversários políticos de Bolsonaro verão nisso um sinal de fraqueza e vão aumentar a intensidade dos ataques.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Bolsonaro é o melhor presidente de todos os tempos, com ele seremos Primeiro Mundo, nosso país passará a se chamar Estados Unidos da América e Brazil, seremos como Porto Rico, seremos um Estado associado , mandando foguetes e astronautas para vários planetas .
    Estou entusiasmado e já comprei minha bandeira do Tio Sam para ir às passeatas do Capitão América. Seremos os pés dos estadunidenses e de vez em quando poderemos ficar em decúbito ventral para os yankees saberem que somos seus admiradores e um povo amigo dos Estados Unidos, como bem diz nosso grande presidente Donald Trump e seu capataz o Jair.

  2. Avatar

    MITO ! MITOTÔOOOOO !
    Que todos os otários e idiotas da região saem para as ruas hoje , para apoiar o presidente pateta e despreparado eleito, votado como mito. Para apoiar os aumentos da energia elétrica, da gasolina, do gás, dos remédios e alimentos.Para apoiar o corte de verbas na educação e na saúde, a falta de médicos, o aumento da violência, o laranja Queiróz (cadê ele, será que ele vai ?) e seu chefete miliciano (“ô coisinha tão bonitinha do pai “), a pastora Damaris ( da goiabeira),o Conjo Moro, o caixa 2 Onix, enfim, todo o circo que se instalou no poder,o aumento do desemprego, do tempo de serviço ( para quem conseguir manter-se empregado), etc… .E não se esqueçam de se vestirem com a camisa amarela da corrupta CBF, se vestirem de patos, levarem as panelas para baterem,de fazerem arminha e dancinha e praticarem a golden shower.

Untitled Document