terça-feira, 11 de maio de 2021 - 19:31 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Cosmos: Uma Odisseia do Espaço- tempo sai em DVD

Cosmos: Uma Odisseia do Espaço- tempo sai em DVD

Matéria publicada em 16 de março de 2015, 06:33 horas

 


aqui no Brasil ninguém se interessou por este lindo conjunto de documentários

Estrela: Tyson explica a física dos buracos negros. Foto:Divulgação)

Estrela: Tyson explica a física dos buracos negros. Foto:Divulgação)

“Cosmos: Uma Odisseia do Espaço-tempo” é, provavelmente, a série de televisão mais bonita e inspiradora de todos os tempos. Lançada na tv por assinatura em março do ano passado ela está disponível em DVD e blu-ray desde junho. Mas só em DVD de região 1. Aqui no Brasil ninguém se interessou por este lindo conjunto de documentários. Navegando pelas lojas virtuais brasileiras é possível encontrar seriados policiais, médicos, de zumbis e fantasia, mas de ciência não tem nada. Nem mesmo o Cosmos com seu show de efeitos especiais e a bela música do Allan Silvestri. As distribuidoras ainda acham que o Brasil não é um país inteligente e que o nosso povo só está interessado em bangue bangue, futebol e superstição.

Por enquanto dá para curtir a série na tv e, se o leitor dominar o inglês, pode comprar os DVDs ou o blu Ray de região 1 mesmo. “Cosmos: Uma Odisseia do Espaço-tempo” como todos sabem é uma versão moderna da antiga série “Cosmos” do astrônomo Carl Sagan que foi um marco em 1979, quando foi lançada no mundo inteiro. Em 13 episódios ela levava o espectador em uma jornada pelo espaço e o tempo, mostrando como a humanidade descobriu o universo e conquistou a perspectiva cósmica atual.

Até sua morte, em 1996, Sagan e sua esposa Ann Druyan foram atualizando a série para as edições em VHS e DVD. Mas o problema é que os efeitos especiais, que pareciam corretos em 1979, perdiam feio comparados com as produções do cinema contemporâneo. Foi por isso que Druyan, e o produtor Seth MacFarlane, buscaram o apoio do astrônomo Neil de Grasse Tyson para criar uma versão moderna de Cosmos. Além de atualizado o novo Cosmos é um seriado da era pós-Hubble. O telescópio espacial da Nasa, lançado em espaço em 1991 mudou nossa visão do Universo. Revelando que o espaço estrelado é muito mais colorido e bonito do que podíamos imaginar.

Tyson é a versão moderna do Carl Sagan. Astrofísico, ele ficou conhecido apresentando a série de documentários do NOVA e usando os recursos da internet para divulgar a astronomia. Em Cosmos ele viaja pelo universo em uma nave imaginária, mostrando as descobertas feitas nos últimos 50 anos, durante a chamada era espacial, e o legado dos antigos cientistas e filósofos. Os efeitos visuais são deslumbrantes, recriando galáxias em terceira dimensão, nebulosas, átomos, tempestades no planeta Júpiter e os lagos de metano da lua Titã de Saturno. Na parte histórica, sobre a vida dos antigos cientistas, são usados desenhos animados, uma ideia que o produtor Mac Farlane teve quando produzia seu seriado “Family Guy”.

Além do visual moderno, e dos efeitos especiais espetaculares, o Cosmos de Tyson é certamente mais polêmico do que a versão antiga de Sagan. Sagan viveu na época da guerra fria e se preocupava muito com a ameaça da humanidade ser destruída em uma guerra nuclear. Já Tyson vive em um mundo aterrorizado pelo fundamentalismo religioso. Onde a televisão mostra quase todo dia pessoas sendo degoladas por suas crenças ou pela ausência delas. Por isso o nosso astrofísico celebridade é implacável com o criacionismo e com algumas ideias religiosas medievais.

O lado engajado do novo Cosmos não prejudica a beleza do espetáculo. O músico Alan Silvestri, que produziu as trilhas sonoras de filmes como “Contato”, “Forrest Gump” e “Naufrago” fornece a música que embala a viagem pelo tempo e o espaço. O que também diferencia o novo Cosmos do antigo. No seriado do Sagan a música era uma representação dos sons da humanidade, indo do som new age do Vangelis as citaras indianas.

O desenhista de produção Ryan Church criou uma “nave da imaginação” toda nova para o seriado. Como a original ela lembra uma semente, mas tem uma superfície espelhada que reflete o ambiente ao redor. O que fica muito bonito quando a nave atravessa nebulosas ou se aproxima de pulsares e buracos negro.

Vencedora de 11 prêmio Emmy, “Cosmos” vai ganhar uma segunda temporada. Talvez então a primeira chegue ao Brasil.

 

Jorge Luiz Calife

[email protected]


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Gostaria muito de assistir essa série, provavelmente existe para baixar na internet com legenda em português.

Untitled Document