domingo, 23 de janeiro de 2022 - 03:48 h

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / Muros do Engenhão e da Sede do Botafogo são pichados com ameaças de morte

Muros do Engenhão e da Sede do Botafogo são pichados com ameaças de morte

Matéria publicada em 1 de dezembro de 2020, 17:50 horas

 


Rio de Janeiro – Os muros no entorno do Estádio Nilton Santos, conhecido como “Engenhão”, e de General Severiano amanheceram pichados com ameaças de morte a jogadores e dirigentes do Botafogo na terça-feira (01). Fotos que foram divulgadas nas redes sociais mostram a sede e o estádio com ameaças em caso de rebaixamento para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

O Botafogo está na penúltima colocação do Brasileirão com 20 pontos em 22 jogos. Até o momento são três vitórias, 11 empates e oito derrotas na competição. O próximo jogo será contra o Flamengo, sábado, no próprio Nilton Santos, pela 24ª rodada. A partida marcaria a reestreia de Eduardo Barroca no comando alvinegro, mas o técnico está com Covid-19 e não ficará à frente da equipe.

Últimos jogos

O Alvinegro realizou cinco partidas no mês de novembro e não conquistou nenhuma vitória. A primeira partida foi contra o Cuiabá, no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. A partida terminou em 0 a 0. A segunda partida foi contra o Bahia pelo Brasileirão, sendo derrotado por 1 a 0 fora de casa. Outra derrota foi registrada no Campeonato Brasileiro por 2 a 1 no Engenhão, assim como foi derrotado pelo Fortaleza (2 a 1) e pelo Atlético-MG (2 a 1).

Coleção de técnicos na temporada

Botafogo já teve quatro técnicos nesta temporada 2020: Alberto Valentim, Paulo Autuori, Bruno Lazaroni e Ramón Díaz.

Alberto Valentim já sofria com a impaciência da torcida desde o fim da última temporada. Incomodados com o rendimento do time, alvinegros pediram a demissão do treinador mesmo antes do primeiro jogo oficial em 2020. Ele foi demitido após a derrota do clube por 3 a 0 para o Fluminense, pela Taça Guanabara, no começo deste ano. Foi a segunda passagem de Alberto no clube, sendo que em 2018 foi campeão carioca com o Botafogo.

Paulo Autuori comandou o Alvinegro como técnico de fevereiro até 1º de outubro deste ano, quando foi demitido, após a derrota para o Bahia por 2 a 1 em jogo adiado pela primeira rodada do Brasileirão. Ao todo, o técnico esteve à frente do time em 23 partidas, com 13 empates, seis vitórias e quatro derrotas. Ele já foi campeão brasileiro com o próprio Botafogo, em 1995.

Bruno Lazaroni assumiu o Botafogo no mês de outubro e foi demitido antes de completar um mês como técnico, no dia 28. Lazaroni ficou a frente como técnico do Botafogo desde o dia 1º de outubro deste ano, um dia após a derrota para o Bahia. Desde então foram seis jogos, com duas vitórias, dois empates e duas derrotas. Ele saiu do cargo após a derrota de 1 a 0 perante o Cuiabá, no Engenhão, na noite de terça-feira (27), pela Copa do Brasil. O Botafogo ofereceu a oportunidade a profissional de permanecer no clube como integrante da Comissão Técnica.

Ramón Díaz, mesmo sem estrear como técnico do Botafogo, coleciona três derrotas em três jogos pelo clube. Um dia após ser anunciado, no início do mês, o treinador argentino viajou para o Paraguai, onde passou por uma operação. A alta do treinador que era prevista para esta semana foi adiada para 7 de dezembro porque o quadro de saúde é menos simples do que se pensava. Assim, a diretoria do Botafogo considerou que não haveria mais como esperar por causa da delicada situação na tabela de classificação.

O atual técnico é Eduardo Barroca, que deixou o Vitória, e voltou para o Botafogo. Ele já treinou o clube em 2019, ficando seis meses no cargo. Ao todo foram 10 vitórias, três empates e 14 derrotas, com 41% de aproveitamento. Barroca testou positivo para Covid-19 e por isso não comandará o Botafogo no próximo sábado, contra o Flamengo.

Campanha do clube em 2020 desagrada torcida
(Foto: Vítor Silva/Botafogo)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document