segunda-feira, 15 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Roda de conversa marca encerramento da 20ª Flumisul

Roda de conversa marca encerramento da 20ª Flumisul

Matéria publicada em 8 de agosto de 2018, 10:16 horas

 


Organização e expositores traçaram planos para realização da feria de negócios em 2019

Barra Mansa – Após cinco dias, chegou ao fim na noite de segunda-feira, dia 6, a 20ª edição da Flumisul (Feira de Negócios do Sul Fluminense), realizada no Parque da Cidade Natanael Geremias, em Barra Mansa. Organizada pela prefeitura, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação, o evento reuniu milhares de pessoas e cerca de 200 expositores de variados setores como indústria, tecnologia, educação, shopping mix, espaço Sesc, Agro BM, Expo Noivas & Eventos e artesanato. Em seu encerramento, organização e expositores traçaram planos para a próxima edição da Feira de Negócios numa roda de conversa mediada pelos integrantes do Rio Sul Valley.

O prefeito Rodrigo Drable destacou o sucesso da feira e a oportunidade de novos negócios.

-Foi uma grande chance de Barra Mansa fazer bons negócios, mas principalmente, de celebrar e reunir a família, mostrando que o município tem capacidade de reação e que podemos ser a cidade que nós desejamos. Através da união entre os organizadores e expositores que aceitaram o desafio de expor durante essa edição, mostrando que não existe obstáculo que não será vencido quando o grupo está unido. Meu desejo é que os contatos feitos durante essa edição se transformem em desenvolvimento para o município e região – declarou.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agnaldo Raymundo, foi uma feira diferente, não só pela quantidade de dias, mas pelas experiências realizadas no evento.

-Nós sentimos que foi uma Flumisul de união entre os expositores, organização e público, que compareceu de forma surpreendente, superando as nossas expectativas – disse.

Agnaldo acredita que o formato da feira este ano, considerado maior do que o ano anterior, com seis áreas e a praça de alimentação montada sob o pavilhão principal do Parque da Cidade contribuiu para o sucesso da edição.

– Com essa nova visão, a Flumisul deixa de ser exclusivamente só de negócios e passa a ser uma feira completa com estandes para todos os públicos, seja para quem gosta de entretenimento, conhecimento e cultura, ou para quem deseja fazer negócios com empresas e indústrias, ou quer apostar no agronegócio. A Flumisul hoje em dia chama a atenção de todas as classes sociais e não só dos empresários – analisou o secretário.

A Flumisul integra o calendário oficial de eventos do Governo do Estado. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas aponta que o impacto econômico da Feira gerado em um ano chega a R$ 31,32 milhões. As rodadas de negócios e as oportunidades de intercâmbio entre as empresas e empreendedores presentes no local foram o ponto forte do evento.

– Nós já tivemos ciência de uma empresa que fechou contrato da ordem de R$ 800 mil durante essa edição da Flumisul. Outra empresa de seguros também colheu mais de três mil propostas, que posteriormente, podem ser revertidas em novos negócios fechados e que impactam positivamente na economia não só de Barra Mansa, como da região Sul Fluminense- afirmou.

O secretário também destacou que, ao longo da feira, muitos negócios foram efetuados através de empresários que foram em busca de novos empreendedores e sócios.

– É importante ressaltar que um negócio não é fechado de um dia para o outro. Há muita conversa, conciliação e debate sobre parcerias. A Flumisul é uma ótima oportunidade para que empresas e prestadores de serviços estejam juntos discutindo soluções para girar a economia do município gerando mais trabalho e renda – ressaltou.

A geração de emprego foi um dos temas bastante discutidos durante as rodadas de negócios na Flumisul. Apesar de Barra Mansa ter tido o melhor 1º semestre da região no número de empregos com saldo positivo de 412 vagas, o secretário admite que o número ainda não é o suficiente, mas já é um avanço em vista dos anos anteriores.

– É importante destacarmos que o saldo positivo não significa que não existem desempregados, mas reflete que mais pessoas foram admitidas do que demitidas. Ainda não estamos no plano ideal, mas isso representa um fôlego na economia. Na Flumisul, por exemplo, mais de mil pessoas estiveram trabalhando durante os cinco dias. Só de empregos temporários foram cerca de 150. Com essa visibilidade que a feira proporciona, há grandes chances de essas vagas temporárias serem permanentes futuramente – afirmou.

 

DE OLHO NO FUTURO

 

A organização da Flumisul já planeja a edição de 2019. A vigésima edição terminou com uma roda de conversa entre os expositores mediada pelos integrantes do Rio Sul Valley, que tem seu público voltado para startups e oferece serviços de tutoria a novos empreendedores. Durante o debate de ideias, os empresários puderam destacar os pontos positivos desta edição e o que precisa ser aprimorado para o ano que vem.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Agnaldo Raymundo, destacou que nessa edição as palestras e oficinas foram um diferencial. “Para o ano que vem queremos que mais empresas apostem nesse tipo de atividade como forma de atrair os jovens empreendedores. Uma pesquisa realizada pelo Banco Mundial revelou que um em cada quatro jovens, de 15 a 17 anos, abandona os estudos anualmente. É importante evitar a evasão escolar e despertar nesses jovens a vontade de estudar, crescer profissionalmente e socialmente. Só a Educação pode salvar o nosso país, e fomentar o empreendedorismo é o caminho para alcançar esse objetivo”, completou.

As propostas levantadas durante a discussão serão estudadas pelos integrantes do Rio Sul Valley, que buscarão soluções e propostas para ser implementadas em 2019.

-Esse momento de ouvir o que o expositor tem a falar é muito importante entre as feiras e a Flumisul sai na frente quando termina uma edição planejando a próxima. O propósito aqui é que a Flumisul seja sempre uma ponte de crescimento e traga uma satisfação não só para o morador, visitante ou turista, mas que atenda as expectativas e necessidades dos expositores – concluiu o integrante do Rio Sul Valley, Gustavo Kengen.

 

Feira de negócios aconteceu no Parque da Cidade e Barra Mansa e reuniu empresários de toda a região
Credito: (Chico de Assis, PMBM)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Foi a mesma mesmice de todos os anos, nada mudou para melhor e sim, somente para pior. Só para se ter uma ideia, nos banheiros faltou limpeza porque não ti ha água, isso mesmo, água para se fazer limpeza. O zelador do banheiro, andava de um lado a outro com um balde de 15 litros na mão recolhendo água para levar ao banheiro. Os acessos extremamentes ruins, emburacados e sem indicaçao de onde o publico deveria seguir para se chegar a um determinado local. Na verdade, lá se tornou um local para se vender carros velhos e usados, nada alem disso. Barra mansa continua a mesma, sempre desorganizada em tudo, desde as divisas com Volta Redonda. Eta Barra Mansa, poderia fechar as portas e passar para Volta Redonda que esta menos pior.

Untitled Document