sábado, 17 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Empresários da região esperam alta nas exportações nos próximos meses

Empresários da região esperam alta nas exportações nos próximos meses

Matéria publicada em 12 de setembro de 2018, 21:16 horas

 


Elevada cotação do dólar frente ao real é um dos fatores que beneficia as vendas externas

Volta Redonda – Os empresários do Sul Fluminense estão otimistas para os próximos meses. É o que revela a terceira edição da pesquisa ‘Retratos Regionais: Cenário Econômico’, divulgada nesta quarta-feira, 12 de setembro. A expectativa é positiva, principalmente, em relação ao setor externo. Na pesquisa, especialistas da Federação das Indústrias analisaram dados exclusivos sobre os 17 municípios da região, além dos cenários econômicos internacional, do Brasil e do Estado do Rio.

O Sul Fluminense é o 4º maior polo industrial do estado do Rio de Janeiro. A indústria corresponde a 25% do Produto Interno Bruto (PIB) da região. Entre os setores mais fortes, vale destacar o automotivo, metalurgia e naval, o que justifica que Volta Redonda, maior economia da região, Angra dos Reis e Resende, respondam pela metade do PIB regional.

Apesar da confiança para os próximos meses, o momento atual ainda é desafiador. A Sondagem Industrial mostra que, em junho, a indústria do Sul Fluminense apresentou queda na produção e a demanda foi atendida com os produtos em estoque, cenário semelhante ao observado no estado. Dentre os entraves que impactam a recuperação, a carga tributária e a demanda insuficiente foram os itens mais apontados na pesquisa. A greve dos caminhoneiros também teve impacto significativo na produção, com a falta ou o alto custo da matéria prima.

Além da conjuntura internacional mais favorável que a nacional, a elevada cotação do dólar frente ao real também é um fator que beneficia as vendas externas, de acordo com os empresários da região. Para o presidente da Firjan Sul Fluminense, Antônio Carlos Vilela, embora a pesquisa tenha sinalizado otimismo entre empresários da região, principalmente pelas oportunidades das exportações diante de um cenário favorável da taxa de câmbio, o momento ainda é de muita apreensão.

— A incerteza política impacta no crescimento econômico e nas decisões de investimentos por parte das empresas. O verdadeiro otimismo e o retorno aos investimentos somente serão percebidos após as eleições e diante de movimentos concretos para uma estabilidade fiscal, no país e no estado do Rio de Janeiro. Isto somente será possível diante da retomada das reformas necessárias, fiscal e previdenciária — detalha Vilela.

Nesse cenário, mesmo com a expectativa para o segundo semestre de 2018 de aumento da demanda por produtos e aumento na compra de matérias primas, apoiada nas exportações, os industriais continuam pessimistas quanto a novos investimentos. A ainda lenta retomada da atividade econômica, a situação financeira das empresas e as incertezas no cenário político mantém a maioria dos empresários céticos em aumentar a capacidade produtiva de suas indústrias.

Em relação à situação financeira, a principal queixa dos empresários na pesquisa é a dificuldade de acesso ao crédito e a baixa margem de lucro. Na medida em que as empresas não conseguem vender, elas têm dificuldades em ter dinheiro em caixa e, sem garantias de pagamento, a taxa de juros do crédito fica ainda mais elevada. As empresas de médio e pequeno portes, que correspondem a mais de 90% das empresas da região, são as que mais sofrem com a falta de capital em caixa, já que o financeiro ativo das mesmas é inferior ao das grandes empresas.

Dessa forma, entre os investimentos mapeados na região, que somam R$ 1,7 bilhão, a maior parte se concentra nas empresas maiores. Destaque para o ciclo de investimentos na MAN Latin America, ampliação da capacidade da fábrica da Nissan. Por fim, vale também destacar o investimento público na recuperação da RJ-163, que liga a Via Dutra à Visconde de Mauá, em Resende.

Os dados de mercado de trabalho do Sul Fluminense revelam a oscilação da atividade econômica. Nos primeiros seis meses de 2018, a região apresentou saldo positivo, com a criação de 55 vagas. Entretanto, esse resultado se deu por conta do setor de serviços, que gerou mais de 900 vagas no período, concentrados nas áreas de educação e transporte. A indústria, por sua vez, fechou -294 vagas no período, principalmente nas atividades de equipamentos de transporte e metalurgia.

Entre as cidades, Angra dos Reis foi o 5º município que mais fechou postos em todo o estado do Rio nesse período, no setor de equipamentos de transporte (-474). Entretanto, a maioria dos municípios da região gerou vagas, com destaque para Volta Redonda, na indústria de manutenção e reparação, e Barra Mansa, em serviços de transporte e educação.

Na vertente segurança pública, especificamente roubo de cargas, a região apresentou resultados melhores que a média do estado. Entretanto, enquanto o estado apresentou queda no número de ocorrências desse tipo de furto no segundo trimestre deste ano, o Sul Fluminense registrou aumento de 5%, comparado ao mesmo período em 2017. O aumento é reflexo da situação alarmante em que Angra dos Reis se encontra: a cidade da Costa Verde corresponde a quase metade dos registros de furto (43%).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Só não podem apitar na política. Por favor, fiquem de fora de indicação de candidatos. O Pezão foi o pior exemplo da indicação dos empresários. Se o empresariado perdeu riquezas e ainda está perdendo é devido a indicação de vocês.

    Após as eleições tudo muda na área econômica. Não se sabe como diante das mudanças. Abaixem a bola para não perderem mais riquezas depois.

    É uma LOUCURA investir em época de incertezas. Repetindo aqui o mesmo de 2013 quando estavam apoiando o Pezão.

    Só para lembrar: hoje a inflação e a taxa SELIC estão baixas é devido as eleições para talvez enganar até os empresários. Após as eleições se preparem para a escalada sem rumo desses dois indicadores. Até quando não se sabe.

Untitled Document