segunda-feira, 17 de junho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Nova regra do rotativo oferece melhores condições de pagamento

Nova regra do rotativo oferece melhores condições de pagamento

Matéria publicada em 23 de abril de 2017, 14:10 horas

 


Limite de crédito: Medida oferece melhores condições de pagamento ao consumidor

Limite de crédito: Medida oferece melhores condições de pagamento ao consumidor


Barra Mansa – 
Em vigor desde o dia 3 de abril, a nova regra para pagamento da fatura do cartão de crédito fará com que o consumidor só permaneça no crédito rotativo até o vencimento da fatura seguinte, impossibilitando a renovação mês a mês de maneira indefinida.

A medida oferece melhores condições de pagamento ao consumidor, uma vez o limite do crédito rotativo será de apenas trinta dias e depois desse prazo o valor atrasado deverá ser pago ou financiado por meio uma linha de crédito parcelada, oferecida pela operadora do cartão sendo obrigatório que os juros dessa linha sejam menores do que o antigo parcelamento do cartão.

Conforme exemplifica o economista Rogério Carvalho, na prática uma dívida com taxas de juros que atualmente podem chegar a 490% ao ano é trocada por uma com taxa média de 160%. Mas ele faz um alerta:

“A mudança nas regras não significa que o consumidor não corre riscos de endividamento. Por isso, mesmo com as facilidades que essa linha de crédito passa a oferecer, as pessoas devem manter um planejamento de despesas e pagar a fatura em dia”, orientou.
De acordo com Carvalho, a medida tomada pelo governo federal tem a finalidade de evitar o “superendividamento”, que em tempos de crise tem sido muito comum para quem faz uso do cartão de crédito. A ideia com a redução dos juros, segundo ele, é tentar diminuir a incidência de inadimplentes com essa modalidade, hoje a mais cara do mercado, superando até mesmo o cheque especial.

“Dados do SPC apontam que hoje a inadimplência do cartão de crédito rotativo para pessoas físicas é de 33,2% do total de operações, enquanto do parcelado é de apenas 1,2%”, comparou o economista.

De acordo com ele, embora muitos consumidores ainda tenham dúvidas sobre essa nova regra, é importante esclarecer que a iniciativa vai evitar que ele se surpreenda com o crescimento incontrolável da sua dívida no rotativo.

“A partir de agora todos poderão parcelar a dívida do cartão com uma taxa de juros menor, com o valor final da dívida bem inferior do que se fosse pelo rotativo”, disse o economista, ao acrescentar que, mesmo com essa facilidade, o consumidor precisa ter cuidado para não extrapolar no uso do cartão. “Ainda que os juros sejam menores, eles vão existir. Por isso, a melhor opção sempre será manter o pagamento em dia”, orientou.

Usuários da região aprovam a nova regra

A microempresária Maria de Fátima Dias, de 52 anos, possui um salão de beleza e uma loja de roupas femininas. Ela, que possui vários cartões de crédito, conta que já se viu “enrolada” por algumas vezes por perder o controle dos gastos, geralmente em função da compra de produtos para o salão e também para a loja. Ela vê a nova regra do rotativo como positiva e acredita que, de certa forma, fará com os usuários de cartão tenham mais consciência na hora de usá-lo.

“Eu já fiz dívidas enormes por optar em pagar o valor mínimo do cartão. Como eu dependo das clientes me pagarem, para que eu efetue o pagamento dos boletos, nesses últimos meses, devido à crise, muitas atrasaram e com isso me endividei por não ter o valor suficiente para pagar o valor total das faturas. Com essa medida, a queda de juros vai melhorar as condições de pagamento e ao mesmo tempo evitar novos gastos, já que existirá uma dívida de parcelamento a ser cumprida”, ressaltou a microempresária.

Além de possuir cartões de crédito de dois bancos, a agente de saúde Alessandra Rodrigues, de 37 anos, possui cartões de grandes redes de lojas que também podem ser utilizados para crédito em outros estabelecimentos. Com isso, ela soma seis cartões que, conforme conta, já lhe tiraram o sossego.

“Eu usava os seis cartões de uma vez, comprava muito pela internet e acumulei dívidas do rotativo que ficaram impossíveis de pagar devido aos juros. Meu marido foi quem me ajudou para que eu não ficasse com meu nome sujo. Só dessa nova regra reduzir os juros, isso já vai ajudar muitas pessoas. Hoje eu me controlo mais e sempre pago o valor total da fatura, mas a medida vai ajudar muita gente que possa estar inadimplente por não ter condições de acompanhar os juros”, comentou Alessandra.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document