>
segunda-feira, 23 de maio de 2022 - 11:39 h

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Comissão ambiental renova licença da CSN

Comissão ambiental renova licença da CSN

Matéria publicada em 25 de junho de 2018, 21:46 horas

 


Documento teve validade estendida por noventa dias enquanto empresa mantém negociação das questões ambientais

 

Foto: Arquivo
Renovada: Licença de operação da CSN vale por mais seis meses

Volta Redonda – A CSN está autorizada a manter a Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda, funcionando plenamente por mais noventa dias, enquanto a siderúrgica continua em negociação com os órgãos competentes do Estado do Rio de Janeiro para solução definitiva das questões ambientais existentes na UPV. A empresa comunicou o fato ao mercado em Fato Relevante publicado na Bovespa e se comprometeu a manter seus acionistas e o mercado em geral informando sobre o andamento do assunto.
A autorização foi dada pela Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca) do governo estadual e publicada no Diário Oficial do Estado do Rio em 20 de junho de 2018.
A prorrogação é a segunda desde que, em dezembro de 2017, a CSN foi notificada por órgãos ambientais estaduais para que apresentasse um plano para eventual paralisação das atividades da Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda. A notícia pegou a cidade de surpresa e uma mobilização foi feita entre diversos setores para que houvesse um acordo, capaz de impedir o fechamento da empresa e o encerramento de milhares de empregos.
Durante a cerimônia de inauguração da Rodovia do Contorno, no dia 8 de dezembro de 2017, o governador Luiz Fernando Pezão informou que havia assinado a prorrogação da licença ambiental da CSN, por seis meses. Em nota emitida no mesmo dia, a CSN informou que “a Comissão Estadual de Controle Ambiental (CECA) deliberou por expedir autorização ambiental com vistas ao funcionamento, pelo prazo de 180 dias, para a Companhia Siderúrgica Nacional – UPV”.
Ainda na nota dezembro, a Companhia afirmou que “buscará um consenso com os órgãos ambientais sobre itens do TAC 03/2016, ainda em vigor, cujo cumprimento foi questionado pelo Instituto Estadual do Ambiente”. A mesma afirmação foi repetida na nota de junho.
A siderúrgica afirma que, desde 2010, já investiu mais de R$ 750 milhões em obras de conformidade ambiental na Usina Presidente Vargas, o que reforça seu compromisso com o Meio Ambiente e com a Sociedade em geral.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. FranciscoJFLacerda

    Tem é que se levar esta escória toda ou boa parte dela de volta para Minas onde a CSN possui uma mina e abre buracos para extrair o minério de ferro entre outros..Deve haver espaço mais que suficiente para tal e os trens que trazem os minérios voltam vazios não acarretando altos custos pois a CSN também é sócia da concessionária MRS Logística!

  2. Essa é a foto mais bonita de Volta redonda.

  3. Como renovam essas licenças, a CSN ta poluindo a cidade inteira. Daqui a pouco estaremos igual a Cubatão.

  4. É pelo jeito o acordo coletivo 2018 vai demorar, a grana foi todo pro INEA.

Untitled Document