sábado, 20 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Sindicato realiza ato em defesa da Caixa 100% pública

Sindicato realiza ato em defesa da Caixa 100% pública

Matéria publicada em 7 de dezembro de 2017, 17:51 horas

 


Possível negociação da Caixa Econômica é tema de protesto dos bancários

Possível negociação da Caixa Econômica é tema de protesto dos bancários


Sul Fluminense – 
O Sindicato dos Bancários do Sul Fluminense realizou nesta quinta-feira (7), um ato em defesa da Caixa 100% pública, nas agências de Barra Mansa, Barra do Piraí, Porto Real e Volta Redonda. O movimento teve o objetivo de chamar a atenção para as medidas adotadas pelo governo de Michel Temer (PMDB) com vistas à privatização da CEF.

A mobilização foi motivada por uma reunião do Conselho de Administração do banco, prevista para ocorrer em Brasília, onde existe a expectativa de apreciação na mudança do estatuto com o intuito de transformá-lo em uma Sociedade Anônima.

O ato também foi realizado em várias localidades do país, com a distribuição de informativos sobre a questão. Na avaliação do presidente do Sindicato, Péricles Lameira, o movimento foi extremamente positivo. “Estamos alertando a população e a categoria bancária que a abertura do capital da CEF só interessa ao mercado especulativo. É válido lembrar que a Caixa é o maior agente federal de fomento de políticas públicas. É o banco que desempenha papel social como nenhuma outra instituição financeira, atende a população menos favorecida economicamente, com foco principalmente no financiamento de habitações populares, além de adotar políticas anticíclicas, como redução do spread bancário e liberação de crédito, quando os demais bancos fecham seus cofres”, disse Cabral, ressaltando que os bancos públicos são fundamentais porque têm funções que vão além do lucro.

A Caixa é o banco da habitação. Graças a ela, milhões de brasileiros realizam o sonho da casa própria todos os anos. Só por meio do programa Minha Casa Minha Vida, que é operado pela Caixa, mais de 2,6 milhões de famílias foram beneficiadas desde 2009. São quase R$ 300 bilhões investidos, o que possibilitou, nesses oito anos, a entrega de 1.200 moradias por dia e a geração de 1,2 milhão de empregos.  Em relação ao FGTS, a Caixa também é fundamental. Ela administra hoje recursos da ordem de R$ 490 bilhões e realiza mil pagamentos a cada 10 minutos.

Mais de quatro mil cidades já tiveram obras financiadas com recursos do FGTS. Mas a Caixa é também o banco dos programas sociais, do saneamento básico, da poupança, do esporte, da cultura, das Loterias, dos municípios. Propostas de privatização já foram derrotadas no passado. Foi assim entre 1995 e 2002, quando diversas empresas públicas foram preparadas para se tornar espaços de obtenção de lucro.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. É bom para o povo a não privatização, pois Geddel Vieira Lima, gente do povo, foi colocado na CEF pelas mãos da gerentona Dilma Vana Roussef e conseguiu ficar rico lá dentro da Caixa…
    Por isso que o PSol é contra a privatização, pois com a privatização gente como Geddel não vai mais poder colocar a mão no dinheiro do Banco!!!!

Untitled Document