segunda-feira, 19 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / Abel Braga coleciona problemas para escalar o Fluminense

Abel Braga coleciona problemas para escalar o Fluminense

Matéria publicada em 12 de junho de 2017, 17:15 horas

 


Desfalques: Abel Braga terá de quebrar a cabeça para acertar a equipe

Desfalques: Abel Braga terá de quebrar a cabeça para acertar a equipe

Rio – O Fluminense iniciou bem o Campeonato Brasileiro, mas viu o rendimento da equipe diminuir na última semana. O técnico Abel Braga tem sofrido com os desfalques, que vão permanecer tendo para a partida contra o Grêmio, nesta quinta-feira, no Maracanã.

Ao todo, os tricolores contabilizam nove desfalques: os zagueiros Gum e Renato Chaves, os volantes Douglas, Luiz Fernando, Pierre e Orejuela; o lateral direito Renato; o meia Sornoza; e o atacante Wellington Silva. De todos, somente Orejuela não está lesionado, pois está com a seleção equatoriana.

Abel Braga já falou que não vem tendo peças de reposição e isso tem sido refletido no banco de reservas durante os jogos.

– O negócio está ficando curto. Podem ter 23 no banco, e tenho levado 20. Daqui a pouco, vou estar com 18, 17, 16 – disse.

A boa notícia será o retorno do atacante Richarlison, que pediu para ficar de fora do duelo contra o Plameiras por ter recebido uma proposta dos paulistas. No entanto, a diretoria tricolor se irritou com a postura do atleta e encerrou a negociação. O camisa 70 foi reintegrado ao elenco e pediu desculpas pelo ocorrido no fim de semana.

O caso, porém, não parece decidido ainda, e o jogador usou as redes sociais para desabafar nesta segunda-feira. Richarlison confirmou que recebeu uma proposta irrecusável do Palmeiras, justificou seu pedido para não entrar em campo no último sábado na partida contra o verdão, e ainda se defendeu das críticas.

“Na última semana, eu recebi uma proposta praticamente irrecusável do Palmeiras, tanto do ponto de vista profissional quanto financeiro. Até onde soube, se tratava da maior transação interna entre clubes do Brasil em termos de valores”, revelou o jogador, para em seguida explicar sua atitude.

“Fora tudo isso, que já seria o suficiente para mexer com qualquer um, é sabido por todos no clube que venho jogando com um problema no tornozelo há algum tempo, tomando remédios para dor, e ainda tenho uma lesão no cotovelo, que inclusive tenho precisado de uma proteção para poder jogar.

Todo o burburinho e o fato de não estar 100% fisicamente me deixaram inseguro para entrar em campo. Por isso, conversei com os meus empresários e eles me orientaram a me abrir com o professor Abel. Foi isso que fiz e ele me entendeu. Ele me disse que já foi jogador, sabe como são essas coisas e aceitou o meu pedido de não jogar contra o Palmeiras, pois eu estava receoso de que pudesse atrapalhar o desempenho do time.”

Richarlison não poupou os que criticaram sua atitude: “Aos que dizem que sou pouco profissional, provavelmente não saibam das minhas condições físicas. Talvez também não saibam que, no início do ano, abri mão das férias que teria direito para ajudar a equipe; que nesse tempo joguei ao menos cinco partidas em dias que poderia muito bem estar descansando e curtindo a minha família; ou mesmo que em momento algum bati o pé, mesmo com uma proposta tão boa, exigindo a minha saída”, desabafou.

O atleta não deu o assunto por encerrado, mas garantiu que qualquer que seja seu futuro, honrará a camisa do clube que defender.

“Não sei o que vai acontecer a partir de agora. Se a negociação acontecer, vou motivado para buscar meu espaço em um outro grande clube, com a chance de disputar uma Libertadores. Se ficar, fico feliz e continuarei fazendo o meu melhor, como sempre fiz, dando a vida pelo Fluminense dentro de campo e buscando fazer história por aqui.”

Também nesta segunda-feira, o gerente de futebol do Fluminense, o ex-zagueiro Alexandre Torres, concedeu entrevista coletiva, e insinuou que há influência dos representantes de Richarlison nos acontecimentos dos últimos dias.

“Richarlison é jogador do Fluminense, titular, faz boa temporada e ao meu ver não havia motivo para essa confusão. Se ele tem proposta de outro clube, o dever é entrar em campo e jogar. Ninguém daqui acredita que isso veio dele, não faz parte da índole dele. Ele recebeu orientação de outras pessoas e fez isso. A gente lamenta. É um jovem, a gente conta com ele,” afirmou o dirigente.

Torres não descartou uma negociação pelo jogador, mas disse que, no momento, as conversas com p Palmeiras estão encerradas.

“Todo contrato tem multa. A dele é muito alta e não sei se alguém pode pagar. Qualquer jogador é negociável. Até Messi e Cristiano Ronaldo recebem propostas, valores absurdos. Se chegar uma proposta que seja realmente vantajosa para o clube, a gente pode ouvir,” admitiu para depois completar sobre o caso Palmeiras.

“Depois do que aconteceu semana passada, está encerrado. O próprio presidente já deu como encerrada. Se chegar nova proposta, não sou eu que vou dizer que não dá para aceitar. Não existe mais jogador inegociável. Mas só serão negociados jogadores que o clube entender que a proposta é realmente vantajosa,” finalizou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document