sábado, 17 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Parque Mambucaba tem comércio forte, mesmo fora da chamada alta temporada

Parque Mambucaba tem comércio forte, mesmo fora da chamada alta temporada

Matéria publicada em 11 de março de 2017, 16:10 horas

 


Bairro possui quatro grandes redes de supermercado, além da prestação de serviços em vários segmentos

Angra dos Reis – Embora seja um dos locais de Angra dos Reis que mais acolhe turistas de Volta Redonda, Barra Mansa e toda a região do Médio Paraíba, durante o período do verão, o comércio do Parque Mambucaba (antigo Perequê), hoje se orgulha de não depender diretamente do consumo dos turistas para se manter fora da alta temporada.

Com amplos segmentos na área de comércio e prestação de serviços a economia do bairro, localizado a pouco mais de 50 quilômetros do centro de Angra dos Reis, se fortalece a cada dia por meio dos cerca de 30 a 40 mil habitantes tanto da própria localidade como também de áreas vizinhas como a Vila Histórica de Mambucaba, Vila Residencial, Prainha, entre outras.

De acordo com a gerente de uma farmácia, Lúcia Helena da Silva Oliveira, a presença de turistas faz toda a diferença no período que vai de novembro ao final de março, no entanto, o estabelecimento não tem do que reclamar com relação as vendas, nos demais meses do ano.

– O verão é a época em que todo o comércio, de qualquer segmento, mais lucra, e isso é inquestionável. Mas, hoje, conseguimos sobreviver, durante o outono e o inverno, por exemplo, somente com o consumo dos moradores daqui, que não são poucos – observa a Lúcia Helena, ao estimar um aumento de até 40% na vendas durante o verão.

Proprietária de uma lanchonete, a comerciante Gorete de Almeida conta que há cerca de dez anos o comércio do Parque Mambucaba era totalmente dependente do período de alta temporada. Atualmente, no entanto, ela garante que esse cenário mudou. A comerciante também reconhece a importância dos turistas durante o período de verão, mas reconhece que a fomentação do comércio local já não depende somente dos turistas.

– O bairro e suas adjacências, como a área da Prainha, por exemplo, cresceu monstruosamente nos últimos anos com relação a número de habitantes. E fora do período de verão, quando realmente garantimos as melhores vendas, são esses moradores que mantêm o nosso negócio – afirmou Gorete.

Inovando para garantir as vendas

Considerando que o local atrai muitos turistas por conta das belas praias nas suas proximidades, o Parque Mambucaba possui muitas lojas de artigos e moda praia que, diferente de outros tipos de estabelecimentos, precisam dos turistas para garantir as vendas de seus produtos. Para que não se limitasse a isso, a dona de uma loja de biquínis, Tatiana Garcia Alves, precisou inovar nos meses que não são de alta temporada.

Ela conta que de novembro ao início de abril suas vitrines ficam tomadas de cangas, biquínis, saídas de praia, chapéus, entre outros artigos, mas que no período de maio a outubro o destaque ficar por conta de roupas e artigos da estação mais fria do ano,

– O meu carro-chefe é a venda de artigos de praia, mas assim como em todo litoral, aqui também tem seu período de inverno e as pessoas que moram aqui buscam roupas e artigos de acordo com a estação. Não me importo de ter que mudar a vitrine e investir em mercadorias diferenciadas. O importante é manter as vendas tanto no verão, quanto no inverno – disse a comerciante.

Moradora do Parque Mambucaba, há mais de 20 anos, a aposentada Cristina da Silva Dias, de 55 anos, recorda que, embora hoje o bairro ofereça todo o tipo de serviço para os moradores, a situação já foi mais crítica e já fez muitas pessoas se deslocarem até o centro de Angra para resolver, por exemplo, questões bancárias.

“Hoje nós temos tudo o que precisamos e conseguimos resolver tudo aqui mesmo, sem se deslocar. São quatro grandes redes de supermercados e todas conseguem se manter, mesmo fora da alta temporada. Acredito que essa seja a maior prova de que os moradores conseguem fortalecer o comércio”, observa a moradora.

Secretário destaca ‘vida própria’

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Angra dos Reis, João Carlos Rabello, hoje o Parque Mambucaba é visto por muitos como uma cidade à parte de Angra dos Reis, tamanha sua quantidade de moradores e estabelecimentos comerciais.

Ele destaca que a nova gestão municipal, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, está preparando um levantamento sobre a localidade que, segundo ele, precisa de muitos investimentos para que seus imóveis, prestadores de serviços e comércio sejam ainda mais valorizados.

“É uma área distante do centro do município e que se formou há algumas décadas para atender funcionários da usina eletronuclear. Aos poucos, pessoas da região foram adquirindo lotes e imóveis e hoje o Parque Mambucaba se tornou essa área tão populosa e que, para se ter uma ideia, possui cerca de 20 mil eleitores”, destacou o secretário.

Segundo ele, o município está organizando um plano para melhorar a infraestrutura, o abastecimento de água e energia, a implantação de redes de esgoto, a urbanização e a pavimentação de diversas ruas do Parque. Isso, de acordo com Rabello, irá contribuir na valorização do investimento de quem possui casas e comércio, além de melhorar a qualidade de vida dos moradores e veranistas.

“O Parque Mambucaba tem uma grande importância para a economia da cidade, mas nunca foi tratado como tal e possui vários pleitos que precisam ser atendidos. Esses pleitos vão refletir diretamente no fortalecimento do comércio de lá que, apesar de depender e lucrar com o consumo de veranistas, tem plenas condições de se manter ao longo do ano. Ainda são os moradores  que sustentam o comércio de lá, que vem crescendo a cada dia independente do verão, e essa população merece receber essas melhorias”, finalizou o secretário.

 

Por Roze Martins

(Especial para o DIÁRIO DO VALE)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

10 comentários

  1. Primeira coisa a fazer é ver onde os moradores trabalham, se têm outras fontes de renda (aposentadorias, pensões e auxílios diversos), onde buscam por prestação de serviços em geral e onde estudam… Adianta nada emancipar pra continuar sendo uma cidade-dormitório tipo Pinheiral, dependente de outra para fazer movimento pendular e com baixo poder de arrecadação, além de passar a pagar tarifa de ônibus intermunicipal, fora da alçada da prefeitura…

    Comércio não se alimenta por si só, precisa do setor produtivo (agropecuária, extrativismo/pesca, prestação de serviços/turismo, indústria e outras fontes geradoras de divisas). Se o cara é demitido de seu emprego em outra cidade, devido aos custos mais caros com vale-transporte, ele não movimentará o comércio de sua localidade…

  2. Um bairro grande que já deveria ter hospital já que se fato tem.um comércio forte então tem uma arrecadação.
    Precisa urgente de mais policiamento e a guarda municipal é apática, motociclistas andam alterados e não fazem nada

  3. Que pena que o bairro cresceu sem um planejamento urbano…a Prefeitura não fez sua parte..quando do loteamento.

    Já era para ter um trevo…bem seguro..com passagem abaixo da rodovia 101..

    Vc entra no bairro….e pra sair….

    Mas a esperança é a última que morre…

    Acorde prefeitura….Mambucaba pode virar filho emancipado….

  4. a verdade que com a distancia pro centro é uma regiao que se vira como pode. Tem praticamente tudo. Se tivesse um pouco mais de estrutura a populaçao nem iria precisar ir a angra pra resolver alguns assuntos. Apesar de todo o preconceito vale a pena ter um imovel nesse local.

  5. agafjgjjkWantuil fortes Silvério

    Por outro lado , vejo esta transferência como articulaçães política para evitar, uma futura divergência entre Perequê e Mambucaba , numa futura instalação da Prefeitura local.ou Perequê ou Mambucaba .

  6. agafjgjjkWantuil fortes Silvério

    Vc sabe o porque da transferência de Perequê para parque Mambucaba . Está rolando nos bastidores ,uma preparação com finalidade de unir forças , Em uma futura Emancipação política de Mambucaba . Que na verdade tem receita suficiente para se manter. Vc sabia que à usina nuclear pertence à Mambucaba ? E não ao Frade, Coitado do Frade está ferrado, como Pinheiral.Pinheiral hoje vive de pires na mão.Ai população do Frade, À união faz à força . Pessoal do Frade não dá mole ,Se na fusão com Mambucaba para futura Emancipação .

  7. Se farofeiro vira “turista”, que mal tem Perequê virar Jardim Mambucaba?

  8. É bem escroto mudar nomes de locais já estabelecidos e conhecidos pelo sua nomenclatura original! Ao menos que haja alguma justificativa bem plausível pra isso!

    O nome é PEREQUÊ, e sempre será!

    Parque Mambucaba é uma tentativa de gourmetização do local.. tentativa injustificável!

    Em VR tb temos exemplos.. 207 sempre será 207, e não Rua Carlos Chagas.. Rua 4 sempre será Rua 4, e não Rua Nossa Senhora da Conceição!!

    Tem muita coisa mais importante pra político fazer!

  9. Parque Mambucaba tem também comércio forte de drogas, infelizmente.

Untitled Document