domingo, 16 de junho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Taxa de juros aumenta pela sexta vez seguida e vai a 13,75% ao ano

Taxa de juros aumenta pela sexta vez seguida e vai a 13,75% ao ano

Matéria publicada em 3 de junho de 2015, 20:25 horas

 


Brasília  – Pela sexta vez seguida, o Banco Central (BC) reajustou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou nesta quarta-feira (03)  a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 13,75% ao ano. Na reunião anterior, no fim de abril, a taxa também tinha sido reajustada em 0,5 ponto.
Com o reajuste, a Selic retorna ao nível de janeiro de 2009, quando também estava em 13,75% ao ano. A taxa é o principal instrumento do BC para manter a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sob controle.

Oficialmente, o Conselho Monetário Nacional estabelece meta de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. No entanto, ao anunciar o contingenciamento do Orçamento de 2015, o governo estimou que o IPCA encerre o ano em 8,26%.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula 8,17% nos 12 meses terminados em abril. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, o IPCA encerrará 2015 em 8,39%. Este ano, a inflação está sendo pressionada pelos aumentos de preços administrados como energia e combustíveis.

Embora ajude no controle dos preços, o aumento da taxa Selic prejudica a economia, que atravessa um ano de recessão, com queda na produção e no consumo. De acordo com o boletim Focus, analistas econômicos projetam contração de 1,27% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2015.
A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. Avatar

    E lá vem mais aumentos de juros.

    Cortar os gastos do governo, nada! Só aumento de impostos e tarifas para o cidadão.

  2. Avatar

    Parabéns PT e Dilma, conseguiram arrebentar com o país ! Juros altos, inflação e desemprego altos ! Continue votando 13 !

  3. Avatar

    é muita roubalheira no pais ,muitas obras super faturadas ,desvios de verbas publicas, deve existir algum cartel nos hospitais que compram equipamentos e medicamentos pelo dobro do preço , o brasil por exemplo vende o barril de petroleo pra fora do pais por um preço e importa por um preço 3 vezes maior ! É um tiro no pé . se todo o processo fosse feito aki mesmo no brasil pagariamos 1 real no litro da gazolina talvez RS 1,50 .

    • Avatar

      Meu caro, o petróleo que o Brasil produz só serve para lubrificantes. O Brasil precisa importar gasolina porque nossas únicas duas refinarias não conseguem produzir a gasolina ALTAMENTE POLUENTE para abastecer os carros dos RIQUINHOS que gostam de POLUIR O NOSSO MEIO AMBIENTE.

      Os RIQUINHOS (brasileiros americanizados doutrinados a Zumbis ou amebas) não gostam de utilizar o Etanol ou GNV que são genuinamente brasileiros.

  4. Avatar

    Os petistas e simpatizantes dos bandeiras vermelhas devem estar rindo à toa.

Untitled Document