quinta-feira, 15 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / E nós com isso? / Verdades e parábolas no embalo das Fake News

Verdades e parábolas no embalo das Fake News

Matéria publicada em 21 de outubro de 2018, 18:07 horas

 


Confusão entre informações claramente falsas e uso de exemplos fictícios para ilustrar posições pode levar à censura

Celulares são o modo mais fácil de transmitir verdades e mentiras pela internet

Nesta reta final de campanha do segundo turno, adeptos dos dois candidatos estão apontando os dedos uns para os outros, acusando-se mutuamente de criação de Fake News. Em boa parte dos casos, as acusações procedem, já que, para “desconstruir” a reputação do adversário, os dois lados têm recorrido até a afirmações notadamente falsas. Com isso, a Justiça Eleitoral está apertando o cerco às postagens no Facebook e às mensagens encaminhadas pelo WhatsApp, com um rigor que pode até afetar a liberdade de expressão.
Isso ocorre porque o cerco às notícias falsas pode causar um dano colateral: a destruição da capacidade de apresentar pontos de vista válidos através de histórias fictícias, a chamada parábola.
Esse instrumento é usado desde a antiguidade por pessoas tão acima de qualquer suspeita quanto Platão.
O mito da caverna, que o filósofo registrou em sua obra “A República”, é um exemplo. Ninguém em sã consciência vai acreditar que existia realmente um grupo de pessoas que vivia escondido sob a terra e só via do mundo exterior as sombras que se projetavam em uma das paredes. Trata-se de uma forma de tornar mais evidente um ponto de vista, de que as pessoas se limitam na maneira de ver o que consideram realidade e que uma pessoa que ouse ir além desses limites pode ser considerada louca, por ultrapassar o senso comum.
Se alguém postasse o mito da caverna no contexto de uma discussão política entre trezes e dezessetes, correria o risco de, em vez de trazer à luz a discussão sobre o assunto que Platão abordou, ser questionado com frases como “onde fica essa caverna?”, “que efeito era esse que projetava as sombras?”. Não se trata, nesse caso, da realidade do que está sendo narrado, mas do sentido por trás da história contada.
Já quando se afirma que determinada pessoa fez algo que na realidade não aconteceu, aí sim há a notícia falsa, que também pode ser chamada pelo nome mais tradicional de calúnia. Para isso, há inclusive recursos na Justiça.

Dando ideias ao Zuzu

No mundo inteiro, uma mensagem só pode ser reencaminhada pelo WhatsApp vinte vezes e um grupo de WhatsApp pode ter, no máximo, 256 integrantes. Na Índia, o número máximo de encaminhamentos é só cinco, por causa de problemas um pouco mais graves do que os do Brasil: lá, brigas entre comunidades de diferentes etnias provocaram mortes e deixaram pessoas feridas, por causa de mensagens falsas encaminhadas pelo aplicativo.
Um efeito interessante desse combate às notícias falsas é que o WhatsApp poderia adotar um “modo pessoa física”, com limitações ao tamanho dos grupos e à quantidade de vezes que uma mensagem pode ser repassada, e um modo “pessoa jurídica”, permitindo que empresas mandem propaganda e outros conteúdos de seu interesse, sem limitações.
A diferença seria que, enquanto o aplicativo para pessoa física permaneceria gratuito, gerando uma ampla base de receptores, o de pessoa jurídica seria pago, o que geraria, além de receita para a empresa, uma forma de controlar os envios em massa.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

13 comentários

  1. Faltam pouco mais de 24 horas para dedetizarmos o Brasil,e mandar esse PT para o buraco de onde nunca deveria ter saído.É dezessete na cabeça!!!!!!!!!!

  2. O remédio amargo vai lhe dar caganeira,seu rato de esgoto

  3. O pior cego é aquele que não quer enxergar.Vivandeiras estão com furor uterino.

  4. Quem acredita no capetão, acredita em qualquer coisa.

  5. Quantas vezes o MITOMANÍACO trocou de partido , nada mais nada menos que sete vezes. O danado é mais inconstante que biruta de aeroporto.

  6. Tô com medo da tia do zap. Kkkkk , o p.t. é ridículo.

    • O PT é tão ridículo, que o candidato deles para presidente, o tal de Haddad é um medíocre, que nunca trabalhou na vida! E nas eleições para prefeitura da cidade de São Paulo perdeu em todas as zonas eleitorais, perdeu em primeiro turno!
      São Paulo tem 38 zonas eleitorais! Ele perdeu em 36 para o Dória e 2 para a Marta Suplicy…. Marta ganhou em Palhereiros e Campo Limpo! Nos outros Haddad perdeu tudo, é um MEDÍOCRE!
      O que é isso companheiros, colocar esse MEDÍOCRE para disputar a presidência da República?!
      Como diria o jornalista Boris Casoy: “Isso é uma vergonha!”…

  7. Quando a interatividade entre os homens for superada pela tecnologia, haverá uma geração de idiotas. Angustiada e a cega são exemplos do que o gênio Einstein filosofou .

  8. Parabéns pelas palavras Guto,e o colega abaixo só fez defesas retóricas,sem apresentar uma argumentação consistente,digno de petistas peito de pombo.

  9. O Bolsonaro não precisa de usar “fake news” para tentar prejudicar a candidatura de Haddad, pois a população já sabe que o PT:
    1) Criou o esquema do Mensalão(compra de votos de parlamentares);
    2) Criou o Maior Esquema de Corrupção do Ocidente através do Petrolão (corrupção envolvendo empresas públicas e empresas privadas);
    3) Inchou a máquina pública colocando centenas de milhares de petistas em cargos estatais com salários muito acima dos praticados pela iniciativa privada;
    4) Enviou bilhões de reais dos brasileiros para países ditatoriais da América Latina e da África! Dinheiro esse que nunca mais vai voltar para o Brasil!;
    5) Acusou o PSDB de ter cometido dezenas de crimes e nunca investigou esses supostos crimes, ou seja, foi conivente com a corrupção alheia!;
    6) Atacou sempre os judeus e sempre ficou ao lado dos palestinos, igualando assim o comportamento nazista;
    7) Defendeu sempre o estado grande e forte, como defendiam os facistas na Itália;
    Para que “fake news” contra o PT, se os fatos reais já mostram que o PT devia ser extinto!
    Como diria o ex-Senador Mão Santa: “A gente faz apenas uma vez na vida: nascer, morrer e votar no PT!”…

    • Mirian Leitão do DV, sua falta de informação é assutadora. Sua fonte de informação para justificar seu comentário na maioria é falsa ou ausência de comprovação. O anti-petismo criou esse mostro pré-histórico e que estará a frente do país nos próximos quatro e nada nos indica que será bom. Sobre o que escreveu realmente fico espantado com tanta desinformação.

    • Bom será com o PT, como foi nos últimos 16 anos… Melhor ainda com Haddad, que à frente da maior prefeitura do país demonstrou toda a sua capacidade administrativa… O remédio pode ser amargo, porém a doença é nefasta. O resto é papo de Mãe Dinah, pitonisa do apocalipse…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document