quinta-feira, 20 de setembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Ativista do Pussy Riot é internado com sinais de envenenamento

Ativista do Pussy Riot é internado com sinais de envenenamento

Matéria publicada em 13 de setembro de 2018, 11:00 horas

 


Moscou – O ativista do grupo punk Pussy Riot, Piotr Verzilov, foi internado na unidade de toxicologia do Hospital Clínico Bakhrushin de Moscou em estado “crítico” e com supostos sinais de envenenamento, denunciou hoje (13) o grupo em sua página no Facebook.

Ele é um dos quatro ativistas do Pussy Riot que invadiram o campo do estádio Luzhniki durante a final da Copa do Mundo entre França e Croácia, e um dos editores da plataforma independente de notícias Mediazona.

A companheira de Versilov, Veronika Nikulshina, disse ao jornal digital Meduza, dirigido por Verzilov, que ele “começou a perder a visão, a fala e a mobilidade”.

Seus amigos relataram que a mãe do ativista tentou visitá-lo no hospital na quarta-feira à tarde, mas os funcionários não permitiram, e “inclusive recusaram informar a ela o estado de saúde e o diagnóstico preliminar de Verzilov.”

“No hospital, disseram para a sua mãe que não tinham permissão para dar essa informação. Disseram-lhe que fosse embora e foram desrespeitosos. Falaram que ela não podia ficar ali e insistiram em que não podiam dar nenhum dado sobre seu filho até que ele mesmo assinasse a autorização”, relatou o Meduza.

Os amigos do ativista denunciaram que Verzilov não pode assinar nenhuma permissão no estado em que se encontra.

Perda da visão

Segundo sua companheira, Verzilov começou a se sentir mal pouco depois de uma audiência em um tribunal na terça-feira. Às seis da tarde, hora local, se deitou para descansar em casa e quando Nikulshina chegou duas horas depois, Verzilov “acordou e disse que estava começando a perder a visão”.

“Entre as oito e as dez seu estado piorou gradualmente. Primeiro foi a visão, depois sua capacidade de fala e depois a de movimento”, relatou Nikulshina ao Meduza.

“Quando chegaram os paramédicos, ele respondeu suas perguntas e afirmou que não tinha comido nada”, disse Nikulshina. “Foi então que seu estado piorou rapidamente e começou a convulsionar. No caminho do hospital, na ambulância, já estava balbuciando. Caiu em um estado meio inconsciente e deixou de responder e de me reconhecer”, continuou a companheira de Verzilov.

Segundo Veronika Nikulshina, os médicos não encontraram “nada de errado” inicialmente em seu diagnóstico preliminar, mas, por volta de uma da madrugada, “repentinamente transferiram Verzilov para a unidade de toxicologia do hospital”.

Os funcionários da unidade de saúde se negaram a dizer a Nikulshina que tinham diagnosticado que o ativista fora envenenado, alegando que ela era somente sua companheira e que, portanto, não tinha “nenhum direito” de ser informada sobre o resultado dos exames.

“O médico disse que seu estado era grave, mas que sua saúde começava a melhorar e ele já respondia seu nome”, finalizou Nikulshina.

Um comentário

  1. Putin, como todo comunista, manda matar os opositores! Ele também mandou envenenar um ex-comunista que estava escondido na Inglaterra!
    O que dizer daqueles brasileiros que vão votar em comunistas aqui no Brasil?!
    Como diria o ex-Senador Mão Santa: “A ignorância é audaciosa!”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document