quarta-feira, 24 de julho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Representantes de 15 países discutem na Colômbia a crise venezuelana

Representantes de 15 países discutem na Colômbia a crise venezuelana

Matéria publicada em 25 de fevereiro de 2019, 09:12 horas

 


Brasília – Sob tensão e em clima de guerra, presidentes, vice-presidentes e chanceleres  de 14 países, entre eles o Brasil, e mais os Estados Unidos se reúnem hoje (25), em Bogotá, na Colômbia. O presidente da Colômbia, Iván Duque, coordena o encontro com o  Grupo de Lima e o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, para discutir o acirramento da crise na Venezuela.

Na reunião, Pence deve propor a imposição de novas sanções contra o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro. Para o governo brasileiro, é fundamental que mais países reconheçam o governo interino de Juan Guaidó como legítimo, de acordo com nota divulgada ontem (24) pelo Itamaraty.

Pelo Twitter, na sua conta pessoal, Pence afirmou que o esforço, durante a reunião em Bogotá, será para garantir liberdade e democracia para os venezuelanos. “Expressar solidariedade com os líderes regionais pela liberdade e contra Maduro. Encontro com o presidente colombiano Ivan Duque e o único presidente legítimo da Venezuela, Juan Guaidó. É hora de uma Venezuela livre e democrática.”

Brasileiros

Na reunião, o Brasil será representado pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Ambos viajaram ontem e, nos últimos dias, Araújo esteve em Pacaraima (RR) e na fronteira da Colômbia. Em nota, o governo brasileiro repudiou os atos de violência tanto nas áreas próximas ao Brasil quanto na  colombiana.

Araújo se reuniu com Guaidó e os presidentes da Colômbia, do Chile, Sebastián Piñera, e do Paraguai, Mario Abdo, na fronteira com a Venezuela. Eles acompanharam a organização da ajuda humanitária internacional para a população venezuelana.

Especial

O presidente interino, Juan Guaidó, também participará da reunião em Bogotá. Ele chegou ontem (24) à capital colombiana. Será a primeira vez, na história recente, que um integrante venezuelano participará de reunião com o Grupo de Lima, segundo o Ministério das Relações Exteriores da Colômbia.

De acordo com a chancelaria colombiana, entre os objetivos da reunião está a aprovação de uma declaração conjunta que contribuirá para continuar criando as “condições para a liberdade e a democracia na Venezuela”.

Solidariedade

Há dois dias, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, participou de um evento público em que defendeu a legitimidade de Guaidó, criticou a gestão de Maduro e demonstrou preocupação com a grave crise humanitária e o esforço internacional para conter as dificuldades da população venezuelana.

Ontem (24), pelo segundo dia consecutivo, houve registros de violência nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e a Bolívia. Também há informações de vítimas e deserções de militares, antes aliados a Maduro.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Mirian leitão do DV, onde você leu esse informação? Mais uma fake news da fábrica que colocou esse despreparado no governo. Alguém precisa informar para o mito que ele já é o presidente e interromper essa sandice de colocar o país nesse conflito. Com a possibilidade real de invasão pelos EUA, conseguiram criar um sentimento de oposição ao invasor na população. Produtos da Turquia, Rússia e China já estão sendo disponibilizados para a população. Isso é geopolítica, não é para amadores como esse embaixador discípulo de Olavo e os três patetas. E parafraseando o cid Gomes ” O Lula está preso seu B…B..ca”. Pelo amor do Pai, esquece o ex presidente, isso já está parecendo doença.

  2. Avatar

    Ontem o ditador Maduro mandou queimar as mais de 34 toneladas enviadas pelos EUA para diminuir um pouco a fome e a morte que rondam os cidadãos daquele país!
    O que o Lula vai dizer desse atentado contra os cidadãos daquele país?!

Untitled Document