segunda-feira, 6 de dezembro de 2021 - 21:17 h

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / Para Dunga, Chile e Argentina são favoritos

Para Dunga, Chile e Argentina são favoritos

Matéria publicada em 11 de junho de 2015, 17:39 horas

 


Treinador da Seleção Brasileira coloca as duas seleções à frente de Brasil e Uruguai

Competitivo: Treinador da seleção avalia adversários e faz projeções sobre possibilidades do Brasil (Foto: Ar4quivo)

Competitivo: Treinador da seleção avalia adversários e faz projeções sobre possibilidades do Brasil (Foto: Arquivo)

Viamão, RS – Dunga evitou se empolgar demasiadamente com a décima vitória em dez jogos disputados desde o seu retorno à Seleção Brasileira. Após escutar vaias à equipe que bateu Honduras apenas por 1 a 0 na quarta-feira, no Beira-Rio, o técnico valorizou outros postulantes ao título da Copa América.

– Pelo que todos estão falando, Chile e Argentina são favoritos, sem dúvida. Depois, logo atrás, vêm outras seleções, como Brasil e Uruguai – avaliou Dunga, embora não tenha dado tanta importância à atuação apagada da Seleção no meio de semana.

Ele lembrou que a prioridade é o jogo de domingo contra o Peru, o primeiro pela Copa América.

– Chegamos à competição em um bom momento, mas será muito difícil. Todas as equipes cresceram, e os jogadores estão em final de temporada. Teremos três dias de recuperação entre um jogo e outro. Por isso, deveremos saber lidar com esse desgaste e dosar durante a competição – comentou.

A preocupação de Dunga não é apenas com o condicionamento físico da Seleção Brasileira. O comandante também pretende ajustar a pontaria dos seus atletas. Segundo ele, os erros de finalização motivaram o placar magro diante de Honduras.

– Precisamos aprimorar vários aspectos. Já somos um time muito competitivo, que toma poucos gols e cria oportunidades. Mas talvez precisemos melhorar um pouquinho as conclusões. O goleiro de Honduras teve os seus méritos em alguns lances. Em outros, faltou caprichar para definir – constatou.

A pontaria do Brasil está próxima de ser colocada à prova. “Em jogos importantes como os que teremos na Copa América, você às vezes tem uma ou duas chances para matar o jogo. É preciso definir”, cobrou Dunga, para em seguida emendar:

– Mas isso é só com trabalho, treinamento, e não há tanto tempo na Seleção. O torcedor tem que entender essa parte – ressalvou.

Daniel Alves foi bastante elogiado por Dunga em seu retorno à Seleção Brasileira após o fracasso na última Copa do Mundo. Chamado às pressas para a Copa América, suprindo o desfalque do lesionado Danilo, o lateral direito de 32 anos é um dos jogadores que contrariam o discurso de renovação apregoado pelo técnico.

– Não estamos carentes na lateral direita. Temos um jogador de 24 anos (Danilo, que tem 23) e um de 20 (Fabinho, de 21). Não posso… Tenho que contar com um imprevisto. Houve uma lesão, e aí você traz um atleta com rendimento constante, com experiência. Estaremos sempre bem servidos assim – argumentou Dunga.

Na vitória por 1 a 0 sobre Honduras, o lateral direito titular do Brasil foi Fabinho, que defende o francês Monaco. Embora esteja em vantagem na disputa para continuar na equipe durante a Copa América, ele agora ganhou a concorrência de um jogador recém-campeão da Liga dos Campeões e de contrato renovado com o Barcelona.

– O Daniel Alves já trabalhou conosco na outra Copa América (em 2007). É um atleta versátil, experiente, campeão. Alguns dos seus pontos positivos são a dinâmica e a bola parada. Tivemos algumas oportunidades assim contra Honduras. Isso faz a diferença e continuará sendo importante na Copa América – concluiu Dunga.

Outra opção para o setor é o zagueiro Marquinhos, que já foi improvisado ali no segundo tempo contra os hondurenhos.

– Estou à disposição. Venho trabalhando forte nos treinamentos para estar pronto. Já atuei algumas vezes no PSG no meio e na lateral – avisou o defensor revelado pelo Corinthians.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. É bom que o timeco deste Dunga entre logo pelo cano nesta Copa América, o anão seja demitido e tragam um técnico a altura da seleção. Guardiola é um bom nome.
    Estes carinhas protagonistas do Alemanha 7 x 1 Brasil na última Copa, aquela inesquecível vergonha, nunca, jamais, em tempo algum, poderiam vestir novamente a amarelinha. Deveriam baixar uma Lei Federal proibindo a convocação destas malas. Chega de zagueiros chorões, armandinhos e botinudos. E chega de se curvar a estes empresários, que visando apenas o famigerado dinheiro colocam quem eles querem na Seleção. Futebol está cada dia mais enfadonho…

Untitled Document