quarta-feira, 8 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Firjan pede combate ao roubo de cargas

Firjan pede combate ao roubo de cargas

Matéria publicada em 19 de fevereiro de 2020, 22:08 horas

 


Incidência do crime diminui, mas ainda causa prejuízos de mais de R$ 380 milhões anuais, segundo a entidade

Rodovia Presidente Dutra, que liga Rio a São Paulo

Sul Fluminense – O estado do Rio registrou 7.455 roubos de cargas em 2019, o que representa uma queda de 18,8% em relação a 2018. Apesar disso, o prejuízo com esse tipo de crime, considerando o valor médio da carga roubada, foi de R$ 386 milhões. É o que aponta o “Panorama do roubo de carga no estado do Rio de Janeiro”, divulgado pela Firjan.

— Nosso estudo mostra uma melhora significativa dos indicadores, mas é muito importante a continuidade das ações já que ainda vemos mais de vinte roubos de carga por dia, em média — ressalta o gerente geral de Competitividade da Firjan, Luis Augusto Azevedo.

Com base em dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), o estudo destaca que cerca de 97% dos casos registrados em 2019 foram concentrados na Região Metropolitana. Além disso, das 137 Circunscrições Integradas de Segurança Pública (Cisp), apenas dez, que são cortadas pelas principais rodovias fluminenses, receberam mais da metade das ocorrências.

Apesar da redução média observada, algumas regiões específicas tiveram aumento do número de ocorrências em relação ao ano anterior. A região de Vilar dos Teles foi aquela que apresentou maior aumento, 31,6%. Por outro lado, as regiões de Belford Roxo, Penha e Braz de Pina mostraram números cerca de 50% inferiores a 2018.

Para a Firjan, a expectativa é de continuidade na redução do roubo de carga em 2020, já que está previsto para o primeiro trimestre o início do programa Segurança Presente Volante. Outro fator que contribui para essa tendência é a inclusão desse tipo crime no Sistema Integrado de Metas e Acompanhamento de Resultados da Polícia Civil e Militar do estado do Rio de Janeiro, pleito defendido pela Federação, e alcançado em 2019.

Como resultado da redução das ocorrências de roubo de cargas no estado do Rio, a Firjan defende ser possível a extinção da Taxa Emergencial Excepcional (Emex), adicionada ao valor do seguro para transporte de cargas em 2017, período mais crítico das ocorrências, que já foi superado. Atualmente, o cenário é semelhante ao de 2015. De acordo com a Firjan, o fim da taxa é de extrema importância para a retomada da competitividade e a redução dos preços para o consumidor final.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Na hora que os empresários fizeram campanha para o Pezão não perceberam o mal que estavam fazendo. Empresário+Administração Pública é uma tragédia. Estado viu a destruição de sua economia, e VR está vendo. Agora que aguentem por uns tempos até o Bolsonaro acertar. Em 2019 já houve uma redução considerável.

    A Inglaterra é um país próspero pq empresários não dão pitacos no governo. Isso é garantido pela Rainha Elisabeth. O caso Brexit está aí para todos verem. Se o assunto do Brexit fosse no Brasil, os deputados teriam resolvido em alguns meses, talvez dias, ao contrário do país inglês que durou anos a negociação.

Untitled Document