Copa 2022: Blatter acusa políticos de intervirem na escolha do Catar - Diário do Vale
quarta-feira, 22 de setembro de 2021 - 11:46 h

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / Copa 2022: Blatter acusa políticos de intervirem na escolha do Catar

Copa 2022: Blatter acusa políticos de intervirem na escolha do Catar

Matéria publicada em 5 de julho de 2015, 14:46 horas

 


Hipóteses: Blatter pode voltar atrás e permanecer no comando da Fifa (Foto: Divulgação)

 Joseph Blatter, acusou os ex-presidentes da França e da Alemanha, Nicolas Sarkozy e Christian Wulff, de exercerem pressão política (Foto: Divulgação)

Berlim – A novela da suspeita de corrupção nas escolhas das sedes da Copa do Mundo ganhou mais um capítulo na manhã deste domingo. Em entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, acusou os ex-presidentes da França e da Alemanha, Nicolas Sarkozy e Christian Wulff, de exercerem pressão política sobre os representantes de seus países com voto na entidade máxima do futebol para que o Catar fosse escolhido como sede do Mundial 2022.

– Houve duas intervenções políticas. Sarkozy e Wulff tentaram influenciar os votos dos delegados. É por isso que agora teremos a Copa do Mundo no Catar. Aqueles que tomaram essa decisão precisam assumir as responsabilidades por isso. A maioria dos votos foi para o Catar e eu tive que aceitar – disse o suíço.
Chefe do Estado francês na época da votação, Sarkozy teria se reunido com seu compatriota Michel Platini, que tem direito ao voto na Fifa por presidir a Uefa. Platini admitiu o encontro com o ex-presidente e não escondeu que Sarkozy tinha interesses na escolha do país árabe, mas defendeu que o político jamais pediu que direcionasse seu voto.
Wulff teve uma conversa parecida com Theo Zwanziger, então presidente da Federação Alemã de Futebol, em que deixou claro o desejo de ver o Catar como sede. Porém, Theo disse que os interesses do ex-presidente não tiveram influência na escolha de seu voto. Blatter também acusa Wulff de tentar interferir no voto de Franz Beckenbauer. O presidente honorário do Bayern de Munique jamais revelou sua opção, mas o político negou envolvimento com a polêmica logo após sua renúncia, em 2012.
Para Blatter, os interesses econômicos de ex-governante alemão estão envolvidos diretamente com as empreiteiras nacionais que estão no Catar para a construção dos estádios e da infraestrutura necessária para receber o Mundial e exploram os operários.
– A Deutsche Bahn, a Hochtief e muitas outras empresas alemãs já tinham projetos em andamento no Catar antes mesmo do país ser indicado para sediar o Mundial e não fizeram nada para melhorar as condições de vida dos trabalhadores. Já a Fifa sempre lutou pela melhoria dessas condições – completou o presidente.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Cara, este negócio chamado futebol está cada dia mais pútrido e fétido. Na FIFA, o próprio numero 1 admite o mar de lama. Na CBF, Gilmar Rinaldi é a pessoa certa na máfia certa. O cara é ligado a empresários, e quando jogava nunca inspirou confiança em termos de caráter. Foi ele que ameaçou jogar a medalha fora no desembarque da selação em 1994, se a Polícia Federal e a Alfândega não liberassem as muambas milionárias que ele e alguns jogadores trouxeram de forma ilegal dos EUA. Botaram tanta pressão, Ricardo Teixeira por trás, que até demitiram os pobres coitados funcionários da Alfândega do Rio, que só estavam cumprindo suas obrigações.
    O Gilmar Rinaldi, é o “homem da máfia” sabe muito sobre os bastidores de 1998, na França; porque não revela de uma vez toda a verdade daquilo que sabe??? Esse é da mesma estirpe do Ricardo Teixeira, Del Nero e Marin…da mesma laia, farinha do mesmo saco!!! E a seleção na mão desses caras. Sabe o que vamos ganhar daqui para frente? O que o Boechat mandou o Malafaia procurar: ROLA.

Untitled Document