domingo, 18 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Ativista do Pussy Riot é internado com sinais de envenenamento

Ativista do Pussy Riot é internado com sinais de envenenamento

Matéria publicada em 13 de setembro de 2018, 11:00 horas

 


Moscou – O ativista do grupo punk Pussy Riot, Piotr Verzilov, foi internado na unidade de toxicologia do Hospital Clínico Bakhrushin de Moscou em estado “crítico” e com supostos sinais de envenenamento, denunciou hoje (13) o grupo em sua página no Facebook.

Ele é um dos quatro ativistas do Pussy Riot que invadiram o campo do estádio Luzhniki durante a final da Copa do Mundo entre França e Croácia, e um dos editores da plataforma independente de notícias Mediazona.

A companheira de Versilov, Veronika Nikulshina, disse ao jornal digital Meduza, dirigido por Verzilov, que ele “começou a perder a visão, a fala e a mobilidade”.

Seus amigos relataram que a mãe do ativista tentou visitá-lo no hospital na quarta-feira à tarde, mas os funcionários não permitiram, e “inclusive recusaram informar a ela o estado de saúde e o diagnóstico preliminar de Verzilov.”

“No hospital, disseram para a sua mãe que não tinham permissão para dar essa informação. Disseram-lhe que fosse embora e foram desrespeitosos. Falaram que ela não podia ficar ali e insistiram em que não podiam dar nenhum dado sobre seu filho até que ele mesmo assinasse a autorização”, relatou o Meduza.

Os amigos do ativista denunciaram que Verzilov não pode assinar nenhuma permissão no estado em que se encontra.

Perda da visão

Segundo sua companheira, Verzilov começou a se sentir mal pouco depois de uma audiência em um tribunal na terça-feira. Às seis da tarde, hora local, se deitou para descansar em casa e quando Nikulshina chegou duas horas depois, Verzilov “acordou e disse que estava começando a perder a visão”.

“Entre as oito e as dez seu estado piorou gradualmente. Primeiro foi a visão, depois sua capacidade de fala e depois a de movimento”, relatou Nikulshina ao Meduza.

“Quando chegaram os paramédicos, ele respondeu suas perguntas e afirmou que não tinha comido nada”, disse Nikulshina. “Foi então que seu estado piorou rapidamente e começou a convulsionar. No caminho do hospital, na ambulância, já estava balbuciando. Caiu em um estado meio inconsciente e deixou de responder e de me reconhecer”, continuou a companheira de Verzilov.

Segundo Veronika Nikulshina, os médicos não encontraram “nada de errado” inicialmente em seu diagnóstico preliminar, mas, por volta de uma da madrugada, “repentinamente transferiram Verzilov para a unidade de toxicologia do hospital”.

Os funcionários da unidade de saúde se negaram a dizer a Nikulshina que tinham diagnosticado que o ativista fora envenenado, alegando que ela era somente sua companheira e que, portanto, não tinha “nenhum direito” de ser informada sobre o resultado dos exames.

“O médico disse que seu estado era grave, mas que sua saúde começava a melhorar e ele já respondia seu nome”, finalizou Nikulshina.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Putin, como todo comunista, manda matar os opositores! Ele também mandou envenenar um ex-comunista que estava escondido na Inglaterra!
    O que dizer daqueles brasileiros que vão votar em comunistas aqui no Brasil?!
    Como diria o ex-Senador Mão Santa: “A ignorância é audaciosa!”…

Untitled Document