Inflação que regula aluguéis desacelera

Por Diário do Vale
48 Visualizações

A inflação medida pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) fechou o segundo decêndio de fevereiro em 0,16%, desaceleração em relação ao mesmo período do mês anterior, quando a alta foi 0,55%.

O segundo decêndio do mês compreende os preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência. O indicador foi divulgado nesta quinta (19) pela FGV (Fundação Getulio Vargas). As informações são da Agência Brasil.

O IGP-M é divulgado no final de cada mês de referência. Atualmente, ele é o índice de referência para o reajuste dos aumentos da energia elétrica e dos contratos de aluguéis. No segundo decêndio de fevereiro, a retração do IGP-M foi fortemente influenciada pela variação dos preços ao produtor, que tem peso de 60% na composição no indicador. O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) apresentou deflação de 0,22%, no segundo decêndio de fevereiro, queda de 0,59 ponto percentual em relação aos 0,37% do período anterior.

A taxa de variação dos bens finais passou de 1,26% para 1,03%. A maior contribuição para esse movimento teve origem no subgrupo alimentos in natura, cuja taxa caiu de 10,47% para 4,92%. A taxa de variação do grupo Bens Intermediários passou de 0,36%, em janeiro, para -0,33%, em fevereiro, puxado pelo subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 0,23% para -0,84%.

O índice referente a matérias-primas brutas registrou variação de -1,64%. No mês anterior, a taxa foi -0,69%. Os itens que mais contribuíram para esse movimento foram soja em grão (de 0,72% para -7,71%), suínos (de 0,82% para -10,91%) e milho em grão (de -0,25% para -2%).

Também o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), que tem peso de 30% na formação do IGP-M, registrou variação menor no segundo decêndio de fevereiro: alta de 1,02%, contra os 1,06%, do mesmo período do mês anterior. Segundo a FGV, quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo alimentação (de 1,49% para 0,72%). Nessa classe de despesa, cabe mencionar o item hortaliças e legumes, cuja taxa caiu de 11,74% para 2,93%. Também foram computados decréscimos nas taxas de variação dos grupos habitação (de 1,37% para 1,13%), vestuário (0,05% para -0,12%) e comunicação (0,50% para 0,33%).

 IPC

O IPC (Índice de Preços ao Consumidor), medido pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), na capital paulista, apresentou alta de 1,57%, na segunda prévia de fevereiro. O resultado é inferior à primeira prévia (1,78%). A taxa representa a média de preços dos produtos e serviços praticados no período de 16 de janeiro a 14 de fevereiro deste ano em comparação aos 30 dias imediatamente anteriores (de 16 de dezembro a 15 de janeiro). As informações são da Agência Brasil.

A pesquisa da Fipe é feita com base na variação de preços dos produtos consumidos pelas famílias com renda entre um e dez salários mínimos. A maior pressão sobre o orçamento doméstico ocorreu em transportes, que apresentou aumento de 4,19%, o que significa redução na velocidade de alta já que, na pesquisa anterior, o índice tinha sido de 5,1%.

A segunda maior contribuição inflacionária veio do grupo habitação cujo índice subiu de 0,84% para 1,26%. Nesta classe de despesa, o que mais influenciou a alta foi a tarifa de energia elétrica que ficou 7,26% mais cara.

Já o grupo alimentação voltou a apresentar redução no ritmo de alta com reajuste médio de 0,89%, abaixo da elevação verificada na primeira prévia (1,18%). Em educação, ocorreu aumento de 3,9% o que mostra um arrefecimento dos preços em relação à pesquisa anterior quando o índice havia subido 5,72%.

No grupo despesas pessoais também foi constatada redução na velocidade de correções com a taxa passando de 0,97% para 0,69%. O mesmo ocorreu em saúde com variação de 0,53%, menor do que no levantamento anterior (0,67%).

O índice geral reflete ainda a queda mais intensa no grupo vestuário de 0,31%. No levantamento anterior, o grupo tinha apresentado recuo de 0,23%.

Advertisement

VOCÊ PODE GOSTAR

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

 

(24) 99926-5051 – Jornalismo

 

(24) 99234-8846 – Comercial

 

(24) 99234-8846 – Assinaturas

Canal diário do vale

colunas

© 2023 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996