quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Angra dos Reis ganhará pesquisa arqueológica

Angra dos Reis ganhará pesquisa arqueológica

Matéria publicada em 21 de janeiro de 2020, 13:15 horas

 


Angra dos Reis – O Fundo Municipal de Cultura, coordenado pela prefeitura de Angra, por meio da Secretaria Executiva de Cultura e Patrimônio, auxilia o financiamento de projetos culturais do município. As iniciativas vão da arqueologia ao bordado, passando pelo teatro, literatura e música. No total, nove projetos foram aprovados em três eixos distintos. Um desses projetos é o “Locus Histórico, mapeamento e difusão do acervo arqueológico municipal”. A pesquisa é considerada de extrema importância para o resgate cultural do município e visa preservar o patrimônio sociocultural dos sítios arqueológicos existentes, além de ampliar a disponibilidade de pontos voltados ao ecoturismo na região e potencializar a Baia da Ilha Grande como patrimônio mundial da Unesco.
A ação faz parte do eixo 2 do edital do Fundo Municipal, que consiste em propostas que envolvam o levantamento de dados e que promovam o fortalecimento da cultura na região, possibilitando a troca de conhecimento e experiências. O eixo 1 é voltado para os projetos de até R$ 50 mil e que visem o estímulo da produção cultural. Já os pertencentes ao eixo 2 são aqueles voltados para a formação e capacitação em pesquisa e que tenham até R$ 30 mil de custeio. O eixo 3 é configurado pela circulação e intercâmbio cultural e tem custeio de até R$ 10 mil.
O projeto de pesquisa arqueológica será realizado em etapas: levantamento junto ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) do maior número de informações disponíveis sobre os 102 sítios arqueológicos registrados no instituto; sistematização dos dados obtidos; incursões a campo no continente, na Ilha Grande e nas ilhas com registro fotográfico dos resquícios encontrados e coleta de dados geoespaciais por GPS (Sistema de Posicionamento Global) dos pontos e dos caminhos (trilhas e estradas) que levam a eles; e localização desses sítios no software Google Earth através dos dados geoespaciais coletados na visita. Para tanto, são inseridas as coordenadas latitude e longitude e adicionadas às imagens e demais informações sobre o sítio e encapsulamento dos dados, a partir da criação de um arquivo KMZ, e difusão das informações disponibilizadas através de um link, onde qualquer pessoa poderá acessá-las de maneira fácil e orientada.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document