>
segunda-feira, 23 de maio de 2022 - 17:19 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Em busca de novos mundos

Em busca de novos mundos

Matéria publicada em 27 de março de 2017, 13:10 horas

 


Pesquisas revelam que o Universo pode estar cheio de novas Terras

O ano de 2017 ainda não chegou à metade e os astrônomos já descobriram dezenas de mundos novos. Um novo estudo propõe que o nosso Sistema Solar pode ter mais de 100 planetas além daqueles nove que aprendemos na escola. E lá fora, além do planeta Plutão, existe uma infinidade de mundos orbitando sóis distantes e exóticos. Muitos deles podem ter água líquida e condições para existência de vida. O que deixa os engenheiros espaciais empolgados com a busca de meios para navegar até essas praias distantes do espaço sideral.

Um caso típico é a estrela anã Trappist-1, que fica a “apenas” 39 anos-luz da Terra. No ano passado astrônomos do observatório europeu, situado em La Silla, nos Andes chilenos, anunciaram a descoberta de três planetas girando em torno dessa estrela. Agora a lista aumentou para sete. Sendo que três deles são mundos de rocha e metal, semelhantes a Terra. E o que é mais importante, encontram-se a uma distância de seu sol que permite a existência de água líquida.

Mas tem muito mais. Nos últimos 20 anos os telescópios situados na Terra e no espaço revelaram a existência de 3,5 mil mundos orbitando estrelas distantes. E os telescópios só observaram uma pequena região de nossa galáxia, a Via Láctea, que contém bilhões de estrelas. Muitos desses mundos são gigantes gasosos, como Júpiter e Saturno, com atmosferas turbulentas e temperaturas que congelariam qualquer criatura viva que tentasse viver por lá. Mas entre eles há uma multidão de planetas de rocha e metal onde a vida pode ter aparecido e se desenvolvido como aqui na Terra.

A agência espacial americana Nasa produziu o pôster imaginando turistas do futuro visitando os mundos exóticos da Trappist-1. Mundos onde o ano dura apenas algumas semanas e tudo parece tingido de vermelho pela luz do sol anão. Se o nosso Sol fosse do tamanho de uma bola de futebol, Trappist-1 seria do tamanho de uma bola de golfe. Mas como seus mundos ficam mais perto eles podem receber a energia necessária para se manterem aquecidos.

No início do mês a sonda espacial Cassini, que orbita o planeta Saturno, revelou outro mundo estranho. A lua Pan, que se formou a partir do gelo que existe nos anéis do planeta. Pan não tem a forma esférica que se espera de um corpo celeste. Ela parece um biscoito, desses que tem uma camada de recheio no meio. Para os pesquisadores da Nasa essa forma estranha é o resultado do modo como este mundo se formou, pela junção de partículas de gelo que formavam um dos anéis de Saturno.

Pan é muito pequena para ter uma atmosfera, teríamos que usar roupas de astronauta para visitá-la. Mas a vista valeria a pena, com Saturno tapando a metade do céu e os rios de gelo dos anéis formando uma pista infinita a se estender até o horizonte. Todas essas descobertas levaram o astrônomo Kirby Runyon, da Universidade Johns Hopkins, a propor uma nova classificação para os planetas. Ele acha que eles devem ser julgados pelas suas características próprias e não pela posição que ocupam no céu. Se a ideia for aprovada várias luas de Júpiter e Saturno e nossa própria Lua passariam a ser considerados planetas. E o número de planetas só no nosso sistema solar aumentaria para 110.

Plutão, por exemplo, já foi considerado um planeta, mas na década passada foi reclassificado como “planeta anão”. Isso foi antes da visita da sonda espacial New Horizons, que revelou que Plutão é um mundo bem mais complexo do que se imaginava. Com várias luas e uma atmosfera tênue. Se a União Astronômica Internacional aprovar a proposta de Runyon, Plutão voltará a ser considerado um planeta.

Arthur C. Clarke disse uma vez que existem tantos mundos no céu que cada homem vivo poderia encontrar neles seu próprio céu ou inferno particular. O problema é chegar lá. A tecnologia de viagem interestelar ainda está engatinhando e a viagem até os exoplanetas ainda se encontra em um futuro distante.

 

Por Jorge Luiz Calife

[email protected]


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Por mim se descobrissem a cura pro câncer,aids,dengue,chicungunha,zica,e febre amarela já estava de bom tamanho,tá osso viver assim,o que mais vem por aí meu Deussss!!!

  2. Um dia eu já falei: vão descobrir muitas coisas ainda nesse Universo! E, aliás, uma forma de vida mais inteligente que a nossa descobrirá a nossa antes que a gente descubra outra forma de vida!

Untitled Document