quinta-feira, 20 de janeiro de 2022 - 08:32 h

TEMPO REAL

 

Capa / Educação / Para professores do MEP, matemática e ciência da natureza exigiram mais conteúdos no 2º dia do Enem

Para professores do MEP, matemática e ciência da natureza exigiram mais conteúdos no 2º dia do Enem

Matéria publicada em 29 de novembro de 2021, 16:38 horas

 


Volta Redonda- As 90 questões de matemática e ciências da natureza, do 2º dia do Enem(Exame Nacional do Ensino Médio 2021), segundo os professores do Pré-Vestibular Cidadão(PVC) foram mais exigentes nos conteúdos. Para os educadores voluntários do MEP, houve predominância da exigência de saberes baseados em conteúdos nas questões. Os professores do MEP apontaram também, certa ausência de interdisciplinaridade e raciocínio analítico nas questões.

“Achei a prova bem parecida com as dos anos anteriores, das 12 questões, somente duas que envolveram cálculos mais aprofundados. A primeira, estequiometria, já era esperado, a segunda com questões de química orgânica, pontuando o reconhecimento de funções, de nomenclatura e estrutura de cadeias carbônicas. Já inorgânica: separação de misturas, pH, reação de oxirredução, notei, foram bem mais tranquilas, questões claras e objetivas. Embora arrisque em afirmar- Não notei interdisciplinaridade nas questões, a exemplo dos anos anteriores (ex. química e biologia). Infelizmente eu não consegui estudar junto com alunos todos conteúdos programados, mas acredito que eles foram bem, a leitura atenta dos enunciados e os conhecimentos adquiridos ao longo do curso garantiram”, analisou a Ana Carla Ribeiro, professora de química orgânica e inorgânica no PVC.

Já o professor de física do Pré-Vestibular Cidadão, Paulo Vítor, ressaltou que a prova estava bem condizente com as anteriores, tendo questões de diversos assuntos da física. “Assim como nas provas anteriores, houve questões teóricas e questões que necessitavam de cálculos. Senti falta de mais questões da física no cotidiano. Acredito que nossos alunos tenham se saído bem”, Comentou Paulo Vitor.

De acordo com Adriana Borges, professora de matemática no PVC do MEP, e que conseguiu dar uma olhada bem superficial nas questões, achou a prova bem trabalhosa. “Fico feliz que foram assuntos que discutimos com nossos alunos em sala, porém a um nível mais elevado, quase que dedutivo. Não teve muitos cálculos e nem a necessidade de uso de formulários”, sinalizou a professora Adriana Borges.

O professor de matemática e da equipe pedagógica no PVC, Paulo Ricardo Cardoso, é da opinião que as questões de matemática tiveram mais conteúdos, diferentes das dos anos anteriores, focadas mais na interpretação de fenômenos e situações problemas. “A exigência de mais cálculos de análise ficou clara, embora nada fora da normalidade para resolução dos problemas. Mudou um pouco o estilo, nada de anormal”, analisou Paulo Ricardo.

A professora de biologia e da equipe pedagógica do MEP, Saritha Montrezor, analisou, embora de forma superficial, que a parte de biologia não fugiu ao padrão. “Notei apenas uma questão mais exigente, porém o conjunto de conteúdos foi bem distribuído. Notei também que as questões ambientais estavam presentes, porém sem predominância, aliás, mudanças que iniciaram desde 2017”, destacou a professora de biologia.

Encontro dos estudantes de forma presencial

Pela primeira vez os estudantes e professores do Pré-Vestibular Cidadão se verão ‘face a face’, de forma presencial. No próximo sábado, dia 4, às 15h30, será realizado na Praça da Igreja Santo Antônio, ao lado da sala do MEP, um piquenique educacional com estudantes e professores. “Será muito importante, nós somos um corpo, e é muito importante conhecer os colegas e os professores, presencialmente, e agradecer por tudo que fizemos juntos”, Comentou Larissa Brandão, aluna articuladora do encontro.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document