quinta-feira, 2 de dezembro de 2021 - 15:59 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / 2021 vai ser o ano da ficção científica na telinha e na telona

2021 vai ser o ano da ficção científica na telinha e na telona

Matéria publicada em 25 de agosto de 2021, 17:28 horas

 


“Fundação” do Isaac Asimov virou série da Apple TV e “Duna” chega em outubro

Fundação: Os cenários fantásticos da série de TV

A medida em que entramos no segundo semestre de 2021, cresce a expectativa pela estreia de três grandes produções de ficção científica. Os nerds estão contando os dias para o início da mini serie “Fundação” que o canal de streaming Apple TV+ marcou para o dia 24 de setembro. Comandada por David S.Goyer, “Fundação” vai ter 80 episódios e é baseada na famosa trilogia do escritor Isaac Asimov. Em outubro chega aos cinemas a nova versão da série “Duna”, outro clássico do gênero, desta vez sob a direção do cineasta Denis Villeneuve e com um elenco que inclui até o Jason Momoa. “Duna” chega aos cinemas no dia 22 de outubro. E para completar o pacote futurista temos”  Caminhos da Memória”, com o ex-Wolverine Hugh Jackman interpretando uma aventura que lembra os romances do escritor Phillip K.Dick. “Caminhos da Memória” deve chegar aos cinemas na próxima semana.

O filme da diretora Lisa Joy se passa num futuro próximo, quando o aquecimento global elevou o nível dos oceanos e transformou a cidade de Miami, na Flórida, numa espécie de Veneza futurista. Num mundo onde a humanidade parece não ter futuro as pessoas usam uma tecnologia de sondas cerebrais para recuperar memória passadas e reviver os melhores momentos de suas vidas. Hugh Jackman é um especialista nessa tecnologia que se apaixona por uma cliente. Uma mulher misteriosa interpretada pela atriz Rebecca Ferguson. Quando ela desparece misteriosamente ele usa a máquina de memórias para tentar descobrir seu paradeiro.

O filme usa uma nova tecnologia de hologramas para criar seus cenários futuristas, num estilo bem “Blade Runner”  . Do futuro próximo do “Caminhos da Memória” saltamos para o futuro muito distante da série “Fundação”. Isaac Assimov, que foi um dos maiores mestres da ficção científica no século 20, criou este mundo futurista depois de ler “O declínio do império romano” do historiador Edward Gibbon. E imaginou um imenso império galáctico entrando em colapso num futuro de viagens interestelares e planetas extra-solares. A história toda é contata em três volumes: “Fundação”, “Fundação e Império” e “Segunda Fundação”. Os livros serviram de inspiração para muitos filmes de ficção, incluindo a “Guerra nas Estrelas” do George Lucas mas nunca tinham sido adaptados para as telas devido a complexidade da trama e a grandiosidade dos cenário.

A julgar pelos trailers que estão disponíveis na internet, parece que a equipe do produtor David S.Goyer conseguiu responder bem ao desafio. As imagens estão fantásticas. Jared Harris é o matemático Hari Seldon criador de uma nova ciência, a psico-história. Em sua época a humanidade já colonizou toda a galáxia da Via Láctea e criou um império que existe há milhares de anos. O problema é que a psico-história prevê que o império vai desmoronar em breve e a civilização vai sucumbir em meio a guerras e revoluções. Para preservar o conhecimento humano Seldon cria a Fundação do título. Um grupo de cientistas e intelectuais que fogem para um planeta distante. Mas são caçados pelo exército do imperador clone, que vê os cientistas como uma ameaça ao seu poder. Afinal não é de hoje que os poderosos costumam entrar em conflito com aqueles que ousam desafiar sua vontade. É algo que vemos nos jornais todo o dia.

“Duna” do diretor Denis Villeneuve, é sobre outro império galáctico, desta vez inspirado no Oriente Médio dos dias de hoje. Onde o povo de um planeta desértico espera um messias que vai liderar sua revolta contra os opressores. “Duna” já foi adaptado para o cinema pelo diretor David Lynch em 1984. Num filme que provocou muita polêmica entre os fãs dos livros do escritor Frank Herbert. Villeneuve promete que a nova adaptação será muito melhor.

 

Jorge Luiz Calife

Caminhos: Hugh Jackman na Miami inundada

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Saudades do tempo que ia no cinema…

    Saudades do tempo em que podíamos ser felizes…

    Saudades do tempo que entes queridos estavam aqui.

    A saudade fica e as coisas se vão, se vão pessoas, se vão felicidade , se vão esperanças e o que fica é tristeza e falta de ilusão.

Untitled Document