CBF tira nome de José Maria Marin de sede no Rio - Diário do Vale
quinta-feira, 23 de setembro de 2021 - 09:11 h

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / CBF tira nome de José Maria Marin de sede no Rio

CBF tira nome de José Maria Marin de sede no Rio

Matéria publicada em 28 de maio de 2015, 16:10 horas

 


Inclusão do nome na fachada havia sido uma determinação do próprio ex-presidente da entidade

Cadeia: Marin está preso após envolvimento em escândalo de corrupção (Foto:Divulgação)

Cadeia: Marin está preso após envolvimento em escândalo de corrupção (Foto:Divulgação)

Rio – A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) retirou o nome de José Maria Marin da fachada de sua sede no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira. Ele foi preso na quarta ao lado de outros seis dirigentes da Fifa como resultado de uma investigação do FBI sobre corrupção em acordos de marketing, venda de direitos de transmissão de eventos e na escolha de sedes da Copa do Mundo.

Marin, que dava nome à sede da CBF inaugurada no último ano quando ele era presidente da entidade nacional, foi banido provisoriamente da Fifa, assim como os outros presos. Na noite de quarta-feira, a CBF divulgou uma nota informando que ele também estava de afastado seu quadro diretivo até a conclusão do processo na justiça norte-americana.

Além de Marin, foram presos o presidente da Concacaf e vice-presidente da Fifa, Jeffrey Webb; o presidente da Federação da Costa Rica, Eduardo Li; ex-funcionário da Federação da Nicarágua, Julio Rocha; o ex-vice presidente da Conmebol e antigo mandatário da Federação Uruguaia, Eugenio Figueredo; o presidente da Federação Venezuelana de Futebol, Rafael Esquivel; e o ex-dirigente da Federação das Ilhas Cayman Costas Takkas.

De acordo com o New York Times, estes dirigentes estão envolvidos em casos de suborno e corrupção desde 1990 que somam US$ 150 milhões em território norte-americano. Por isso, o FBI conduziu a investigação, e as autoridades suíças realizaram as prisões em um hotel de Zurique, a pedido do Departamento de Justiça norte-americano, e extraditarão os detidos aos Estados Unidos.
No total, 14 pessoas foram indiciadas no caso. Os outros são Jack Warner, ex-presidente da Concacaf, Nicolás Leoz, ex-presidente da Conmebol, e os empresários Aaron Davidson, Alejandro Burzaco, Hugo e Marianko Jinkis e José Margulies.

PRESIDENTE DA TRAFFIC: Dando sequência às investigações de corrupção que levaram à prisão de sete cartolas e empresários ligados à Fifa na quarta-feira, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos baniu provisoriamente o empresário Aaron Davidson de qualquer atividade relacionada ao futebol, em nível nacional e internacional.

A decisão foi tomada pelo Dr. Cornel Borbély, presidente da câmara de investigação do Comitê de Ética da Fifa. Davidson é presidente da Traffic Sports, empresa responsável por promover eventos de futebol, além de ser presidente do conselho da North American Soccer League, torneio secundário nos Estados Unidos.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document