segunda-feira, 23 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Rodovias da região estão na mira de concessões, aponta estudo da Firjan

Rodovias da região estão na mira de concessões, aponta estudo da Firjan

Matéria publicada em 17 de junho de 2019, 23:09 horas

 


Pesquisa mostra que RJ-127, RJ-145 e RJ-155 têm potencial de receber até R$ 6,8 bilhões via concessões e Parcerias Público Privadas (PPPs)

Antônio Carlos Vilela vê oportunidades de concessões de estradas na região

Volta Redonda – A Região Sul Fluminense apresenta um potencial de R$ 8,3 bilhões em investimentos via concessões e Parcerias Público Privadas (PPPs). O valor foi divulgado em estudo realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) e tem como destaque oportunidades nas principais rodovias que cortam a região. Também há investimentos previstos em setores como Resíduos Sólidos, Iluminação Pública e Água e Esgoto. O estado do Rio tem potencial de R$ 54,8 bilhões distribuídos em 142 oportunidades.

Na região, a pesquisa da Firjan verificou que 80% de todo o potencial – o equivalente a R$ 6,8 bilhões – está focado em rodovias que necessitam de obras : RJ-127, RJ-145 e RJ-155. A possibilidade de melhoria dessas estradas é vista com entusiasmo pelo empresário e presidente da Firjan Sul Fluminense, Antônio Carlos Vilela.

— Torço muito para que essas concessões sejam aprovadas. Além de representar uma alavanca para o desenvolvimento econômico da região, o movimento de ampliar a infraestrutura dessas vias onde o PIB do Estado passa traz recursos e incentivos para que novos negócios se instalem por aqui — diz Vilela.

Envolvido com a demanda de empresários locais, Vilela ressalta que a melhoria da Rodovia Presidente Getúlio Vargas (RJ-155) com acesso a municípios como Angra dos Reis e Barra Mansa impactam na economia. Entre os principais problemas da estrada hoje estão buracos, falta de sinalização e acostamento.

— O Estado não terá condições financeiras de fazer isso tão cedo, então ficamos na torcida para que essas concessões aconteçam e, futuramente, revertam em novos empreendimentos aqui no Sul — afirma.

Além da possível injeção de recursos nas rodovias, os municípios que devem ser contemplados com investimentos em Resíduos Sólidos, Água e Esgoto, Iluminação Pública e Unidades de Educação Infantil são Angra dos Reis, Barra do Piraí, Barra Mansa, Pinheiral, Itatiaia, Mendes, Paraty, Piraí, Porto Real, Resende, Rio Claro, Volta Redonda, Valença e Vassouras.

 

No estado

 

Conforme o estudo de oportunidades para concessões e PPPs, no estado quatro setores consolidados (ou seja, já extensamente explorados pela iniciativa privada no Brasil) podem gerar investimentos para o estado e municípios: Rodovias (R$ 23,4 bi), Resíduos Sólidos (R$ 18,2 bi), Água e Esgoto (R$ 7,6 bi) e Iluminação Pública (R$ 1,4 bi).

Há oportunidade também em duas áreas consideradas tendências: Unidades de Educação Infantil (R$ 2,2 bi) e Sistema Prisional (R$ 2,1 bi). Esses setores vem sendo estudados pelo poder público fluminense e pode estar no radar de investidores e sociedade, dado o seu potencial de investimentos e melhoria de prestação de serviços.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

6 comentários

  1. Avatar

    gente nao vai demorar muito para esses politicos arrumarem um jeito de cobrar pelo ar que respiramos

  2. Avatar

    Eles só vão pintar as faixas da estrada e colocar pedágio, como faz muito bem a CCR e fez muito a antiga ACCIONA. Mexer com os proprietários para alargar a estrada nem passa pela cabeça dos empresários.

    Se for só para pintar , então o governo pode fazer isso muito bem. Basta os eleitores quererem e não votarem em POLITIQUEIROS que falem a palavrinha mágica PROMETO.

    Quem fala em privatizar e que os empresários vão duplicar as estradas precisam estudar mais.

  3. Avatar

    No papel é ótima, mas na prática seria inviável. A maioria dessas vias não têm tráfego suficiente para gerar caixa para uma empresa privada, ainda mais que não há o fluxo de caminhões de uma BR… Teriam que extorquir os pobre assalariados que se aventurassem a ir de uma cidade a outra TODOS OS DIAS, pois o movimento dessas rodovias é majoritariamente pendular, não têm o fluxo diversificado e eventual de uma Dutra ou Lúcio Meira, onde muitos dos passantes só transitam pelas cancelas vez ou outra, pois há muito tráfego de longa distância, fazendo com que pese menos no bolso das pessoas…

    Seria o mesmo que colocar pedágio na Pinheiral x Volta Redonda ou na Volta Redonda x Amparo. Não tem lógica nem razão plausível…

    • Avatar

      O Estado quer delegar sua responsabilidade através de uma concessão a empresas privadas
      ..para arrecadar e nada investir em nossa região. O imposto terá redução? Duvido…
      Sou contra pq vai sobrar para o povo do Sul Fluminense e Costa Verde pagar e arcar mais uma vez com a ganância e irresponsábilidade de Governantes…já estamos largados e esquecidos a tempo pelo Estado do Rio.

      Sou a favor de voltar ao passado e desvincular da Região metropolitana e Capital….voltando a formar outro Estado longe dos ralos como (Maracanã..VLT..metro..trem..zona Sul…barra..BRT)

      Temos que acordar enquanto há tempo…pois continuaremos sendo estorquidos. Nossa região sobrevive com suas próprias pernas.

  4. Avatar
    Fernando josé da silva

    Realmente seria òtimo essas estradas citadas serem Urgentemente Privatizadas! Esta um Perigo diário trafegar nessas rodovias, e nossa região é muito Ruim de acessos por causa do mau estado de conservação das atuais estradas!

    • Avatar

      Se a privatização fosse a solução de tudo a ACCIONA não teria entregado a concessão da Lúcio Meira. Já se passaram 10 anos de concessão e até agora o povo do Bairro de Fátima, Morada do Vale, Cerâmica, em geral do complexo da califórnia não tem um trevo para entrar e sair do bairro. São Luiz e Dom Bosco que são bairros de Volta Redonda estão tudo na mesma paçoca…
      Privatização da RJ 155, RJ 127 e RJ 145 é fora de cogitação. Não tem fluxo!

Untitled Document