sábado, 24 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Coral de Libras do Projeto Música nas Escolas é ferramenta de inclusão social em Barra Mansa

Coral de Libras do Projeto Música nas Escolas é ferramenta de inclusão social em Barra Mansa

Matéria publicada em 23 de dezembro de 2015, 07:00 horas

 


Barra Mansa – O principal objetivo do Projeto Música nas Escolas, de Barra Mansa, é educar através da música. Ao colocar este objetivo em prática, o projeto realiza uma verdadeira revolução na cidade, onde cada aluno da Rede Municipal de ensino é inserido no cenário musical desde a pré-escola. Este processo de formação musical realizado pelo projeto torna-se uma importante ferramenta de inclusão social.
A professora de musicalização infantil, Priscila Faria de Oliveira Santos, percebeu esta possiblidade de utilizar a música como ferramenta de inclusão ao ministrar aulas pelo Projeto no Colégio Municipal Pref. Marcello Drable. Nas aulas que realizava no colégio, um polo de inclusão, Priscila se frustrava ao constatar que os alunos surdos não acompanhavam as aulas de musicalização. Propôs, então, à direção da Unidade Escolar e ao Projeto a criação de um Coral de Libras. A diretoria do Colégio Municipal Pref. Marcello Drable e o Projeto Música nas Escolas apoiaram a ideia de Priscila, nascendo assim, em 2015, o Coral “Mãos que encantam”.
O coral ensaia no intervalo dos turnos do colégio e já conta com 26 integrantes, de oito a 17 anos. Para a inclusão ser completa, o “Mãos que encantam” é formado por surdos, mudos e alunos ouvintes, que têm conhecimento de Libras. Os integrantes expressam três músicas através da linguagem de sinais, que foram adaptadas por Priscila, em conjunto com a intérprete Dayana Aparecida Francisco de Souza.
– Precisamos adaptar a música para Libras, de maneira que faça sentido para os alunos e eles não apenas sejam repetidores dos sinais, mas, principalmente, sintam a música e cantem com toda a expressão. É um trabalho complexo, mas que vem apresentando resultados surpreendentes – afirma Priscila.
E estes resultados são demonstrados pela socialização dos alunos, interesse pelo mundo da música, que os levam a querer aprender instrumentos. Lara de Araújo Lima da Silva quer tocar violino, Grazieli Campos Rodrigues tem interesse na flauta, mas, principalmente, no orgulho que os pais e familiares sentem. Vanessa Pedrosa Campos Rodrigues, mãe de Grazieli conta que a família toda aprendeu a falar em Libras.
– A Grazieli começou a se apresentar em Libras na igreja que frequentamos e já apresentou o Hino Nacional. É sempre muito emocionante e ajuda na sua socialização, tanto que ela já pediu para ir à escola sozinha. Mesmo preocupados, mas não em razão dela, mas sim pela violência geral, nós a autorizamos e colocamos todas as informações de contato na carteirinha do passe escolar. Acreditamos na independência dela acima de tudo – afirmou Vanessa.
Os laços que unem os integrantes do coral ultrapassaram o portão da escola e todos são amigos. Recentemente, no aniversário de 15 anos de Maria Fernanda Alves Martins, participante do coral, eles apresentaram uma música.
– Foi uma festa muito emocionante, eles prepararam esta surpresa que deixou todos os presentes encantados. A Maria Fernanda é um exemplo para toda nossa família e tem um futuro promissor pela frente – disse emocionada, Sônia Maria Alves Martins de Oliveira, avó de Fernanda.
Os alunos do coral conheceram a Sede do Projeto Música nas Escolas e participaram de ensaios da Orquestra Sinfônica e da Banda Sinfônica de Barra mansa. A percussão, com seu som vibrante, impressionou os alunos, que ficaram descalços para sentir a música e os instrumentos da orquestra. No ensaio da banda, os alunos tiverem contato mais próximo com os instrumentos, tocando-os e aprendendo como funcionam. A experiência os aproximou ainda mais da música. A intérprete reforçou a importância do ensino de Libras não apenas para os surdos.
– Libras é a segunda língua do país e mesmo assim não é tão difundida. Temos uma carência enorme de profissionais com conhecimento na língua e precisamos cada vez mais difundi-la a todos, para que a inclusão ocorra naturalmente – salientou Daiana.

‘Mãos que encantam’: Coral ensaia no intervalo dos turnos do colégio e já conta com 26 integrantes (Fotos: Divulgação)

‘Mãos que encantam’: Coral ensaia no intervalo dos turnos do colégio e já conta com 26 integrantes (Fotos: Divulgação)

capa coral (5) capa coral (6) capa coral (7)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document