quinta-feira, 22 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Crise na Argentina afeta montadoras da região

Crise na Argentina afeta montadoras da região

Matéria publicada em 26 de maio de 2019, 11:30 horas

 


Nissan adia plano para implantar terceiro turno em Resende; Peugeot tenta exportar para outros países

 

Nissan estuda novos mercados no Oriente Médico e na África do Sul (Foto: Arquivo)

Porto Real e Resende – A crise econômica na Argentina está atingindo em cheio pelo menos duas das montadoras instaladas na região: a PSA Peugeot Citroën, de Porto Real, e a Nissan, de Resende. Ambas se ressentem da queda nas vendas para o país vizinho, que absorvia percentuais significativos de suas exportações.

A Nissan, por exemplo, adiou planos de criar um terceiro turno de trabalho na fábrica de Resende, previsto para 2020, em razão da queda da exportação para a Argentina.

A fábrica do grupo, inaugurada em 2014, já consumiu aportes de R$ 3,34 bilhões e deve produzir este ano 125 mil veículos, ante uma capacidade de 150 mil unidades em dois turnos.

– Com três turnos a capacidade iria a 200 mil unidades ao ano mas, com a queda do mercado argentino, não há necessidade de ampliação – diz o presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva.

A montadora exporta 25% de sua produção, sendo 80% para a Argentina e estuda novos mercados no Oriente Médico e na África do Sul. Outras montadoras também estão adotando medidas em razão da crise argentina. Ontem, a direção do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP) disse que a General Motors dará folga aos trabalhadores da linha de montagem da S10 na segunda e na terça-feira por causa da baixa demanda da picape no país vizinho. A GM não comentou.

A Volkswagen deu férias coletivas de 20 dias para parte dos operários da fábrica de Taubaté (SP) desde segunda-feira também em razão do recuo de embarques para a Argentina. A unidade produz Gol, up! e Voyage. Em São Bernardo do Campo (SP) a produção dos modelos Polo e Virtus será suspensa por um mês, sendo 20 dias de férias coletivas a partir de 24 de junho e uma semana de banco de horas. O principal motivo é a redução da produção voltada à Argentina, mas a empresa aproveitará para fazer adaptações para a chegada de um novo modelo.

O presidente da Nissan América Latina, Guy Rodrigues, afirma que o novo plano de investimentos será confirmado ainda este ano, apesar das previsões de crescimento menor da economia brasileira. “Nossas vendas estão crescendo, assim como nossa participação no mercado”, disse.

Para ele, com a reforma da Previdência o País deverá receber mais investimentos. Ressalta, porém, que a reforma tributária também é importante para reduzir o custo Brasil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PSA Peugeot Citroën

A montadora de origem francesa tem fábricas no Brasil – a de Porto Real – e na Argentina, e a comercialização funciona de modo complementar, com alguns modelos sendo feitos no Brasil e outros, na Argentina.

A crise econômica portenha reduziu fortemente a exportação destinada ao país, e empresa busca reagir ampliando esforços para exportar para outros países e tentando aumentar suas vendas no mercado interno.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Macri com sua economia liberal afundou de vez a Argentina. Modelo econômico copiado por Guedes. Vamos pro mesmo caminho.
    Falta de aviso não foi.

  2. Avatar

    Bem feito para eles só sobrevivem com os benefícios do Governo, não compram nada da região e não tem nenhuma autoridade que obrigue.
    Vendam os carros com preços internacionais.

    • Avatar
      Meu nome é Zé Pequeno!

      Acrescente-se que as peças dos modelos da montadora são encontrados apenas nas rede autorizada da marca e quando as acham, os proprietários têm que pagar o preço estabelecido por eles.
      Além disso, já estão instalados no país há anos e nunca tiveram a preocupação de facilitar a vida do consumidor brasileiro seja disponibilizando suas peças para as lojas de comércio de auto peças.

    • Avatar

      Também vendem o carro caro e depois na revenda o preço cai muito e na própria concessionaria eles não querem pecar o carro da própria marca ou desvalorizam demais !

Untitled Document